World Fabi Books











{abril 25, 2012}   Shock of Worlds

Vocês já devem ter visto essa aspiração a livro em algum outro post por aqui.

Pois bem…

Decidi dar uma chance ao “bebê” e vou tentar criá-lo. Vamos ver até onde vai essa belezinha!

O tema inicial dessa história surgiu com um sonho que tive no segundo semestre de 2011.

Cheguei a contar o tal sonho ao Carlos e ao Bruno. Foi divertido passar a madrugada viajando na ideia e, principalmente, nas teorias. Bom… Ao menos eu achei divertido, não sei quanto aos dois! Hehehehe…

E levando em conta o enredo, resolvi dar o nome provisório de “Shock of Worlds”. Até tentei  bolar algo em português, contudo, o impacto não foi o mesmo! Huahauahauahau…

Assim sendo, eis aqui o suposto primeiro capítulo do livro!

Espero que aproveitem!!

 

 

De dimensão à onda…

E de onda à tentáculo!

 

 

Você já se perguntou de onde surgem as histórias fantásticas que lemos nos bilhões de livros pelo mundo? Como os escritores conseguem criar algo tão surpreendente?

Pois é… Eu já!

E descobri que os escritores, na verdade, são os receptáculos dessa realidade para com as outras.

Se não entendeu, vou explicar melhor.

Conhece a teoria da Quinta Dimensão?

Bem… Ela basicamente diz que existe uma dimensão “escondida”, a qual não se enquadraria dentro das quatro que conhecemos (a altura, a largura, o volume e o tempo).

Mesmo que não haja provas para tornar a teoria real, para boa parte dos físicos teóricos, a quinta dimensão existe, sim. Só que, simplesmente, não podemos detectá-la. Ou melhor, nem todos podem detectá-la.

Algumas pessoas acreditam que essa quinta dimensão refira-se ao mundo espiritual, outras a um universo paralelo ao nosso em que realidades alternativas acontecem. E as mais ousadas acreditam que ela seja um mundo criado através de desejos e pensamentos fortes o bastante para dar vida a alguma coisa.

Enfim… Pelo pouco que presenciei, devo dizer que todos estão certos.

Sim, existe a Quinta Dimensão.

Sim, ela se refere ao mundo espiritual.

Sim, ela é um universo paralelo com realidades alternativas.

Sim, é um mundo criado por desejos e pensamentos poderosos.

E… Também devo admitir que não existe somente ela. A coisa se expande muito além da quinta, indo a algo inimaginavelmente expandido.

Digamos que em cada dimensão existe um mundo diferente vivendo. São realidades incríveis que vão muito além de nossa imaginação. Tudo fora de nossas quatro dimensões é possível!

Quando Shakespeare escreveu que “há mais coisas entre o céu e a Terra do que sonha nossa vã filosofia”, com certeza ele deve ter captado a essência básica da situação.

No entanto, o que, diabos, os escritores têm a ver com toda essa loucura?

É aí que entra aquela informaçãozinha sobre eles serem receptáculos.

Nós, escritores, somos os famosos contadores de história. Podemos contar aquilo que vemos e ouvimos, ou, então, falar sobre algo aparentemente intangível, porém excitante.

As “ideias” surgem de sonhos, histórias que lemos, situações que presenciamos, lugares que vimos, enfim… A coisa funciona mais ou menos assim “Caraca! Isso poderia dar uma bela história!” e KABUM as palavrinhas começam a se formar magicamente e começamos a ver cenários e personagens como se fossem reais. Tudo surge num passe de mágica!

Contudo, não é bem assim que funciona. Essas “ideias” são, na verdade, deslumbres de outras realidades. Nós contamos as histórias do nosso e de outros mundos.

Ás vezes, recebemos algo durante um sonho, quando estamos divagando ou até mesmo fazendo compras em lojas dentro de um mega shopping lotado e agitado! Nesse ultimo exemplo podemos ver um receptáculo extremamente avançado na arte de vislumbrar realidades, mesmo que a pessoa não saiba disso.

Sabe quando dizem: “nossa! Você é exatamente como eu imaginava a minha personagem!”? Pois bem… Talvez você realmente seja a personagem! Podem ter vislumbrado o seu outro ser em outra dimensão. Pode acontecer! Não sei ao certo como isso funciona exatamente, mas acho que é aquele lance de uma realidade paralela acontecendo ou do nosso espirito estar dividido em diversos mundos por aí.

E a coisa é meio que contagiosa. Existem aqueles que nascem com o dom, mas, também há os que desenvolvem a capacidade, quase que se contagiando com aquilo que já foi escrito e/ou contado.

Geralmente isso acontece quando se lê muito e se absorve muitas informações “fora do real”.  Quando isso acontece, acabamos abrindo o nosso cérebro para algo que antes era como um ponto cego. Passamos a vislumbrar a mesma realidade ali contada e aqueles que já possuem o dom, podem acabar acompanhando o resto do desfecho, mesmo que ele não esteja escrito ali, naquele livro.

É como passar pela mesma paisagem todos os dias. No começo vemos algo diferente, porém, depois, com a correria do dia-a-dia e com outras preocupações na cabeça, deixamos de realmente VER.

Normalmente crianças vislumbram outras dimensões o tempo todo, contudo, acabam sendo “podadas” e deixam de enxergar por um tempo ou, em alguns casos, para o resto de suas vidas.

Bom… Essas dimensões são todas entrelaçadas de alguma forma. A imagem que tenho é de um grupo imenso de polvos gigantes que deixam seus tentáculos abertos e soltos pela mare do oceano, os quais acabam se entrelaçando ou simplesmente se esbarrando.

Nós, escritores, somos os sortudos que conseguem receber informações de quando esses tentáculos se unem. É inevitável. A sensação se assemelha a de entrar na água mar. Quando a onda vem, ou você pega carona nela ou simplesmente a evita, pulando ou mergulhando. Os escritores são os amadores a surfistas. Os que mergulham são os céticos e os que saltam são os que acreditam.

Não sei em qual grupo você se encaixa. Eu só posso dizer que pego umas ondas e não consigo deixar de fazer isso, quando ela vem, tenho que pegá-la.

Alguns contadores de história precisam tomar cuidado com essa necessidade de “pegar a onda”, pois, se não prestar atenção e não se prender a realidade do mundo em que está, poderá ser agarrado por outros tentáculos e ter a mente e o corpo oscilando entre duas dimensões ou mais!

Quando isso acontece, dizemos que a pessoa precisa ser internada num manicômio!

Agora, você deve se perguntar… Como, raios, eu sei de tudo isso?

Posso dizer que descobri da forma mais difícil. E sabe onde me enquadro? Sou o tipo de escritora que em breve poderá ouvir os amigos e a família indicar ótimos terapeutas e psicólogos!

Para desenrolar esse nó que criei na sua cabeça, permita-me contar minha história como receptáculo…

 

 

 



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

et cetera

Crônicas da Gaveta

Relatos amadores de um coração cardisplicente...

Sara M. Adelino

Tradutora. Revisora. Redatora.

WILDsound Writing and Film Festival Review

Feature Screenplay, TV Screenplay, Short Screenplay, Novel, Stage Play, Short Story, Poem, Film, Festival and Contest Reviews

Destino Feliz

Seu Blog de Viagens, Roteiros e Experiências

• powersx3

' in your mind,i have all power #

dmaimalopes

A great WordPress.com site

delenaalways

A fine WordPress.com site

Comic Book and related work by Danilo Beyruth

ibooksney

EM ANDAMENTO

My Broken Throat

Até que o medo se desfaça... Um engano do destino

nicoleravinos

"Um dia sem sorrir é um dia desperdiçado"

Action Nerds

Bonecos, tirinhas e nerdices. Aqui você encontra tudo isso!

%d blogueiros gostam disto: