World Fabi Books











{dezembro 6, 2011}   Figuras da Literatura Brasileira

Olá, a todos leitores que retornam a essas terras!!!

E bem vindos aqueles que estão se aventurando pela primeira vez nesse blog!!!

Como alguns já sabem, acabei pegando uma folguinha do trabalho e fui descansar por aí… Atrasando os posts da coluna “Figuras da Literatura Brasileira” e por causa disso, peço milhões de perdões!! Mas, estava tão exaurida… A Virada Jovem me esgotou! Porém, valeu a pena!!

E como sabem, eu gosto de disponibilizar uma atenção extra para essa coluna, portanto, não queria escrevê-la a torto e a direito, de qualquer jeito, sem uma eira e nem beira.

Assim, acabo por negligenciar a periodicidade dela novamente!

Aliás, retornarei ao fato de que ela poderá ser postada entre terça e quinta-feira de cada semana… Assim, consigo me dedicar com mais calma!

E, para quem é novo aqui…

O Figuras da Literatura Brasileira é um post que virou coluna!

Toda terça-feira (salvo imprevistos e agora com um prazo maior até quinta-feira) coloco uma entrevista com alguns escritores brasileiros, as quais se pautam em cima dos mais variados temas escolhidos pelo próprio escritor.

Podemos discutir desde ficção até problemas políticos, sendo que o intuito é ajudá-los a conhecer melhor essas figuras de nossa literatura!

E não se esqueçam: Manifestem-se à vontade!

Então… Vamos para entrevista dessa semana?

Giulia Moon falando sobre Cultura Oriental:

Giulia Moon é paulistana e já foi: diretora de arte, ilustradora, diretora de criação e sócia de agência de propaganda.

Também é a autora dos livros Kaori: Perfume de Vampira (Giz Editorial, 2009) e Kaori 2: Coração de Vampira (Giz Editorial, 2011).

Tem três coletâneas de contos publicados: Luar de Vampiros (Scortecci, 2003), Vampiros no Espelho & Outros Seres Obscuros (Landy, 2004), e A Dama-Morcega (Landy, 2006).

Em 2008 lançou com mais seis autores (Adriano Siqueira, André Vianco, Martha Argel, J. Modesto, Nelson Magrini, Regina Drummond) o livro de contos Amor Vampiro (Giz Editorial).

Sempre na área da literatura fantástica, é coeditora do fanzine FicZine e da Scarium Magazine.

Especialista em ficção de vampiros, tem carinho especial por seres obscuros e monstros de qualquer natureza:

Blogs e site da escritora:

http://phasesdalua.blogspot.com/, http://giuliamoon.blogspot.com/ e http://www.giuliamoon.com.br/  

Entrevista:

1. Nota-se uma forte presença da cultura oriental em seus livros. Isso deve ao fato de ser descendente de japoneses ou há algum outro motivo?

Por ser filha de japoneses, fui criada num ambiente com muita influência da cultura japonesa, mas acho que o motivo principal é o meu fascínio, desde pequena, por sagas e aventuras de samurais e também pelas criaturas do folclore japonês, que é muito rico e peculiar.

Além disso, eu cresci lendo mangás e assistindo animes. E acho que o tipo de enredo de alguns mangás acabaram exercendo uma forte influência nas minhas histórias.

2. O que mais lhe fascina na cultura oriental?

Acho que é a sutileza, a estética, o cuidado pelos detalhes e a forma de perceber o tempo.

E a valorização do que é simples – que não é a mesma coisa que resumir e simplificar.

As coisas mais simples trazem em si uma complexidade infinita.

3. Você já ouviu falar dos animes e mangás, certo? Então, quais são os seus favoritos e por quê? E por qual motivo esse tipo de desenhos e literatura lhe atrai?

Como disse antes, eu cresci vendo animes e lendo mangás. Eu acho que os mangás são uma forma incrível de entretenimento.

E, quando são bem feitos, mostram um extremo cuidado com a forma, personagens intensos e complexos, um enredo que não segue regras pré-definidas de aventuras ocidentais de entretenimento, histórias complexas e passíveis de serem lido em vários níveis de entendimento, muita pesquisa, elementos de fantasia bem inseridos, etc.

Os meus mangás e animes preferidos são tantos que sempre me esqueço de citar algum.

Quando pequena, adorava “A Princesa e o Cavaleiro”, “Kimba o Leãozinho Branco”, “Super Dínamo”.

Mais tarde, li e reli “A Rosa de Versailles”, o mangá lindo de Riyoko Ikeda.

Tem os animes de vampiros “Hellsing”, “Vampire Hunter D”, “Vampire Princess Miyu”, “Night Walker” e, mais recentemente, “Blood +”, “Vampire Knight”, etc.

Gostei também muito de “Berserk”, “Cowboy Bebop”, “D-Gray Man”, “Death Note”, “X-Holic”, “Kuroshitsuji”, “Code Geass” e por aí vai!

4. Você já baseou alguma cena de seus livros em algum anime e/ou mangá?

Principalmente no “Kaori: Perfume de Vampira” e agora no “Kaori 2: Coração de Vampira” o clima lembra um pouco o dos animes, mas nunca baseei algo diretamente num anime ou mangá.

5. Giulia, o que você acha do cantor japonês, GACKT Camui? Algumas das músicas dele já a inspiraram enquanto escrevia suas obras?

Bem, conheci GACKT (o nome dele é assim, com letras maiúsculas, segundo ele próprio) quando procurava uma música para servir de pano de fundo a uma cena entre a vampira japonesa Kaori e o humano Samuel, ainda no primeiro livro, “Kaori: Perfume de Vampira”.

E “kaori” em japonês significa “perfume”, “fragrância”. E surpreendi-me ao encontrar a música “Fragrance”, de GACKT no You Tube, cuja letra, o clima, tinha tudo a ver com a cena.

Se tiverem curiosidade, assistam este vídeo de “Fragrance” legendado (minha tradução): http://youtu.be/IT_vkCiDCks.

Quando vi GACKT, foi paixão à primeira vista!

Eu amei o cantor, a voz maravilhosa de barítono, as músicas e as letras – que, por sinal, são de autoria do próprio GACKT – e passei a acompanhar a carreira dele.

Hoje, sou uma das moderadoras da comunidade GACKT ~[ Brasil ]~ do Orkut (http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=185431) e sou superfã do Gackuto-san!

No segundo livro da vampira Kaori, “Kaori 2: Coração de Vampira”, lançado este ano, incluí mais duas músicas de GACKT: “Cube” (link com a minha tradução no You Tube: http://youtu.be/LbOen2B9UEU) e a deliciosa “Vanilla” (link com a minha tradução: http://youtu.be/8bz7XgREX4k ).

Além disso, já escrevi um conto, chamado “As Vampiras de Kenshin”, publicado na coletânea “Território V” da Terracota Editora, com o personagem Kenshin, um roqueiro japonês de Visual Kei, inspirado em GACKT.

6. Como foi escrever Kaori?

Escrever o primeiro livro de Kaori significou também escrever o meu primeiro romance, após três livros de contos publicados.

Foi um trabalho árduo, com muita pesquisa, principalmente para recriar a atmosfera do Japão de 1647 a 1856, narrar o passado da vampira japonesa na Era Tokugawa e, ao mesmo tempo, contar uma aventura moderna com Kaori, tendo como cenário uma São Paulo agitada, louca e palpitante dos dias de hoje.

Contar essas duas histórias ao mesmo tempo, em capítulos alternados, exigiu um trabalho adicional, o de manter equilibrado o nível de tensão e dramaticidade nas duas histórias. Escrever “Kaori: Perfume de Vampira” foi uma febre, uma obsessão, uma experiência difícil e inédita, mas ao mesmo tempo deliciosa, que ocupou quase dois anos da minha vida.

E eu tenho grande orgulho do filhote que nasceu dessa longa gestação!

7. É complicado unir os vampiros a uma cultura tão vasta como a japonesa?

Nem tanto.

Há criaturas do folclore japonês que bebem sangue em algumas de suas histórias, como o kappa, um ogro que vive nas águas, e o gato monstruoso nekomata.

Mas nenhuma, que eu conheça, tem todas as características que definem o vampiro clássico, tal como o cinema popularizou: alimentar-se exclusivamente de sangue, temer o sol e possuir a capacidade de regeneração, quando ferido.

No entanto, a cultura pop moderna japonesa adotou o vampiro como um dos seus ícones mais queridos. Há dezenas de mangás, animes, filmes e seriados de vampiros criados pelos japoneses, que sempre tiveram um fascínio irresistível por tudo o que o vampiro significa: a juventude eterna, a sensualidade, o poder de superar a Morte.

Portanto, essa ponte entre um personagem clássico ocidental e a cultura japonesa já foi estabelecida por competentes criadores de lá.

Quanto aos meus vampiros japoneses, só posso dizer uma coisa. Como vampiros, são violentos, predadores, preocupados em sobreviver num mundo que lhes é hostil. Portanto, nem sempre são gentis.

Mas a forma como reagem a esse mundo e à condição vampiresca de suas existências, é totalmente japonês!

8. Como foi escrever Kaori 2 para você, comparando com a experiência de ter escrito o primeiro volume?

Comecei “Kaori 2: Coração de Vampira” imaginando que o processo todo de criação do livro seria bem mais tranquilo do que o anterior. Mas não foi.

O momento era outro, a Giulia Moon que escreveu o primeiro livro havia mudado um pouquinho.

As pesquisas continuaram a ocupar grande parte do meu tempo, mas a história, em si, nasceu aos borbotões, um episódio puxando outro, até se transformar numa aventura alucinante, cheia de reviravoltas e emoções intensas.

Perto do final, o livro já tinha mais de quatrocentas laudas, o que era uma enormidade para os padrões de livros do gênero. E eu não queria produzir um “tijolão”.

Eu queria uma obra que fosse intensa, mas ao mesmo tempo leve e divertida. Por isso, cortei. Simplifiquei alguns episódios e cortei cenas inteiras, que eram divertidas isoladas, mas desnecessárias como um todo.

E cheguei ao formato atual do livro, e estou satisfeita com ele, principalmente agora, depois de colher as impressões dos leitores que compraram o livro na Bienal do Rio e no lançamento em São Paulo.

Escrever Kaori 2 foi uma experiência tão intensa e emocionante quanto escrever o primeiro romance.

E desconfio que todos os meus livros serão assim.

Uma experiência nova, inédita!

9.  Poderia adiantar algo do Kaori 2, que possa deixar aqueles que ainda não o leram ainda mais curiosos?

Aos personagens do primeiro livro, mais figurantes com caras de personagens principais irão se apresentar.

Aliás, a força dos coadjuvantes sempre foi uma das características mais fortes dos meus livros.

Então, quem já leu “Kaori: Perfume de Vampira” e se encantou com Takezo, Mimi, o nekomata e tantos outros, prepare-se.

No Kaori 2 você vai conhecer o delicioso Yoshi, um garoto de programa que vai balançar o coração da experiente Kaori. O amalucado Gaspar Klimann, um exterminador de monstros bem diferente dos exterminadores do cinema. A sensual e vigorosa Soraya, que têm a aparência de uma Lara Croft, mas o espírito de um Conan. E a grande ameaça do livro, uma epidemia maléfica que vai se alastrando entre as criaturas sobrenaturais, enlouquecendo-as e as matando.

E, claro, Kaori, Takezo, Samuel, Beatriz e o IBEFF vão estar de volta, para viverem mais uma grande aventura!

Outro aspecto que quero frisar para quem ainda não leu o primeiro livro: podem ler o Kaori 2 tranquilamente. “Kaori 2: Coração de Vampira” não é uma continuação. É uma história independente, com começo, meio e fim – como o primeiro.

E preparem-se, pois vem aí o próximo livro, que se chamará “Kaori e o Samurai Sem Braço”, uma aventura emocionante de samurais com a vampira perfumada Kaori!

Então é isso. Parabéns ao blog Word Fabi Books e à coluna Figuras da Literatura Brasileira, foi muito bom papear com você e seus internautas!



Eles dizem que é ver para crer…

E, embora neste dias exista muita manipulação digital de imagens, estas fotografias são consideradas por muitos como a verdadeiras provas fotográficas de fantasmas.

A Senhora Brown

Este retrato de “Lady Brown” é sem dúvida a fotografia de fantasma mais famosa e “bem-considerada” já feita.
O fantasma é para ser o de Lady Dorothy Townshend, esposa de Charles Townshend, segundo Visconde de Raynham, residentes de Raynham Hall em Norfolk, na Inglaterra no início de 1700.
Dizia-se que Dorothy, antes de seu casamento com Charles, tinha sido amante de Lord Wharton.
Charles suspeitou da infidelidade de Dorothy. Embora que, de acordo com registros legais, ela tenha morrido e sepultada em 1726, suspeitou-se que o funeral era uma farsa e que Charles havia trancado sua esposa do em um canto remoto da casa até sua morte, muitos anos depois.
Fantasma de Dorothy passou a assombrar a escadaria de carvalho e outras áreas de Raynham Hall.
No início de 1800, o rei George IV, enquanto permanecer em Raynham, viu a figura de uma mulher em um vestido marrom de pé ao lado de sua cama.
Ela foi vista novamente em pé no salão, em 1835, pelo Coronel Loftus, que estava visitando o local para as festas do Natal. Ele a viu uma semana depois e descreveu-a como sendo uma mulher usando um vestido de cetim marrom, sua pele brilhava com uma luminescência pálida. Também pareceu-lhe que os seus olhos tinham sido arrancados.
Alguns anos mais tarde, o capitão Frederick Marryat e dois amigos viram a “Senhora do Brown” deslizando ao longo de um corredor no andar de cima, carregando uma lanterna. Quando ela passou sorriu para os homens de maneira “diabólica”. Marryat disparou um tiro contra a aparição, mas, a bala simplesmente passou atingindo a parede.
Esta famosa foto foi tirada em setembro de 1936 pelo Capitão Provand e Shira Indre, dois fotógrafos que foram designados para fotografar para a revista Raynham Hall Country Life.
Eles revelaram que a imagem apareceu rapidamente, o que os levou a achar que a sua imagem não tivesse sido captada. Mas, na revelação do filme, a imagem de O fantasma Lady Brown foi visto pela primeira vez. Foi publicado no 16 de dezembro, 1936.
O fantasma tem sido visto ocasionalmente desde então.

Espírito do Senhor Combermere

Esta fotografia da Abadia biblioteca Combermere foi tirada em 1891 por Sybell Corbet.
A figura de um homem pode ser visto fracamente sentado na cadeira para a esquerda. Sua cabeça, braço direito e colar no braço são claramente perceptíveis. Acredita-se ser o fantasma de Lord Combermere.
Lord Combermere foi um comandante de cavalaria britânica no início de 1800, que se distinguiu em várias campanhas militares.
Morreu em 1891, tendo sido atingido e morto por uma carruagem puxada por cavalos. No momento Sybell Corbet tirou a foto acima, o funeral de Combermere foi ocorrendo cerca de quatro quilômetros de distância.
A exposição fotográfica demorou cerca de uma hora. É considerado por alguns que durante esse tempo um servo poderia ter vindo para a sala e sentado brevemente na cadeira, criando a imagem transparente. Esta idéia foi refutada pelos membros da família, que alegaram que todos estavam no funeral do Lord Combermere.

Freddy Jackson

Esta foto intrigante, tomada em 1919, foi publicado pela primeira vez em 1975 por Sir Victor Goddard, um oficial da RAF aposentado.
A foto é um retrato de grupo do esquadrão de Goddard, que serviu na Primeira Guerra Mundial no centro de treinamento do HMS Daedalus.
Outro rosto fantasmagórica aparece na foto. Na parte de trás do piloto posicionado na linha de cima, o quarto da esquerda, pode ser claramente visto o rosto de outro homem.
Diz-se para ser o rosto de Freddy Jackson, um mecânico de ar que havia sido morto acidentalmente por uma hélice de avião dois dias antes. Seu funeral aconteceu no dia em que esta fotografia foi tirada.
Membros do esquadrão facilmente reconheceram o rosto de Jackson. Tem sido sugerido que Jackson, sem saber de sua morte, decidiu mostrar-se para a foto do grupo.

Espírito Tulip Staircase

Rev. Ralph Hardy, um sacerdote aposentado de White Rock, British Columbia, tirou esta fotografia em 1966.
Ele pretendia apenas fotografar a escada em espiral elegante (conhecido como o “Staircase Tulip“) na seção da Rainha Casa do National Maritime Museum, em Greenwich, Inglaterra.
No entanto, a foto revelou uma figura a subir as escadas, parecendo segurar o corrimão com ambas as mãos.
Especialistas, incluindo alguns da Kodak, que examinaram o negativo original concluiram que o mesmo não havia sido adulterado.
Tem sido dito que aparições inexplicáveis ​​têm sido vistos de vez em quando nas proximidades da escada, e passos inexplicáveis ​​também foram ouvidos.

O Espírito Back Seat

Sra. Mabel Chinnery foi visitar o túmulo de sua mãe , em 1959. Ela tinha trazido sua câmera para tirar fotos do túmulo. Depois, resolveu tirar uma foto de improviso de seu marido, que estava esperando sozinho no carro.
Quando o filme foi revelado, o casal ficou surpreso ao ver uma figura de óculos sentado no banco de trás do carro.
Sra. Chinnery imediatamente reconheceu a imagem de sua mãe – a mulher cujo túmulo que tinha visitado nesse dia.
Um perito fotográfico que examinou a impressão determinou que a imagem da mulher não era nem um reflexo, nem uma dupla exposição. “Eu jogo a minha reputação no fato de que a imagem é verdadeira“, ele testemunhou.

O Espírito do Cemitério Boothill

Esta é a foto que mudou a minha opinião sobre fotos de fantasmas“, diz Terry Ike Clanton, que administra o website TombstoneArizona.com.
Clanton é ator, artista e poeta cowboy, e também é um primo do lendário Gang Clanton. Ele tirou esta foto de seu amigo no Cemitério Boothill para uma campanha publicitária sobre o velho oeste.
Quando revelou a foto, ficou surpreso com o que viu. Entre as lápides, logo à direita de seu amigo, é a imagem do que parece ser um homem magro com um chapéu escuro. Pela altura, o homem parece estar sem pernas, ajoelhando-se… Ou se levantando do chão.
Eu sei que não havia outra pessoa nesta fotografia quando eu a fiz“, insistiu Clanton. E acredita que a pequena figura em segundo plano está segurando uma faca.  “A faca está em uma posição vertical; a ponta está localizado logo abaixo gola direita da figura. Se você não está convencido de que algo está estranho aqui, olhe para a sombra do meu amigo na foto. Parece estar indo para trás ligeiramente para a direita dele. A figura na parte de trás deveria ter a mesma sombra, mas não!

Fantasma no prédio em chamas

Em 19 de novembro de 1995, houve um grande incêndio em Wem Town Hall, em Shropshire, Inglaterra.
Muitos espectadores se reuniram para assistir o antigo prédio, construído em 1905, ser consumido pelas chamas.
Tony O’Rahilly, um morador local, foi um desses curiosos e tirou fotos do espetáculo com uma lente de 200mm do outro lado da rua. Uma dessas fotos mostra o que parece ser uma menina pequena, parcialmente transparentes em pé na porta. Nenhum dos outros espectadores ou bombeiros lembra de ter visto a menina lá.
O’Rahilly submeteu a foto para análise da Associação para o Estudo Científico de Fenômenos Anômalos que, por sua vez, apresentou-a para análise ao Dr. Vernon Harrison, um especialista em fotografia e ex-presidente da Royal Photographic Society.
Harrison examinou cuidadosamente tanto de impressão como o negativo original, e concluiu que era genuíno. “O negativo é uma peça simples de preto-e-branco de trabalho e não mostra nenhum sinal de ter sido adulterado“, disse Harrison.
Mas quem é a menina?
Wem, uma tranquila cidade mercantil no norte de Shropshire, tinha sido devastada pelo fogo no passado.
Em 1677 pelos registros, históricos, um incêndio destruiu muitas das casas da cidade velha de madeira.
Uma jovem chamada Jane Churm, dizem as lendas, acidentalmente incendiou um teto de palha com uma vela. Muitos acreditavam que seu fantasma assombrou a área e tinha sido visto em outras ocasiões.

Fantasmas do SS Watertown

James Courtney e Michael Meehan, os membros da tripulação do SS Watertown, estavam limpando um tanque de carga do navio petroleiro,em uma viagem em direção ao Canal do Panamá a partir de Nova York em dezembro de 1924.
Através de um estranho acidente, os dois homens foram mortos por um escapamento de gás nas máquinas. Como era o costume da época, os marinheiros foram sepultados no mar ao largo da costa mexicana em 4 de dezembro.
No dia seguinte, antes do anoitecer, o primeiro imediato reportou ter visto os rostos dos dois homens nas ondas a bombordo do navio. Eles permaneceram na água por 10 segundos, em seguida, desapareceram.
Por vários dias depois, os rostos fantasmagóricos dos marinheiros foram claramente vistos pelos outros membros da tripulação na água próximo ao navio.
Na chegada em Nova Orleans, o capitão do navio, Keith Tracy, reportou os estranhos eventos ao seus empregadores, a Companhia de Serviços Cidades, que sugeriu que ele tentasse fotografar os rostos estranhos.
Capitão Tracy comprou uma câmera para a viagem continuar. Quando os rostos apareceram novamente na água, o Capitão tirou seis fotos e, em seguida, trancou a câmera e o filme no cofre do navio.
Quando o filme foi processado em Nova York, cinco das fotos mostraram nada além da espuma do mar. Mas, a sexta mostrava os rostos fantasmagóricos dos marinheiros condenados.
A negativa foi verificada pela Agência Detective Burns, que declarou sua autenticidade.

Espectro da Igreja Newby

Esta foto foi tirada em 1963 pelo Reverendo KF Lord na igreja Newby, em North Yorkshire, Inglaterra.
Foi uma foto controversa, porque parece boa demais. O rosto coberto e a forma como ele está olhando diretamente para a câmera faz com que pareça que foi colocada uma inteligente exposição dupla.
No entanto, supostamente, a foto foi analisada por especialistas que dizem que a imagem não é o resultado de uma dupla exposição.
O reverendo disse que nada era visível a olho nu quando foi feito a foto do seu altar. No entanto, quando o filme foi revelado, apareceu uma estranha figura encapuzada.
A Igreja Newby foi construída em 1870 e, tanto quanto se sabe, não têm uma história de fantasmas, assombrações ou outros fenômenos peculiares.
Aqueles que analisaram cuidadosamente as proporções dos objetos na foto calcularam que o espectro era de cerca de nove metros de altura!

Fantasma do Sete Gables

Enquanto visitava a Casa histórica do Gables em Salem, Massachusetts – o berço do autor norte-americano Nathaniel HawthorneLisa B. tirou esta foto notável.
A imagem fantasmagórica de um menino parece estar em os arbustos, espreitando por cima da cerca de madeira.
A parte mais surpreendente da história desta fotografia é que ela posteriormente fez algumas pesquisas sobre Hawthorne e a casa notando que a estranha figura aparenta-se muito com o filho de Hawthorne de cinco anos de idade, Julian.

Fantasma do vovô

Esta foto foi feita por Denise Russell. “A senhora na foto a é a minha avó“, diz ela. “Ela viveu sozinha até a idade de 94, quando sua mente começou a enfraquecer e teve que ser transferida para uma casa de vida assistida para sua própria segurança. No final da primeira semana, houve um piquenique para os moradores e suas famílias. Minha mãe e minha irmã compareceram. Minha irmã tirou duas fotos naquele dia, e esta é uma delas. Ela foi tirada no domingo, 8/17/97, ​​e nós pensamos que o homem por trás dela era o meu avô que faleceu no domingo, 8/14/84.
Não notamos o homem da foto até o dia de Natal,  no ano de 2000 (minha avó tinha já falecido). Minha irmã pensou que era uma imagem tão agradável de vovó que ela até fez uma cópia para a minha mãe, mas, ainda assim, ninguém notou o homem por trás dela há mais de três anos! Quando eu cheguei na casa dos meus pais nesse dia de Natal, minha irmã me entregou a foto e disse: Quem você acha que este homem por trás da vovó se parece?” Demorou alguns segundos para que eu ficasse absolutamente sem palavras. As fotos antigas dele em preto e branco mostraram que ele realmente se parecia com ele.

Fantasma que segurava o braço

Esta foto foi tirada por volta do ano 2000 em Manilla, República das Filipinas.
De acordo com a Sociedade de Pesquisa Fantasma, duas amigas foram para uma caminhada em uma noite quente. Uma delas pediu a um desconhecido para fotografá-las usando a câmera de seu telefone celular (daí a imagem de baixa resolução).
O resultado é mostrado aqui, com uma figura transparente parecendo puxando o braço da menina.
Sem mais informações sobre esta foto, temos de admitir que o fantasma poderia ter sido adicionado com software de processamento de imagem. Mas, se é genuíno e intocado, ele certamente se qualifica como uma das melhores fotos de fantasmas.

Bebê Espírito do cemitério

Uma mulher chamada Mrs. Andrews foi visitar o túmulo de sua filha em um cemitério em Queensland, Austrália, em 1946 ou 1947.
Sua filha Joyce havia morrido cerca de um ano antes, em 1945, com a idade de 17. Mrs. Andrews não viu nada de anormal, quando ela tirou esta foto do tumulo de Joyce.
Quando o filme foi revelado, a Sra. Andrews ficou surpresa ao ver a imagem de uma criança pequena sentada alegremente no túmulo de sua filha.
A criança fantasma parecem estar ciente da Sra. Andrews, pois está olhando diretamente para a câmera.
É, possivelmente, uma dupla exposição?
Mrs. Andrews disse que não havia tais crianças por perto quando ela tirou a fotografia e comentou que não acreditava que era o fantasma de sua filha como uma criança.
Investigando esse caso, o pesquisador paranormal australiano Tony Healy visitou o cemitério no final de 1990. Junto ao túmulo de Joyce, ele encontrou os túmulos de duas meninas.

Espírito do Hotel Decebal

As autoridades alertaram as pessoas a ficarem longe do Hotel Decebal, porque a construção estava cedendo no edifício de 150 anos de idade.
Além disso, o espírito de uma mulher alta, em um vestido branco e longo vinha sendo relatada no local.
Em 2008, quando Victoria Iovan tirou esta fotografia, apareceu o que de fato parece ser a imagem fantasmagórica de uma figura alta em traje branco longo. “Eu fotografei o meu namorado no hotel“, disse Iovan. “Ao voltar para casa fiquei chocada ao ver a sombra de outra mulher na foto. Ela parecia uma sacerdotisa, em longas roupas brancas.

O Piloto Fantasma

Mrs. Sayer e alguns amigos foram visitar a Fleet Air Arm Station em Yelverton, Somerset, Inglaterra, em 1987, quando esta foto foi tirada.
Eles pensaram que seria bonito tirar uma foto dela sentada no banco de helicóptero aposentado. Ninguém, a Sra. Sayer insiste, estava sentado ao lado dela no assento do piloto… Embora, uma figura com uma camisa branca possa ser claramente vista sentada lá.
Ela contou a um investigador da Sociedade de Pesquisas Psíquicas que ela se lembra de ter sentindo bastante frio sentada naquele banco, apesar de ter sido um dia quente.
Digno de nota é que o helicóptero foi usado na Guerra das Malvinas, mas não há informações sobre se existe ou não um piloto que morreu no mesmo.
By: http://www.vourir.com/2011/11/imagens-que-provam-existencia-de.html


20 Profetadas – Harry Potter

Harry Potter, segundo o Profetadasnão e apenas um conto de fadas, mas uma arma poderosa e sinistra do império do mal.

1 – “O senhor da morte aceita que deve morrer,e sabe que há coisas piores, muito piores do que a morte no mundo dos viventes.” – Dumbledore – O que? Coisas piores que a morte?

2 – “Se você não for para a Grifinória, nós o deserdamos,mas não estou pressionando ninguém.” – Rony para Hugo Weasley – Não de jeito nenhum! Ainda mais porque estamos falando de Bruxos, com uma profetada destas eu calava a boca.

3 – “Você devia escrever um livro, traduzindo as maluquices que as garotas fazem para os garotos poderem entendê-las.” – Está foi uma profetada de sabedoria de Rony para Hermione

4 – “Percy não reconheceria uma piada nem que ela dançasse pelada na frente dele, usando só o abafador de chá do Dobby na cabeça.” – Uma revelação do óbvio dado por Rony

5 – “Sou sangue-ruim com muito orgulho.” – Hermione

6 – “Voldemort é o meu passado, presente e futuro.” – Que sujeito grudento em Tom Riddle, acho que você deveria fazer uma regressão de cura interior.

7 – ” Ótimo, então ande pelado. E, Harry, não se esqueça de tirar uma foto, pois Deus sabe que eu preciso de umas boas risadas” – Molly Weasley, quando Rony não quer usar as vestes de baile no HP4.

8 – Assim é a magia no que ela tem de mais profundo e impenetrável, Harry. Mas confie em mim… Quem sabe um dia você se alegrará por ter salvo a vida de Pettigrew. – Palavras de um mestre, o Professor Dumbledore

9 – “Eu não devo dizer mentiras.” – Palavras de um recente convertido; Harry Potter

10 – “Mande o Inferno para ela por nós, Pirraça.” – A revolta de um profeta (bruxo); Fred Weasley.

11 – “O Sr. Almofadinhas gostaria de deixar registrado o seu espanto de que um idiota desse calibre tenha chegado a professor.” – Profetada irônica de Sirius Black.

12 – “O Sr. Pontas concorda com o Sr. Aluado e gostaria de acrescentar que o Prof. Snape é um safado mal acabado.” – Profetada de inveja de Tiago Potter.

13 – O Sr. Aluado apresenta seus cumprimentos ao Prof. Snape e pede que ele não meta seu nariz anormalmente grande no que não é de sua conta.” – Cuidado com o fogo que vem do céu ao questionar o defeitos de outros seu Remos Lupin.

14 – “Você vai encontrar muitos inimigos em seu caminho, mas também vai encontrar amigos, poucos, mais verdadeiros.” – Profetada de sapiência de Alvo Dumbledore

15 – “Não existe bem nem mal, só existe o poder, e aqueles que são demasiado fracos para o desejarem.” – Essa sem duvida e uma profetada de um ateu ou atoa, você decide; Voldemort.

16 – “A grandeza inspira a inveja,a inveja engendra o despeito, o despeito produz a mentira.” – Profetada verdadeira de Voldemort.

17 – “Todos temos o bem e o mal dentro de si, mas o que realmente importa não são as semelhanças e sim as diferenças.” – Alvo Dumbledore.

18 – “Sempre chame as coisas pelo nome que têm. O medo de um nome aumenta o medo da coisa em si.” – Alvo Dumbledore.

19 – “A verdade é uma coisa bela e terrível, por isso deve ser tratada com grande cautela.” -Alvo Dumbledore.

20 – “São as nossas escolhas que revelam o que realmente somos, muito mais do que as nossas qualidades.” – Alvo Dumbledore.

By: http://profetada.com.br/?p=199



{dezembro 6, 2011}   A Bíblia do Nerd

Versões da Bíblia: a Bíblia do Nerd

A Bíblia do Nerd foi uma brincadeira que ficou conhecida no twitter e teve inicio com o perfil @NaIgreja e logo veio ganhou destaque entre outros usuários. Acompanhe abaixo algumas citações Bíblicas na perspectiva de um nerd.

– Vinde a mim vós que estais cansados, sobrecarregados e com arquivos corrompidos e eu os formatarei!

– Deus é muito mais que o Google, pois só n’Ele você encontra tudo que precisa.

– Deus conhece o teu coração e teu histórico de navegação.

– Eu tenho conexão Wi-Fi com vocês!

– Esperto foi aquele ladrão crucificado com Jesus, que deu follow poucos minutos antes de Jesus fazer logout.

– Disse Jesus: “Sigam-me”. – E um dos discípulos respondeu: “Só sigo se me seguir de volta”!

– Tudo Ipod naquele que me fortalece.

– O Senhor é o meu provedor e a minha internet não cairá!

– No terceiro dia Jesus reiniciou.

– Ainda que eu falasse a língua dos anjos e dos homens sem o twitter, eu nada seria.

– Então disse Deus a Noé: Faz um backup que Eu vou formatar!

– Aquele que crer e for formatado será salvo.

– Nerd não sofre possessão demoníaca, nerd tem a alma hackeada.

– Bem Aveturados que amam as Leis do senhor e elas Tuitam de dia e de noite.

– Ide por tudo mundo e Tuitai o Evangelho a toda criatura.

– Pedro arrancou com violência a placa d captura d audio do PC do soldado romano.

– Honre a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem teus dias de x-box, e grand-chase seu nerd.

Se quiser ver outras frases da Bíblia do Nerd basta digitar #BibliaDoNerd na pesquisa do twitter.

 

By: http://profetada.com.br/?p=745



et cetera
Amor literário

Resenhas de Livros

Devaneios da Lua

Sobre tudo e ao mesmo tempo nada

Crônicas da Gaveta

Relatos amadores por @Cardisplicente

Sara M. Adelino

Tradutora. Revisora. Redatora.

WILDsound Festival

Weekly Film Festival in Toronto & Los Angeles. Weekly screenplay & story readings performed by professional actors.

Destino Feliz

Seu Blog de Viagens, Roteiros e Experiências

dmaimalopes

A great WordPress.com site

delenaalways

A fine WordPress.com site

evilking.wordpress.com/

Comic Book and related work by Danilo Beyruth

ibooksney

EM ANDAMENTO

My Broken Throat

Até que o medo se desfaça... Um engano do destino

nicoleravinos

"Um dia sem sorrir é um dia desperdiçado"

Action Nerds

Bonecos, tirinhas e nerdices. Aqui você encontra tudo isso!

%d blogueiros gostam disto: