World Fabi Books











{abril 18, 2012}   O Destino da Escolha

(uma parte do capítulo…)

 

 

3º Capítulo

Vejas teu próprio âmago sob a luz da lua.

 

 

 

Mayara entrou no apartamento em silêncio. Apesar de não aparentar, sentia-se cansada. Havia ficado algumas noites sem dormir e agora que finalmente encontrara o seu “amigo” tão esperado, parecia ter permitido que seu corpo relaxasse e se deixou dominar pela fadiga. Esperou Marcos entrar e fechou a porta, tomando o dobro de precaução do que o costume. Afinal, agora ela estava escondendo um vampiro em seu apartamento.

– Fique à vontade vampiro. – jogou as chaves na mesa e massageou o couro cabeludo, tentando acalmar a necessidade que sentia, ansiava por um pouco de alivio que somente a massagem lhe proporcionava. – Irei ao meu quarto… Preciso dormir um pouco… – e sem encarar seu incomum hospede, rumou em direção ao aposento.

– Espere! – Marcos a segurou pelo braço, aquele tratamento informal e aquela indiferença, por algum motivo que ainda desconhecia, o estava incomodando. – Quando parará de me chamar de vampiro?

– Quando recuperar minha simpatia por você! – virou-se e encarou o vampiro com um olhar diligente.

– Não gosto de vê-la tratar-me deste jeito! – afrouxou um pouco as mãos para não machucá-la. – Já não me desculpei?

– Estou cansada… – ignorou os apelos dele e virou o rosto. – Boa noite! – tentou voltar a andar na direção do quarto.

– Será que não percebe? – Marcos a puxou com mais força, prendendo-a perto de seu corpo. – Inexplicavelmente, eu não gosto de vê-la tão distante assim de mim. Além de ter me encantado com a sua beleza e coragem, sei que sinto algo especial por você. Não sei direito como, porquê ou o que sinto… Mas, é como se já a conhecesse!

– Bobagem! – Mayara o empurrou para que pudesse se soltar. – Se não queria me ver distante, então não zombasse de minha generosidade! – assim que conseguiu se ver livre do vampiro, correu até o seu quarto para que não corresse o risco de ser impedida por ele novamente. – Mais uma vez… Boa noite, vampiro! – bateu a porta.

– Aaaaah!! Mas que mulherzinha temperamental e impossível! – se jogou no sofá, completamente irritado e chateado.

– Mas que vampiro impertinente! – Mayara praticamente arrancou o sobretudo do corpo e o jogou na cama, tamanho era o seu aborrecimento. – Por que ele simplesmente não me agradece ao invés de ficar fazendo brincadeirinhas idiotas e falando coisas sem sentido? – foi até a janela e colocou a mão sobre o peito. Seu coração estava disparado. – Hupf… Como ele se atreveu a me deixar assim? – resmungou ao afastar-se da janela.

– Eu deveria imaginar que essa humana é uma cabeça-dura! – levantou do sofá e foi até a sacada para tentar acalmar a mente perturbada. – A culpa é minha por me abrir com uma ignorante! – sentiu um leve perfume passar por ele. Sua fisionomia mudou, ficou mais calma. – Mayara… – olhou para a janela acesa próxima a sacada. Era o quarto da humana. – Por que você me deixa tão irracional? Eu só a conheci esta noite…

– Por que eu levo tudo o que ele fala a sério? – se despiu e jogou toda a roupa sobre a cama, em cima do sobretudo. – Nem o conheço direito e já sinto meus sentimentos oscilantes com suas palavras. Devo estar louca! Só pode ser isso… – foi até o banheiro, encostou a porta e ligou o chuveiro. Um bom banho quente a ajudaria apaziguar seus sentimento e faria com que seu corpo agradecesse pela terapêutica e relaxante água que caia e levemente massageava seus músculo.

Marcos ficou observando a janela por alguns minutos, perdido em um turbilhão de pensamentos. A falta de harmonia entre seus desejos e sua razão estava começando a deixá-lo impaciente. Sentia uma enigmática vontade incontrolável de ir até aquele quarto, de espioná-la…

Aquele conflito interno era novo e misterioso para ele. Nunca havia se sentido assim antes, ainda mais por uma humana que havia acabado de conhecer.

Mayara fechou seus olhos debaixo da tranqüilizante e revigorante água e deixou escapar um sorriso. Apesar de tudo sentia-se feliz. Finalmente ela havia encontrado o seu tão esperado “alguém”!

Sem saber direito como e porquê, o vampiro se viu dentro do quarto dela. Olhou ao redor cauteloso, não queria se envolver em mais conflitos. Certificou-se de que realmente não havia ninguém ali e sentou na cama. Pegou a blusa que a mulher estava usando e a colocou perto do nariz. Como aquela humana cheirava bem…

Analisou o quarto mais uma vez para ter certeza. Realmente não havia ninguém ali. Fechou os olhos e aguçou seus outros sentidos. Ouviu o barulho do chuveiro e, sem conseguir se controlar, foi silenciosamente até a porta do banheiro. Ficou a espionar pela fresta que Mayara havia deixado acidentalmente ao apenas encostar a porta ao invés de fechá-la totalmente. Marcos deu um sorriso de triunfo e satisfação. Estava vendo a silhueta de Mayara atrás do boxe, tomando banho. Aquela imagem parecia ser o verdadeiro paraíso para seus olhos.

A mulher sentiu um arrepio percorrer-lhe a espinha. Alguém a estava espionando! Olhou em volta e viu a fresta. Desligou o chuveiro e puxou a toalha, cobrindo seu corpo nu. Ao perceber a reação da humana, o vampiro se colocou em alerta. Precisava fugir dali antes que ela o descobrisse! Correu até a janela. Mayara saiu do banheiro e cuidadosamente vasculhou o quarto com o olhar, havia ninguém ali, exceto ela.

– Parece que estou realmente cansada… – murmurou – Meus sextos sentidos não estão funcionando como deveriam. – enxugou-se e colocou o pijama.

Marcos, mais do que depressa, se jogou no sofá novamente. Se tivesse demorado mais um segundo, Mayara o teria pegado! Olhou em volta e começou a rir com gosto. Pela primeira vez em sua vida havia fugido de uma humana ao invés do contrário!

Mayara arrumou o seu quarto para ir dormir. Sentiu o estômago vazio e lembrou-se de ter apenas tomado um suco e um sorvete durante o dia todo. Nada a mais!

Colocou as mãos sobre a barriga e a ouviu roncar. Pelo visto o seu estômago não queria ir dormir sem nada para digerir. Suspirou e decidiu ir até a cozinha comer algo antes de se deitar.

O vampiro estava deitado no sofá, tinha os seus olhos fechados e parecia ligeiramente alegre. Quando saiu de seu quarto e deparou-se com essa cena, a mulher ficou curiosa. Por que ele parecia tão feliz assim? Resolveu ignorar e foi até a cozinha.

Marcos, ao sentir o perfume da humana se intensificar, aprumou a audição e ouviu um barulho vindo de perto. Abriu os olhos, olhando na direção de onde julgava vir o cheiro e o barulho e viu Mayara sair da cozinha, carregando uma xícara e um potinho com frutas.

– Hum… Fazendo um lanchinho antes de dormir?

– Fiquei com fome. – sentou na poltrona ao lado do sofá, tomando cuidado para não derramar o conteúdo da xícara. – E… Desculpa por ter sido arrogante com você, mas quando estou cansada eu fico meio chata mesmo. – deu um gole em seu chá, evitando os olhos envolventes de Marcos.

– Quem tem que pedir desculpas aqui, sou eu. – sentou no sofá, ficando de frente para ela e a encarou com olhos de remorso. – Fui meio criança e… Sonhador demais…

– Sabe… – suspirou. – Pensando bem… – colocou a xícara no chão e cruzou as pernas, ficando sentada sobre a poltrona. – Você não foi tão infantil ou sonhador assim…

– Não fui? – não tinha conseguido conter a surpresa com o comentário.

– Não… – mordeu uma maçã.

O vampiro deu um largo sorriso. Afinal, parecia que ele estava finalmente recuperando a simpatia dela!

– Está com fome? – perguntou enquanto olhava para a marca da mordida que havia acabado de dar na fruta.

– Bom… Estou um pouco. – confessou com um sorriso torto. – Mas, como você já deve saber, a única coisa que me sacia é sangue e… – olhou-a de maneira duvidosa. – Eu acho que você não me deixará ir caçar sozinho, não é?

– Mas, quem disse que você terá que caçar?

– Então, é você quem me dará sangue? – perguntou em tom de brincadeira.

– Sim… Tecnicamente, serei eu! – levantou do sofá, ignorando a reação de Marcos com a sua resposta.

– Sério?! – o vampiro estava espantado e com uma expressão de desacreditado.

– Vem comigo. – Mayara foi até a cozinha sendo seguida de perto por Marcos que havia levantado em um pulo do sofá assim que ela o chamou.

Quando entraram na cozinha, a humana colocou seu potinho em cima da pia, abriu a geladeira e tirou de dentro um saquinho contendo algo viscoso e liquido, de  uma cor vermelho vivo.

– Toma! – jogou o saquinho para ele.

– O que é isso? – pegou-o no ar e a encarou confuso e com um ar questionatívo. Aquilo era realmente o que parecia ser?

– Oras… É sangue!

– Mas, é sangue mesmo?! Não tá de brincadeira não? – cheirou o saquinho para ter certeza. – Nossa… O pior é que aqui dentro tem mesmo sangue. – disse para si mesmo, tentando fazer seu próprio cérebro acreditar naquilo. A humana o estava alimentando?

– Pode comer. – encostou-se na parede e ficou a observá-lo. – Tenho um amigo que trabalha no banco de sangue de um hospital aqui perto e como ele me devia um favor… Consegui alguns desses para você.

– Obrigado. – olhou para o saquinho e ficou brincando com ele, fazendo o conteúdo balançar de uma ponta a outra. – Quando foi que você conseguiu isso daqui?

– Faz um tempinho que estou com eles… – admitiu. Mayara sentiu seu rosto dar uma leve esquentada enquanto respondia.

– Antes de me encontrar? – voltou a encará-la, mas fingiu não perceber o suave e meigo rubor que aparecia no rosto dela.

Mayara ficou calada, não queria responder. Se respondesse, deixaria muito obvio que estivera esperando por ele e se isso acontecesse, ela teria que explicar o porquê e, por enquanto, queria evitar aquele assunto constrangedor e estranho o máximo possível.

– Vamos! Tome isso logo! Preciso ir dormir.

– Então, por que não vai dormir? Eu sei me alimentar sozinho. Não preciso de supervisão! – respondeu sem evitar o mau humor. Tinha ficado aborrecido com o fato de ela ter fugido da sua pergunta. Mayara realmente precisava ter evitado sua pergunta? Aquilo o levava a uma curiosidade que talvez fosse impossível de ser saciada até que a mulher resolvesse falar. Esse tipo de situação que o deixava sem alternativas, a não ser conviver com uma questão sem resposta o irritava.

– Não precisava ser tão grosso. – lançou-lhe um olhar de censura, completamente chateada com a reação seca e mal humorada do vampiro. Ele tinha mesmo que estragar tudo quando as coisas estavam começando a ir tão bem entre eles? Estava realmente chateada e não iria disfarçar isso. – Estava apenas preocupada, mas já que a minha preocupação de nada lhe agrada… Vou me retirar daqui. – saiu da cozinha com passos rápidos e nervosos. – Boa noite, vampiro! – bateu novamente a porta do quarto. Jogou-se em sua cama, resmungou algumas coisas e logo o cansaço a fez adormecer.

– Eu e a minha boca grande… – sentia-se revoltado consigo mesmo e cravou seus dentes no saquinho sugando todo o seu conteúdo. – Droga! – voltou para o sofá, se jogou nele e ficou a meditar sobre tudo o que estava acontecendo desde o momento em que ela havia pisado naquele saguão.

 

 

 



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

et cetera
Amor literário

Resenhas de Livros 📖 💻 📝

devaneiosdalua.wordpress.com/

Sobre tudo e ao mesmo tempo nada

Crônicas da Gaveta

Relatos amadores por Blair Pttsn

Sara M. Adelino

Tradutora. Revisora. Redatora.

WILDsound Writing and Film Festival Review

Feature Screenplay, TV Screenplay, Short Screenplay, Novel, Stage Play, Short Story, Poem, Film, Festival and Contest Reviews

Destino Feliz

Seu Blog de Viagens, Roteiros e Experiências

• powersx3

' in your mind,i have all power #

dmaimalopes

A great WordPress.com site

delenaalways

A fine WordPress.com site

evilking.wordpress.com/

Comic Book and related work by Danilo Beyruth

ibooksney

EM ANDAMENTO

My Broken Throat

Até que o medo se desfaça... Um engano do destino

%d blogueiros gostam disto: