World Fabi Books











{setembro 17, 2012}   Dica de leitura do dia: A Menina que Roubava Livros

A Menina que Roubava Livros

Autor: Markus Zusak

.

.

.

 

Quando a morte conta uma história, você deve parar para ler.

 

 

E de fato, aprendi da forma mais diferente e única de que realmente devemos lê-la!  A Menina que Roubava Livros, para mim, é uma obra prima com seu excepcional narrador, além de ser um livro que carrega em suas páginas uma história envolvente de arrancar lágrimas!

Sim! Eu chorei como um bebê durante e principalmente ao final do enredo! E duvido que exista algum leitor que não se emocionaria ao menos um pouco com as palavras e os detalhes escritos ali. Realmente… A Morte sabe como contar uma história!

Vamos lá!

Em A Menina que Roubava Livros, Liesel Meminger é a protagonista e a menina que nossa narradora — a Morte — encontrou nada menos e nada mais do que três vezes! E por causa disso, Liesel a impressionou! Assim sendo, a ceifadora de almas decide nos contar a trajetória dessa valente garotinha. Aliás, como ela mesma diz, em seu ramo de trabalho, o único dom que lhe salva é a distração e é contando a vida de Liesel (e do “mundo”) que ela mantém um pouco de sua sanidade.

Dramático, não?

Se a própria morte precisa de certas distrações para poder se manter sã, imaginem nós, meros mortais e humanos! Acredito que nós já a perdemos há muito tempo, não?

Enfim… Voltando!

A história se passa num onde e quando trágico: na Alemanha nazista. A nossa Liesel é uma pobre menina que começa o enredo com um irmão morto, um livro preto com letras prateadas nas mãos (seu primeiro roubo literário), e rodeada de muita neve.

Após a morte da mãe biológica, ela e o seu “O Manual do Coveiro” (o tal livrinho preto que falei) foram levados para a casa de seus futuros e trabalhadores pais de criação: a acordeonista com punhos de ferro, Rosa Hubermann; e o enrolador de cigarros, Hans Hubermann.

E em seu novo lar, Liesel começa a sentir cada vez mais as alegrias de uma criança, a vida dura de quem precisa trabalhar desde cedo para ajudar a família, experimenta o primeiro amor e sente na pele a tragédia do “bum” nazista na Alemanhã. Além disso, aos poucos ela vai se descobrindo uma ótima ladra de livros. E a cada roubo, você vibra de ansiedade junto com a protagonista! É errado roubar, contudo, você torce pelos roubos de Liesel!

A garotinha vai lavando roupas, brigando com sua mãe adotiva, brincando como moleque com a turma do bairro, apegando-se ao seu pai adotivo, roubando livros e fugindo como pode da guerra, até encontrar Max Vandenburg, o judeu do porão, o amigo quase invisível de quem prometera jamais falar.

O tempo vai passando, o melhor amigo, Rudy Steiner, revela-se um garoto apaixonado por Liesel e companheiro extremamente fiel… “Que tal um beijo Saumensch?

O seu pai Hans se torna uma presença mais do que marcante na vida da menina, um poço de ensinamentos e atenção…

A sua mãe Rosa mostra-se uma mulher ainda mais forte e menos assustadora, pois ela chora por sua família, mas continua a manter o pulso firme, além de mostrar que defenderia Liesel com unhas e dentes…

E Max, além de se tornar um grande amigo da garota, também desperta uma paixonite nela…

Outros personagens importantes e/ou secundários vão surgindo e passando pela vida da pequena ladra de livros. Liesel vai crescendo como humana e como pessoa, vai sentindo as durezas da vida e aprendendo a driblar os obstáculos. E a nossa narradora nos vai mostrando que realmente tinha razão em escolher a história pequena para ser contada.

A leitura e as novas experiências da garota vão incentivando-a a escrever e a escrever… E é com palavras, lágrimas e bombas que o seu mundo gira mais uma vez! Mas, isso vou deixar para que vocês descubram por conta durante a leitura do livro!

É…

É realmente fantástico ler um livro narrado pelas palavras da Morte e buscar entender o seu ponto de vista das coisas.

A narrativa é estranha e sarcástica. Durante o enredo, os leitores aprendem a conviver e aceitar o lado “não humano” que a narradora demonstra em suas frases “de efeito” e considerações.

Durante a leitura, nos deparamos várias vezes com uma Morte muitas vezes assombrada por sua incapacidade de compreender o homem, seus motivos e suas violências (e quem não está?).

Eis um pequeno fato, você vai morrer.

A pergunta é: qual será a cor de tudo nesse momento em que eu chegar para buscar você? Que dirá o céu?

Como eu falei, parece muito mais humano passar as sensações que um livro possa trazer. Alegria. Ternura. Tristeza. Euforismo. Solidão. Orgulho. Medo… e a Morte.

No abrigo, durante os bombardeios, ela sacudia as palavras para manter todos mais calmos. E longe de mim. Era a sacudidora de palavras.

Assim, Markus Zusak, em sua genialidade de escritor, usa a Morte para tecer uma primorosa linha de acontecimentos para ilustrar sua intenção: evidenciar uma dolorosa Alemanha, uma nação dividida entre os que apoiavam o Nazismo e os que – de forma explícita ou não – o repugnavam.

Realmente… A Menina que Roubava Livros é um belíssimo e comovente livro, cheio de detalhes encantadores, de acontecimentos surpreendentes e de mensagens de otimismo, força e reflexão.

Uma sobrevivente.

Um acordeão quebrado.

Um beijo tarde demais.        

Um livro perdido e devolvido em tempo.

Acreditem em mim quando digo que essa é uma história que merece ser contada e que, com a mais absoluta certeza, merece ser lida!

Venha comigo, quero lhe contar uma história. Vou lhe mostrar uma coisa.

Espero que tenham gostado dessa pequena resenha/crítica/dica literária que acabei de escrever aqui. A Menina que Roubava Livros é um dos meus “xodós” da literatura e portanto, é difícil escrever sobre o mesmo, sem me emocionar me lembrando dos trechos e detalhes contidos na obra.

E por esse motivo, no momento, faço minhas, as palavras de nossa ilustre e assustadora narradora do dia, a Morte: “Odiei as palavras e as amei, e espero tê-las usado direito.”.

 

 

 

 

 

 

 

 

A nota final de sua narradora.
– Os seres humanos me assombram.

 

Anúncios


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

et cetera
Amor literário

Resenhas de Livros 📖 💻 📝

Devaneios da Lua

Sobre tudo e ao mesmo tempo nada

Crônicas da Gaveta

Relatos amadores por Blair Pttsn

Sara M. Adelino

Tradutora. Revisora. Redatora.

WILDsound Writing and Film Festival Review

Feature Screenplay, TV Screenplay, Short Screenplay, Novel, Stage Play, Short Story, Poem, Film, Festival and Contest Reviews

Destino Feliz

Seu Blog de Viagens, Roteiros e Experiências

• powersx3

' in your mind,i have all power #

dmaimalopes

A great WordPress.com site

delenaalways

A fine WordPress.com site

evilking.wordpress.com/

Comic Book and related work by Danilo Beyruth

ibooksney

EM ANDAMENTO

My Broken Throat

Até que o medo se desfaça... Um engano do destino

%d blogueiros gostam disto: