World Fabi Books











Genteeeeeeeeeee….

Eiiiis os quatro primeiros capítulos de Tempos de Apocalipse, que eu coloquei no Wattpad!

Depois de alguns pedidos, de ler umas coisas ali e aqui e dar o braço a torcer, chutei a preguiça e comecei postando o primeiro capítulo de um dos meus livros, o Conto de Dragões!  E agora, eis mais uma de minhas obras (atendendo à solicitação de alguns! hehehehe…)!

Acessem o link abaixo e, se quiserem, podem dar uma lidinha!

LINK!! 😉

Aliás…

O livro AINDA não tem capa e tals, então, estou usando uma “montagem” para introduzi-lo… hehe

Se alguém quiser me ajudar com isso, eu ficaria muito feliz mesmo!! (pois, sou uma negação nisso!)

Wattpad - Tempos de Apocalipse

 

Texto by Fabi

IMG_20140915_112932



Hello, hello, readers!

Que tal divulgarmos para vocês a lista de lançamentos literários da Editora Intrínseca?!

EstanteIntrinseca_Março

Vamos lá! Eis os títulos, autores e sinopses das obras lançadas neste mês:

A Segunda Pátria

(Miguel Sanches Neto)

capa_a_segunda_patria.indd

Às vésperas da Segunda Guerra Mundial, Getúlio Vargas resolve aliar-se ao Terceiro Reich. No cenário alternativo criado por Miguel Sanches Neto, o país se alinha ao Eixo e, como parte do acordo, é estabelecido que os estados do sul, com grande presença de descendentes de alemães, podem pôr em prática os princípios do nazismo, como o racismo, o antissemitismo e a eugenia.

Em Blumenau, à medida que a saudação Heil Hitler se torna corriqueira, o engenheiro Adolpho Ventura convive atônito com o progressivo cerceamento de sua liberdade. Seu crime é ser negro e pai de uma criança mestiça. Na mesma cidade, desenrola-se a trajetória de Hertha, jovem sedutora que encarna todos os predicados da superioridade ariana. A ela é confiada uma misteriosa missão. Com violência e sensualidade, o autor revela uma paixão proibida, enquanto subverte os fatos para criar um Brasil que não está nos livros de história, mas que nem por isso deixa de ser assustadoramente plausível.

Leia um trecho: http://issuu.com/intrinseca/docs/issuu_asegundapatria

Link sobre a obra e o autor: http://www.intrinseca.com.br/asegundapatria/

.

.

.

Pequenas grandes mentiras

(Liane Moriarty)

pequenasgrande

Pequenas grandes mentiras conta a história de três mulheres, cada uma delas diante de uma encruzilhada. Madeline é forte e decidida. No segundo casamento, está muito chateada porque a filha do primeiro relacionamento quer morar com o pai e a jovem madrasta. Não bastasse isso, Skye, a filha do ex-marido com a nova mulher, está matriculada no mesmo jardim de infância da caçula de Madeline.

Celeste, mãe dos gêmeos Max e Josh, é uma mulher invejável. É magra, rica e bonita, e seu casamento com Perry parece perfeito demais para ser verdade. Celeste e Madeleine ficam amigas de Jane, a jovem mãe solteira que se mudou para a cidade com o filho, Ziggy, fruto de uma noite malsucedida. Quando Ziggy é acusado de bullying, as opiniões dos pais se dividem. As tensões nos pequenos grupos de mães vão aumentando até o dia em que alguém cai da varanda da escola e morre. Pais e professores têm impressões frequentemente contraditórias e a verdade fica difícil de ser alcançada.

Em Pequenas grandes mentiras, Liane Moriarty, autora do best-seller O segredo do meu marido, coloca em cena ex-maridos e segundas esposas, mães e filhas, bullying e escândalos familiares para nos lembrar das perigosas meias verdades que contamos a nós mesmos para sobreviver.

Link sobre a obra: http://www.intrinseca.com.br/livro/477/

Link sobre a autora: http://www.intrinseca.com.br/autor/190/

.

.

.

Circo invisível

(Jennifer Egan)

Capa_CirculoInvisivel_g (1)Primeiro romance da premiada autora Jennifer Egan, Circo invisível se passa em 1978, tomando as tensões e os dramas políticos dos anos 1960 como cenário da história de Phoebe O’Connor, uma adolescente de 18 anos obcecada pela memória da irmã, Faith, uma hippie bela e idealista que morreu em 1970, na Itália.

Com a intenção de descobrir a verdade sobre a vida e a morte de Faith, Phoebe sai de São Francisco e atravessa o Atlântico para refazer o caminho da irmã pela Europa. A busca gera revelações complexas e inquietantes sobre família, amor e uma geração inteira de jovens perdida.

Uma estreia literária surpreendente e elaborada, prenúncio da habilidade extraordinária de Egan em criar suspenses bem-amarrados, marcados por personagens profundos e nuances de emoção – talento que lhe rendeu em 2011 o Prêmio Pulitzer de Ficção pelo livro A visita cruel do tempo.

Leia um trecho: 1º Capítulo – OCircoInvisivel

Link sobre a obra e a autora: http://www.intrinseca.com.br/jenniferegan/circoinvisivel/

.

.

.

Ordem

(Hugh Howey)

capagrande-ordemOrdem, segundo volume da trilogia Silo, apresenta um mundo pós-apocalíptico, com poucos seres humanos restantes sobrevivendo à atmosfera tóxica do planeta Terra em um silo subterrâneo. No primeiro livro da série, a heroína era Juliette, uma operária nascida nos subterrâneos do bunker.

Na continuação, a história volta ao período anterior e explica como o mundo de Juliette foi transformado. Novos personagens também são apresentados: um portador do século XXIII; um senador da Geórgia num futuro próximo; um garoto abandonado, cuja história termina quando a de Juliette começa, e Troy, que acorda em 2110 sem saber quem é.

Os personagens escapam da morte ao serem congelados em cápsulas criogênicas, sendo acordados de tempos em tempos para tomar remédios, realizar alguns trabalhos alienantes e depois dormir outra vez. O livro volta no tempo, ao ano de 2049, revelando as decisões tomadas por alguns poucos poderosos, responsáveis por bilhões de mortes que deixaram a humanidade em vias de extinção.

Leia um trecho: http://issuu.com/intrinseca/docs/issuu_ordem

Link sobre a obra: http://www.intrinseca.com.br/livro/471/

Link sobre o autor: http://www.intrinseca.com.br/autor/192/

.
.

.

A arte de pedir

(Amanda Palmer)

artedepedirgrandeCantora e compositora, ícone indie, feminista, agitadora e mobilizadora de multidões on-line, Amanda Palmer é um retrato perfeito da boa conexão entre o artista e seu público. Após desligar-se de sua gravadora, Amanda recorreu ao então recém-lançado Kickstarter, site de financiamento coletivo, para conclamar os fãs a colaborar para a produção do próximo álbum de sua banda. O projeto arrecadou mais de 1 milhão de dólares, recorde que chamou atenção tanto da imprensa quanto da indústria fonográfica.

Desse episódio surgiu o convite para uma celebrada palestra nos TED Talks. O tema: saber pedir. Desdobramento inevitável do evento, A arte de pedir trata essencialmente de recorrer ao outro, sem temor, sem vergonha e sem reservas. O livro mostra que pedir é digno e necessário, e que é a conexão entre quem dá e quem recebe que enriquece a vida humana.

Leia um trecho: 1º Capítulo – AArte De Pedir

Link sobre a obra: http://www.intrinseca.com.br/livro/476/

Link sobre a autora: http://www.intrinseca.com.br/autor/243/

.

.

.

Selva de Gafanhotos

(Andrew Smith)

Selva de gafanhotos_lgNa pequena cidade de Ealing, Iowa, Austin e seu melhor amigo, Robby, libertam acidentalmente um exército irrefreável. São gafanhotos de um metro e oitenta de altura, completamente tarados e famintos. Essa é a verdade. Isso é história. É o fim do mundo e ninguém sabe o que fazer.

Com todos os elementos obrigatórios de um romance apocalíptico, Selva de Gafanhotos mistura insetos gigantes, um cientista louco, um fabuloso bunker subterrâneo, um mal resolvido triângulo amoroso-sexual e muita, muita confusão – e está longe de tratar apenas do fim do mundo. Engraçado, intenso e complexo, o livro de Andrew Smith fala de um jeito inovador sobre adolescência, relacionamentos e amizade. Um romance surpreendente sobre a odisseia hormonal, amorosa e intelectual que é essa fase da vida.

Leia um trecho: 1º Capítulo – Selva De Gafanhotos

Link sobre a obra e o autor: http://www.intrinseca.com.br/selvadegafanhotos/

.

.

.

Um brinde a isso

(Betty Halbreich com Rebecca Paley)

umbrindegrandeAos 86 anos, Betty Halbreich é uma figura única no mundo da moda. Há quase quatro décadas comanda o departamento de compras personalizadas – oupersonal shopping, como Betty prefere não chamar – da loja Bergdorf Goodman, ícone do consumo de luxo de Nova York. Conhecida por não ter medo de abrir o jogo com as clientes, Betty já vestiu uma primeira-dama dos Estados Unidos, personagens de séries como Sex and the City e Girls, além das próprias estilistas que abastecem suas araras.

Em Um brinde a isso, ela fala não só da tão atraente carreira, mas também do momento mais difícil em que precisou se encarar no espelho: separada e com dois filhos, entrou em depressão e tentou o suicídio. Combinando memórias, moda e celebridades fashion – sem citar nomes, claro – com capítulos intensos e tocantes sobre sua vida pessoal, Betty mostra que o verdadeiro estilo de uma mulher não está impresso nos cortes, tecidos e etiquetas que ela veste, mas na história que tem para contar.

Link sobre a obra: http://www.intrinseca.com.br/livro/475/

Links sobre a autora: http://www.intrinseca.com.br/autor/242/

.

.

.

A última dança de Chaplin

(Fabio Stassi)

aultimadancagrandeCombinando elementos reais com ficção, A última dança de Chaplin conta os últimos anos de um dos maiores ícones do cinema americano.  Na noite de Natal de 1971, Charlie Chaplin recebe a visita da Morte. O famoso ator está com oitenta e dois anos, mas ainda não se sente preparado para ver as cortinas se fecharem uma última vez. Desesperado por acompanhar o crescimento do filho mais novo, o ator propõe à Morte um acordo: se conseguir fazê-la rir, ganhará mais um ano de vida.

Enquanto espera o encontro fatídico, Chaplin escreve uma carta para o filho, contando a ele seu passado: da infância pobre na Inglaterra, com o pai alcoólatra e a mãe louca, ao auge do sucesso nas telas de cinema dos Estados Unidos, passando pelo circo, pelo vaudeville e por empregos estranhos, como tipógrafo, boxeador e embalsamador.

Leia um trecho: 1º Capítulo – A Última Danca De Chaplin

Link sobre a obra e o autor: http://www.intrinseca.com.br/aultimadancadechaplin/

.

.

.

Filhotes submarinos

(Seth Casteel)

Filhotes submarinos - Capa e lombada.inddSeth Casteel, o fotógrafo que levou o Instagram e o mundo à loucura com suas imagens divertidas e inusitadas de cães embaixo d’água tentando abocanhar bolinhas e outros brinquedos, volta às piscinas acompanhado agora dos filhotes mais elétricos, e engraçados que já se viu.

Em mais de 80 cliques inéditos, o premiado fotógrafo de cães e gatos e ativista em defesa dos direitos dos animais retrata os cachorrinhos na primeira fase da vida, quando ainda estão começando a descobrir o mundo. Cheios de energia e disposição, os filhotes se jogam na água sem medo, ansiosos para resgatar uma bola de tênis ou simplesmente fazer bagunça. Em cada imagem, vemos um espectro de reações ao mesmo tempo selvagens e adoráveis, insanas e engraçadas, mas todas, sem dúvida, apaixonantes.

Leia um trecho: 1º Capítulo – Filhotes Submarinos

Link sobre a obra e o autor: http://www.intrinseca.com.br/filhotessubmarinos/

.

.

.

Dentista sinistra

(David Walliams)

Dentista sinistra_gUm livro assustadoramente assustador – de assustar para valer. Você vai conhecer Alfie, um menino que tem um coração enorme, e um medo de dentista maior ainda. Ele não sabe o que fazer quando o obrigam a se consultar com a nova dentista da cidade: uma mulher com olhos mais negros que carvão, sorriso mais branco que o branco e uma voz mais arrepiante que prova de matemática! Sem contar que, desde que ela chegou, coisas sinistras vêm acontecendo…

David Walliams apresenta a vilã mais terrível nesta história que vai fazer seus dentes rangerem de medo e seu maxilar doer de tanto rir!

Leia um trecho: http://issuu.com/intrinseca/docs/issuu_dentistasinistra

Links sobre a obra: http://www.intrinseca.com.br/livro/479/

Link sobre o autor: http://www.intrinseca.com.br/autor/159/

.

.

.

Texto By Fabi

IMG_20150131_002141



O post de hoje vou começar diferente!

Iniciarei falando sobre…

A Corte dos Bruxos de Naminaroth. Um lugar maravilhoso, referência em conhecimento e poder. Entretanto, fachada para um cenário opressor e interesses ocultos. É ali que o então jovem mago tem acesso a pesquisas secretas dos bruxos, envolvendo um dragão, criatura pela qual ele é fascinado. A história gira em torno do ser que ele se tornou quando trocou todo o sangue de seu corpo pelo do dragão, e das amizades e paixões que construiu nesse meio tempo, enquanto procurava descobrir mais sobre a criatura, e mais sobre si mesmo.

Eis a sinopse da obra de Bruno Davi KretzmannO Mago de Naminaroth e a Fênix!

O Mago de Naminaroth e a Fênix

O livro AINDA não foi “publicado”, porém, está prestes! No dia 21 deste mês, o autor Kretzmann lançará a sua estória de estreia no mundo incrível da literatura fantástica!

Eu, Fabi, tive o prazer de ler a obra em primeira mão, já que, por algum motivo, ele confiou em mim e me passou o manuscrito para ler e avaliar.

Além de ter sido uma tremenda honra, devo dizer que fiquei encantada pelo enredo e pelas personagens! Eu já suspeita do talento pulsante de meu amigo escritor, contudo, ao ler O Mago de Naminaroth e a Fênix, pude, de fato, comprovar que Kretzmann realmente promete!

Para não dar muitos spoilers, pois, lhes garanto que o divertido do livro é ler de “surpresa”, vou tentar resumir um pouco as impressões que tive durante a leitura.

Inicialmente, devo dizer que este é um livro para se ler por lazer!

Ele tem a sua densidade e uma boa cota de sentimento, inclusive, podemos sentir o autor dentro de cada passagem da estória. No entanto, a obra não é algo como Game of Thrones, por exemplo. Digamos que a leitura está mais para a sensação que sentimos quando lemos Elantris, ou as Crônicas dos Senhores de Castelo, ou, então, livros da série Rangers.

Já adianto que você se prenderá, e muito, nos flashback’s contidos no meio da narrativa. E não precisam se preocupar com eles, pois, não são o tipo de flashback que quebra totalmente o ritmo da leitura e acaba estragando um pouco a expectativa.

Na verdade, esses momentos em que conseguimos vislumbrar o passado, apenas nos faz ficar ainda mais próximo dos personagens, o que, por um lado é ótimo, uma vez que, com isso, conseguimos criar uma empatia agradável. Contudo, por outro lado… Essa aproximação só aumenta o nosso sofrimento em momentos de tensão ou tristeza (por assim dizer) da estória! (ah sim! E os flashbacks do Bruno são beeeem menos do que os que o Eduardo Spohr costuma escrever! hehehehe…)

Aliás, Kretzmann me impressionou ao mostrar que sabe mesmo brincar com os sentimentos do leitor. Em alguns momentos, principalmente os de batalha, somos arrastados por uma narrativa louca e dinâmica, que faz com que nossos olhos dancem pela página, acompanhando cada golpe, piada ácida, pulo, lágrima, movimento, … Enfim, vamos devorando cada palavra, presos à adrenalina e ao nervosismo.

Ele também nos dá pausas para respirar, deixando que nos recupere e nos prepare para a próxima ação ou, até mesmo, notícia bombástica. Mexe com o nosso coração ao colocar a infância dos personagens com uma narrativa tão vivida e marcante, sendo que depois… Ah, depois! Ele estraçalha o órgão em nosso peito!

Mas, calma!

Como eu disse, ele não chega ao nível de George R. R. Martin. Dá para se apegar, sem ficar muito preocupado em sofrer! E quanto a esse estilo de narrativa, cheio de altos e baixos, com sentimentos leves e complexos; o autor decidiu revelar uma coisinha aos leitores:

“Adoro imaginar os diálogos, expressões e tons que os personagens usam nas conversas, muito mais do que as descrições. Gostei dos resultados das cenas de flashback em que os personagens ainda eram crianças. O retrato de suas emoções e pontos de vista sobre uma situação ou outra ficaram, a meu ver e conforme algumas opiniões que já recebi, bem verídicos e tocantes. Algumas cenas em específico são bem nostálgicas para mim, pois demorei alguns anos para concluir a obra, o que resultou em diferentes tons, bem dintinguíveis, em passagens diversas da obra, que refletiam meu humor e experiências pessoais pelas quais eu estava passando na época. Prometo não demorar anos para escrever os próximos livros! Já tenho cerca de 100 páginas de anotações para eles, algumas cenas prontas e tinha bem menos quando escrevi o primeiro.”

Interessante, não?

E o segredo para deixá-los ainda mais sedentos para ler a obra, é evitar dar spoilers e ressaltar que, realmente, esbarrei com mais um talento da literatura brasileira que promete!! Sem mencionar que as ilustrações da obra são LINDAS DEMAIS!!

Ilust Cap 1

É por isso que digo: Muito obrigada, Adalberto Souza, por deixar o trabalho de Bruno Davi Kretzmann ainda mais glamouroso! Seus desenhos são INCRÍVEIS!!!!

Bom…

Retomando!

No livro, juro que senti toques interessantes da mão de outros escritores! Não digo plagio!

LONGE DISSO!

Pelo contrário!

É possível perceber que o autor ter uma vasta bagagem de leitura, que o permitiu escrever uma estória tão linda, com uma narrativa tão diversificada e um enredo tão cativante! Senti…

  • um pouco do Eduardo Spohr na mania dos flashback’s;
  • uma pitada de Raphael Draccon na  “bibliografia” fantástica;
  • uma pincelada de Affonso Solano nas passagens “endeusadas”;
  • uma pontada de Leonel Caldela nos vários momentos “RPG”;
  • um dedinho do Renan Carvalho nos personagens…

Enfim, dá para sentir muita coisa: Terry BrooksTony DiTerlizziUrsula K. Le GuinRobin HobbChristopher PaoliniTerry Pratchett (que, infelizmente, nos deixou a pouco tempo)Anne Bishop, Raymond E. Feist, Brandon Sanderson, Stephen R. LawheadJohn Flanagan, Philip PullmanG.Brasman (Gustavo Girardi)G.Norris (Gustavo Tezelli)Diana Gabaldon, Renata VenturaÁlvares de Azevedo, C.S. Lewis, Willian Donadon, Denise Flaibam, J.R.R. TolkienMarion Zimmer Bradley,  Lewis CarrollDa ChenJoseph DelaneyCornelia FunkeNeil Gaiman, Trudi CanavanAlexandre Lobão, Orlando Paes FilhoJuliet MarillierDaniela PalumboLicia Troisi, etc…

São tantas influências, porém, ao mesmo tempo, é possível encontrar uma narrativa tão única… Que surpreende!

E mesmo eu não tendo certeza alguma se ele já leu obras de todos estes autores, para mim, foi bem claro senti-los, como mentores, ao lado de Kretzmann, enquanto ele escrevia! Bem como, a influência dos jogos de mesa/tabuleiro (também conhecidos como tablegames) e de RPG, na forma de escrita, algo que o autor confirma:

“Stephen King escreveu uma vez algo sobre não estar inventando histórias, mas sim contando histórias que precisam ser contadas. Eu gosto de imaginar a mesma coisa sobre esse universo que criei junto de meu primo e minha esposa. As histórias sempre vieram naturalmente em minha mente e, mesmo quando eu achava que tinha chego a um beco sem saída, a própria história me conduzia onde eu tinha que chegar. O Mago de Naminaroth e a Fênix abre as portas para histórias antigas que escrevíamos desde criança, quando nós nos fazíamos de personagens e sonhávamos com superpoderes, aventuras e descobertas mágicas. E isso é comum a muitas pessoas, por isso eu acredito que a mensagem do livro acabe despertando certa familiaridade nos mais diversos leitores. Tem um pouco aqui de aventuras de RPG (Role Playing Game) que joguei também, além de textos inacabados de nós três, citações reais de pessoas que eu conheci e uma mescla ousada de realidade e fantasia. Quando criamos o Grupo Além do Muro com o objetivo de lançar nossos projetos ao público, nós decidimos criar um universo onde todas as nossas histórias coexistissem. E quando eu digo todas, eu digo todas mesmo. Então vocês podem esperar mais títulos depois dO Mago. Uns parecidos, outros completamente diferentes, mas com algum detalhe que vai fazer você voltar a página e relê-la várias vezes, se questionando se você já viu aquilo em algum outro lugar.” (e se você quiser saber mais sobre o Grupo Além do Muro, clique AQUI)

De qualquer forma, eu lhes garanto que este livro é um sucesso e você podem lê-lo sem medo algum!

E, é por isso, que vou reforçar que o lançamento, pela Editora In House, acontecerá durante um dos encontros do Grupo Além do Muro!

  • Data: 21 de março de 2015 (sábado);
  • Horário: das 11h ás 18h;
  • Local: Biblioteca Pública Municipal “Prof. Nelson Foot”, localizada na Avenida Dr. Cavalcanti, nº 396, bairro Vila Arens, em Jundiaí (CEP.: 13201-003);
  • Preço: R$ 39,90
  • Informações: O pessoal da editora estará no evento até ás 13h, com a maquininha de cartão, caso alguém não queria ou não tenha como pagar em dinheiro (depois deste horário, só poderemos comprar o livro pagando em espécie mesmo, pois não terá como passar o cartão)

E, lembrando, como o evento é do Grupo Além do Muro, além do lançamento e da sessão de autógrafos, os leitores/participantes poderão usufruir de outros atrativos na programação do dia, como:

  1. Mesas disponíveis para ensinar e aprender jogos de tabuleiro modernos, com um fabuloso acervo de jogos, graças aos parceiros, como Galápagos e Grow. Lembrando que vocês também podem levar os seus jogos!
  2. Campeonato regional de Carcassone! Valendo um Carcassonne Mares do Sul e a uma vaga no Campeonato Nacional! (mas, para participar, é preciso enviar um email para inscricao@alemdomuro.com.br, com o nome completo, email para contato e data de nascimento)!
  3. Lançamento do Livro O Mago de Naminaroth e A Fênix de Bruno Davi Kretzmann, com tarde de autógrafos e leitura de trechos da obra!
  4. Lançamento do Portfólio de Ilustrações de Adalberto F. Souza, responsável pelas fantásticas artes de O Mago de Naminaroth e a Fênix!
  5. Presença de Designers e Lojas de Jogos, tais como: Boomer Brinquedos, BG Express, Funbox e Medieval Toys!
  6. Distribuição Fantástica de Pokemons! Ação que será realizada em homenagem ao lançamento da obra,  além da distribuição de Ho-Oh’s e Mega-salamence’s, com apelidos relacionados a importantes personagens do livro!
  7. Para quem precisar, serão emitimos certificados de horas complementares para faculdades e afins (basta solicitar a organização do evento).
  8. Haverá pasteis, churros, refrigerantes, entre outras coisas mais, sendo que o consumo de comidas e bebidas no local irá ajudar o Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (CEDECA)!
  9. Quem quiser, poderá jogar e participar das mais épicas aventuras com o grupo de RPG: os Protetores do Reino!
  10. É permitido levar qualquer portátil e jogar com os demais participantes da Mureta 3DS, com: Pokemon, Smash Bros., Mario Kart, Monster Hunter e muito mais! Os participantes poderão jogar tanto pela diversão como para competição também, entrando nos torneios premiados organizados pela Liga N-Blast de Jundiai!
  11. Aqueles que forem ao evento, poderão escolher seu clã e batalhar contra seus amigos!
  12. E os organizadores também estão incentivando o pessoal a levar H.Q.’s velhos, pois neste evento, estarão arrecadando doações de histórias em quadrinhos, que, além de valer pontos para seu clã, ajudará (e muito) o pessoal da biblioteca!

Acompanhe mais detalhes sobre o evento, clicando AQUI!

Jogos Além do Muro

 

E se vocês quiserem conhecer um pouco mais sobre o livro, basta clicar no link a seguir e ler um pedacinho da obra:

O Mago de Naminaroth e a Fênix – O Conto do Cavaleiro de Jade 

Texto by Fabi

IMG_20150220_121010

 

 

 



{março 9, 2015}   Resenha: Série A Mediadora

Olá, olá, readers!

Estamos de volta com mais uma resenha! E desta vez falaremos sobre a série A Mediadora, da autora Meg Cabot!

série a mediadora

Sinceramente? Eu li estes livros pela primeira vez quando tinha entre 16 e 17 anos, ou seja… Faz muitooooo tempo!!! (no mínimo dez anos) E, ás vezes, pego as obras e releio, sendo que, ao todo, já as reli umas 5 vezes, pelo menos…

Para quem ainda não conhece, a série foi publica aqui no Brasil pela Editora Galera Record e possui seis volumes (até o momento): A Terra das SombrasO Arcano NoveReuniãoHora Mais SombriaAssombrado e Crepúsculo. E todos contam a estória de uma garota nem tão normal, chamada Susannah Simons, ou melhor.. Suze.

Ah, sim! Um adendo…

Todos os volumes foram republicados com capas novas (as da imagem acima), sendo que, faz algum tempo que a editora também lançou os livros da série naquele estilo vira-vira, meio que “dois em um”. Estes também receberam uma carinha nova (as capas do vira-vira estão ilustradas no final do post).

Admito que gosto das três versões, sendo que, até o momento, eu tenho todos os seis volumes com as capas antigas, da primeira versão (agora, as mais difíceis de achar). Elas são ilustradas com desenhos e dá para ter uma ideia melhor a respeito de qual é a trama que será exposta dentro do livro, algo que, por um lado, é muito interessante, mas por outro, pode acabar dando alguns “spoilers” (as capas que tenham e que, inclusive usarei para ilustrar cada volume aqui no post, são essas daqui embaixo).

série a mediadora 1

Voltando…

Os livros são narrados em primeira pessoa e temos sempre o ponto de vista da protagonista, sendo que o enredo das obras é cheio de comentários sarcásticos e bem humorados sobre aspectos e dilemas presentes na vida de qualquer adolescente: paixão, escola, roupas, amizades, etc… No entanto, Cabot dá uma turbinada em tudo isso, acrescentando uma problemática beeeem interessante na vida de Suze: fantasmas!

Portanto, além de todas as reviravoltas que alguém passa numa fase adolescente banal, a protagonista também se vê presa à dubiedade de viver, (quase que) secretamente, como uma guia sobrenatural, orientando e auxiliando alguns espíritos (e ajudando alguns vivos também) em seu destino “pós-morte”.

Contudo, já adianto que, apesar de a série tratar de assuntos sobrenaturais que venham a envolver a morte de entes queridos, fantasmas perturbados, histórias sinistras e etc.. A leitura em si, não é nem um pouco pesada quanto a temática venha a sugerir! Além disso, o fato de a narrativa ser gostosa, objetiva e fluida, ajuda muito o leitor a se prender na trama, sem se sentir angustiado demais ou com uma sensação ruim.

Bom…

Vou começar a falar um pouquinho de cada livro, apenas para que tenham uma noção de como são e o que acontece em cada um:

A Terra das Sombras

Série a mediadora - A terra das sombras

A Terra das Sombras, como bem sabem, é o primeiro volume da série. E é nesta obra que já percebemos que Suze, além de ser uma garota beeeem peculiar, não é aquele tipo adolescente problemática e irritante! Sendo que facilmente percebemos que o primeiro receio dela ao se mudar para uma cidade nova, é encontrar espíritos demais e ser taxada como louca.

Também, logo de cara, nos deparamos com uma breve retrospectiva do passado dela e percebemos que o dom de ver, conversar, ouvir e sentir espíritos existe desde que era pequena. Portanto, este é o primeiro contato que temos com a característica mediadora da personagem. E ao mudar-se para a casa nova de sua mãe e de seu padrasto na Califórnia, as coisas ficam um pouco mais intensas para Suze e seu dom.

A trama se incrementa quando a nossa mediadora se depara com um fantasma lindo e encantador chamado Hector “Jesse” de Silva! O encontro dos dois não acontece, exatamente, como deveria. Suze, apesar de ficar impressionada pela beleza e pela gentileza de Jesse, o trata, inicialmente, como trataria qualquer outro fantasma. No entanto, logo ela percebe que ele não é como os outros e tudo começa a se complicar e a sua missão de mediadora já mostra indícios de que ganhará um “upgrade”.

Aliás… É neste volume que percebemos que, apesar de o plot passar a impressão de ser complexo e totalmente repleto de teorias mirabolantes, a autora consegue deixá-lo simples e claro. Algo que considerei um começo positivo, pois dava sinais de que eu não ficaria louca lendo este e nem os demais livros da saga. Além do mais, esta característica objetiva e nem um pouco complexa do plot, ajuda o leitor a assimilar melhor a trama da estória e absorvê-la por completo, desde as partes mais densas, até as mais “bobinhas”. (e para quem não sabe, plot é um termo usado para designar todos os eventos de uma história, utilizados para se obter um efeito emocional e artístico. Ou seja, um plot é exatamente o que acontece: é o enredo, é a trama, é a intriga, …)

Em A Terra das SombrasMeg Cabot não deixou muitas pontas soltas, apenas o suficiente para dar ligação para o próximo volume. A autora consegue dar a impressão de que 288 páginas não são o bastante e fazer com que o leitor continue ansioso para ler o desfecho da vida de mediadora de Suze ao lado do maravilhoso Jesse!

Sinopse oficial da obra:

“Falar com um fantasma pode ser assustador. Ter a habilidade de se comunicar com todos eles então é de arrepiar qualquer um. A jovem Suzannah seria uma adolescente nova-iorquina comum, com seu indefectível casaco de couro, botas de combate e humor cáustico, se não fosse por um pequeno detalhe: ela conversa com mortos. Suzannah é uma mediadora, em termos místicos, uma pessoa cuja missão é ajudar almas penadas a descansar em paz. Um dom nada bem-vindo e que a deixa em apuros com mãe e professores. Como convencê-los da inocência nas travessuras provocadas por assombrações?

Com muito humor, neste primeiro volume da série A mediadora, Meg Cabot nos apresenta a vida desta mediadora que tem certa ojeriza a prédios antigos: quanto mais velho um edifício, maiores as probabilidades de alguém ter morrido dentro dele. Filha de um pai-fantasma nada ausente e uma nova família, que inclui um pai adotivo e três irmãos postiços, a história começa com a mudança de Suzannah para uma casa mal-assombrada na ensolarada Califórnia. Só que Jesse não é um espírito qualquer, é um fantasma bonitão que nada faz para assustá-la, muito pelo contrário.

No melhor estilo das populares séries de TV Ghost Whisperer, Supernatural e Medium, A mediadora traz histórias repletas de mistério, aventura e romance, confirmando o nome de Meg Cabot (da série O diário da princesa) como uma das maiores escritoras teen da atualidade.”

O Arcano Nove

Série a mediadora - O arcano nove

O Arcano Nove vem para mostrar que o futuro entre Suze e Jesse será conturbado, porém, inegavelmente delicioso para os leitores!

Neste volume, a nossa querida mediadora está cada vez mais atraída pelo fantasma bonitão e boa pinta. Mas, desconfia que não seja muito saudável para o seu coração começar um romance com alguém do plano astral. Portanto, ela decide por se envolver com um ser humano vivo que surge em seu caminho.

Suze acaba conhecendo Tad, um garoto bonito, rico e misterioso. Contudo, o romance com ele não acontece como deveria, afinal, o seu dom acaba atrapalhando bastante, uma vez que, todas as noites, o fantasma de uma mulher assassinada aparece gritando em seu quarto, impedindo-a de dormir bem. Além do mais, Jesse fica enciumado, o que a deixa extremamente satisfeita, algo que ela não deveria sentir.

No livro, Suze está mais louca que nunca! Enquanto que no primeiro ela estava mais “tranquila” e um dando atordoada com todas as novidades em sua vida, neste segundo, ela está mais impulsiva e irritada. Ainda tem um pouco de receio pelas consequências de ser uma mediadora e continua tentando poupar sua família, contudo, agora está mais nervosa do que antes, pois a “ficha caiu” e ela não sabe como lidar com seus novos sentimentos, juntamente com os problemas que o seu dom traz (sem mencionar a falta de sono).

E para ajudar, a situação entre ela e Tad vai ficando cada vez mais misteriosa, chegando a envolver o pai do garoto e a tal fantasma. Simplesmente, nesta trama, a autora faz questão de mostrar ao leitor que é possível fazer com que a personagem viva em uma montanha russa diferente a cada volume.

Sinceramente, eu adorei toda a intriga envolvida em O Arcano Nove e, apesar de em certo ponto o desfecho do mistério ser previsível, ainda é possível se entreter muito tentando descobrir a ligação de todos com o assassinato. Meg Cabot, mais uma vez, prende o leitor por 272 páginas e não o solta.

Sinopse oficial da obra:

“Em O arcano nove, segundo volume de A mediadora, Suzannah continua literalmente apaixonada por um sujeito de outro mundo. O fantasma do bonitão Jesse, que vive aparecendo em seu quarto, mexe com o coração da adolescente. Mas Tad Beaumont, o garoto mais descolado e rico da cidade, também entra no páreo. E com uma vantagem inegável: ele está vivo. O rapaz convida Suzannah para uma festa, onde ela pode ganhar seu primeiro beijo.

Enquanto lida com os ciúmes de Jesse e as investidas de Tad, Suzannah precisa resolver o assassinato de uma mulher que aparece aos gritos em seu quarto. Noite após noite a mesma coisa se repete. Com a imaginação fértil da idade, Suzannah logo cria várias hipóteses para o “assassinato”, mas sua principal preocupação é descobrir quem é aquela mulher. Afinal, apesar de sentir compaixão pela desconhecida, a menina gostaria de poder dormir. Além de tudo isso, Suzannah precisa fazer o que os adolescentes fazem: estudar, badalar, e se ajustar a uma nova família, que inclui um pai adotivo e três irmãos postiços. O relacionamento com Tad vai tomando forma ao mesmo tempo em que Suzannah se envolve na busca do misterioso passado do pai do garoto. Só mesmo a mediadora para transformar a chance de um namoro feliz em risco de vida.

No melhor estilo das populares séries de TV Ghost Whisperer, Supernatural e Medium, A mediadora traz histórias repletas de mistério, aventura e romance, confirmando o nome de Meg Cabot (da série O diário da princesa) como uma das maiores escritoras teen da atualidade.”

Reunião

Série a mediadora - Reunião

Reunião é a terceira obra da série e vem para mostrar que Meg Cabot ainda não perdeu a mão e, pelo visto, nem vai perder!

Bom…

A convivência de Suze com a nova família está indo bem. Mestre e Soneca continuam legais; e Dunga permanece uma incógnita, apesar que aos poucos ele vai se soltando cada vez mais com a nova irmã; Andy Ackerman também se mostra um cara bacana; e a mãe, Helen Simon-Ackerman,  continua mais feliz do que nunca! Além do mais, Peter Simon, o fantasma de seu pai, continua a dar as caras esporadicamente, ajudando-a com alguns conselhos (ás vezes nem tão bons) e matando a saudades.

Na escola, Suze continua ficando “conhecidinha” entre os alunos e a sua amizade com os dois nerds fofos, Cee Cee (a albina) e Adam, continua firme e forte, formando um triângulo de amizade bem interessante! Aliás… neste livro, a sua amiga de longa data, Gina, vem de Nova York passar um tempinho na Califórnia, o que pode vir a ser uma coisa positiva ou negativa para a atual situação sobrenatural/amorosa da protagonista.

No entanto… Nem todos os seus relacionamentos continuam saudáveis e normais. Jesse, o lindo e sedutor fantasma, ainda divide o quarto com ela, o que a deixa cada vez mais louca. E mesmo que eles tentem se afastar um do outro, acabam sempre se aproximando ainda mais, o que vai alimentando a paixão platônica que existe entre os dois.

E como toda essa confusão amorosa não basta para a escritora, Meg Cabot colocou a nossa personagem em mais uma confusão bizarra!

Em uma loja de conveniência, Suze e Gina se deparam com quatro jovens vestidos a rigor. Ou melhor, Suze se depara, pois Gina não é uma mediadora… Enfim, as vestimentas chamam a atenção da protagonista que, ao olhar bem para os quatro, percebe que todos são fantasmas!

Ela descobre que os adolescentes morreram em um acidente de carro, na volta da festa de formatura. Eles eram conhecidos como os “Anjos da RLS” da escola Robert Louis Stevenson. Contudo, o problema não está na morte em si ou no fato de vê-los na loja. A confusão está no fato de que eles acreditam que o culpado do acidente é o jovem Michael Meducci, um nerd simpático (porém, irritante) da turma de Suze. E para protegê-lo dos quatro fantasmas vingativos, ela precisa se aproximar do pobre coitado e fingir que está apaixonada.

Na minha opinião, a trama de Reunião foi uma das mais leves e divertidas da série. Toda a intriga, reviravolta e confusões que a vingança e a  falsa paixonite geram, são simplesmente cativantes! Durante as 272 páginas, o leitor fica preso entre a curiosidade, o mistério e a diversão. Sem mencionar que é gostoso ver o lindo Jesse com um pouco de ciúmes, mais uma vez.

Sinopse oficial da obra:

“Em Reunião, terceiro livro da série A mediadora, Suzannah ainda sofre com sua paixão platônica por Jesse. Nada demais para uma adolescente. O problema é que o rapaz morreu há quase dois séculos e ‘vive’ assombrando o quarto de Suzannah, em sua nova casa, na costa oeste americana. Entre a juventude platinada local, no melhor estilo de The O.C., a menina tenta se adaptar ao novo colégio e à nova família, herdada com o casamento da mãe. Entre as recentes amizades e agitos naturais da idade, ela resolve pendências do mundo espiritual.

Aqui, acompanhamos Suzannah, depois de várias aventuras, louca para aproveitar as férias escolares com a amiga Gina, que veio especialmente de Nova York para visitá-la. Mas como a vida de uma mediadora não pode ser tão tranqüila assim, depois de tostarem ao sol, as duas resolvem tomar uma bebida para refrescar: e é aí que a confusão se instala. Na loja de conveniência, Suzannah se depara com quatro jovens vestidos a rigor. O que alguém estaria fazendo com tais trajes àquela hora é facilmente decifrado assim que ela tira os óculos escuros e vê o brilho típico dos fantasmas! Os quatro adolescentes (conhecidos como os “Anjos da RLS”, a escola Robert Louis Stevenson) morreram em um acidente de carro, na volta da festa de formatura. O problema é que eles acreditam que o culpado é o jovem Michael Meducci, um nerd da turma de Suzannah. Para protegê-lo desses fantasmas vingativos, ela precisa se aproximar dele e fingir que está apaixonada. Justo quando seu romance “paranormal” com Jesse parecia que ia decolar.

No melhor estilo das populares séries de TV Ghost Whisperer, Supernatural e Medium, A mediadora traz histórias repletas de mistério, aventura e romance, confirmando o nome de Meg Cabot (da série O diário da princesa) como uma das maiores escritoras teen da atualidade.”

A Hora Mais Sombria

Série a mediadora - A hora mais sombria

A Horta mais Sombria traz Suze ainda com toda uma personalidade original e sem qualquer traço de uma personagem tonta que a maioria dos enredos no estilo Y.A. (Young Adult) possui. Também voltamos a ter o incrível Jesse em toda uma glória de cavalheiro espanhol, com toda a educação que um homem deveria ter e toda teimosia obstinada que o vemos possuir desde o primeiro livro, assim como a própria Suzannah.

Neste livro, voltamos a ver Suze agir com impulsividade e ser bem decidida na hora que precisa, sem nunca deixar de lado a ironia e o altruísmo. Finalmente, a mediadora está de férias, no entanto, como de praxe, ela não saem como se imaginava, nada de praia, ou saídas, ou amigos… Simplesmente, Suze é obrigada pelos seus pais a trabalhar em um resort, que, por sinal, é o mesmo lugar onde seu irmão de coração, Soneca, já trabalha.

Lá, ela conhece Jack, um garotinho lindo de apenas oito anos, que não gosta, NEM UM POUCO, de sair de casa. Além do mais, o pobrezinho tem os pais mais ricos e lapsos do lugar, portanto, sobra para Suze virar a babá do hotel e cuidar do menino.

Determinada, ela decide mudar o jeito antissocial de Jack e acaba por descobrir que ele também é um mediador! No entanto, por mais que ela tente, não consegue ensinar nada ao garotinho, apenas o reconforta mostrando que ele não é o único no mundo e não precisa se isolar de todos.

Em A Hora mais Sombria, também conhecemos a fantasma Maria de Silva, a ex noiva e prima de Jesse. E logo de cara, essa nova personagem já se apresenta de um jeito não muito amigável à Suze e a faz passar por mais mais apuros, tanto no sentido paranormal, quanto no social, com Jack e, principalmente, no âmbito amoroso: Jesse!

O que me fascinou neste livro foi o fato de que Meg Cabot vai levando o leitor cada vez mais fundo no mundo dos mediadores e explora ainda mais este universo que criou. Ficamos, mais uma vez, presos à trama e nos sentimos cada vez mais famintos por saber mais e mais!

Aliás… Neste quarto volume, vemos Suze finalmente assumir que está apaixonada por Jesse! No entanto, ela continua a esconder dele esse sentimento abrasador. E para piorar ainda mais as coisas no coraçãozinho dos dois personagens, a nossa mediadora conhece Paul Slater, irmão mais velho de Jack, o qual irá balançar ainda mais os sentimentos de Suze, infernizar a existência (ou quase) de Jesse e, de quebra, complicar as coisas para o lado sobrenatural.

E todo esse drama dá uma apimentada no livro, deixando a estória ainda mais gostosa. E toda essa mistura de amor, ódio, intriga, sobrenatural, mistério, compaixão, morte e suspense, caba tornando a leitura de 272 páginas em algo emocionante e divertido, mesmo que ela continue sendo leve.

Sinopse oficial da obra:

“Em A hora mais sombria, quarto livro da série A mediadora, Suzannah sofre com sua paixão por Jesse – o fantasma “muito gato e com abdômen de tanquinho”, que “vive” assombrando seu quarto. Desta vez, Suzannah aproveita as férias de verão para incrementar seu guarda-roupa com o dinheiro ganho com um trabalho árduo e muitíssimo trabalhoso. Enquanto passa seus dias como babá, sonhando com aquele novo par de Manolo Blanik ou aquele vestidinho Prada, ainda arruma tempo para orientar um menino de cinco anos que se revela um mediador. Para completar, precisa fugir das cantadas do irmão mais velho do moleque, que guarda um estranho segredo.

Mas esse é o menor de seus problemas: acordar no meio da noite com uma faca na garganta, empunhada pela ex-noiva (morta!) de seu namoradinho fantasma, não pode ser um bom sinal. Ainda mais quando a fantasma exige que a construção de uma piscina nos fundos da casa de Suzannah seja interrompida imediatamente. Nossa mediadora preferida começa a pensar o que a fantasma tem tanto medo que encontrem. A possibilidade de ser o corpo de Jesse não está completamente descartada. E se for isto mesmo? E se, ao solucionarem seu assassinato, o rapaz conseguir, enfim, passar para o outro lado? Como ela vai agüentar de saudades?

No melhor estilo das populares séries de TV Ghost Whisperer, Supernatural e Medium, A mediadora traz histórias repletas de mistério, aventura e romance.”

Assombrado

Série a mediadora - Assombrado

Assombrado: o penúltimo livro da série!

E é aqui que o leitor (como eu) fica com aquela mistura louca de sentimentos, pois, por um lado, nos sentimos empolgados, pois, FINALMENTE, veremos o desfecho da estória toda e a curiosidade será matada. Mas, por outro lado… Estamos chegando ao final de uma série tão cativante e gostosa, que, simplesmente, dá vontade de continuar lendo livros das aventuras de Suze e Jesse por muitoooo mais tempo!

É realmente triste ficar órfãos de outra série tão boa!

Bem… Voltando à trama do livro, se o leitor imaginou que Suze teve problemas demais no livro anterior, neste, então…! Como a saga está chegando ao final, os problemas vão ficando cada vez maiores e mais complicados (se é que isso é possível). E a maioria deles tem nome e sobrenome agora: Paul Slater!

Inicialmente, temos uma visão bem interessante do personagem. O Paul passa aquela impressão de ser um garoto maravilhoso, lindo inteligente, que se interessa imensamente pela Suze, a desejando e querendo ajudá-la ou estar perto dela. No entanto, no final do outro volume, vemos que não é bem assim! A autora joga toda essa impressão que temos do garoto por água abaixo, quando o faz aprontar uma “filhadaputagem” com a nossa mediadora!

 E como se não fosse o suficiente o que ele a fez passar, Meg Cabot o coloca morar em Carmel e estudar na mesma escola que Suze!

Ela até tenta se livrar da companhia dele, mas o que acontece anteriormente a deixa curiosa demais, e como todos sabem, a curiosidade matou o gato, sendo que neste caso, pode chegar a levá-la bem perto disso, pois, NOVAMENTE, ela vai arriscar a própria vida ao se deixar levar pela vontade de descobrir habilidades que ela nunca imaginaria ter e ele pode lhe mostrar.

Quanto ao fato “fantasma” da trama, o da vez chama-se Graig. O pobre espírito era o filho perfeito e o aluno exemplar, mas que, infelizmente, acabou morrendo em um acidente de barco com seu irmão Neil, o qual conseguiu sobreviver. E como Graig não se conforma com a própria morte, começa a perseguir o irmão mais novo em busca de uma vingança incoerente, a qual Suze tenta evitar a qualquer custo (só para variar).

E para “ajudar”, Jesse está confuso com relação aos sentimentos que existem entre ele e Suze. Por isso, ele resolve se afastar dela e “sai de casa”. Dessa forma,  a nossa mediadora fica sem supervisão, se sente rejeita e ainda mais irritada e correr atrás de mais problemas ao lado do perigoso Paul.

Tenho que confessar, em 240 páginas de Assombrado, as descobertas de Suze são, literalmente, as cerejas do bolo dentro da trama, sendo que as complicações amorosas são o chantilly e os confeitos o fantasma Craig! (hehehe, que comparação mais “gorda”!) É, mais uma vez, UMA LEITURA APAIXONANTE!

Sinopse oficial da obra:

“Suzannah passou o último verão no Pebble Beach Hotel and Golf Resort. Não, ela não estava hospedada com os ricaços. Em vez disso, tomava conta dos filhos deles. E foi assim que ela conheceu Paul Slater: Suzannah era a babá do irmãozinho dele, Jack, e Paul acabou se encantando por ela. Mas é claro que quando um garoto bonitão se interessa por ela as coisas não podem simplesmente dar certo.

Assim como Suzannah, os irmãos Slater são mediadores. A única diferença é que o pequeno Jack ainda não sabe lidar com isso, enquanto Paul sabe até demais, pois se revelou um garoto realmente cruel, deixando Suzannah apavorada. Mas todo esse pesadelo acabou junto com as férias de verão. Ou, pelo menos, era o que Suzannah pensava. Ela está de volta às aulas, ansiosa por retomar a rotina, quando ouve uma voz familiar atrás dela. Paul está de volta a Carmel, e dessa vez para ficar. Ele é o novo – e já popular – aluno da Academia da Missão Junipero Serra. Paul faz de tudo para convencer Suzannah a vê-lo, mas Suzannah continua apaixonada pelo fantasma Jesse, e parece estar sendo correspondida.

No melhor estilo das populares séries de TV Ghost Whisperer, Supernatural e Medium, A mediadora traz histórias repletas de mistério, aventura e romance, confirmando o nome de Meg Cabot (da série O diário da princesa) como uma das maiores escritoras teen da atualidade.”

Crepúsculo

Série a mediadora - Crepúsculo

Crepúsculo… Aaaaah, que livro FODA!

Na minha opinião, este é o melhor livro da série ! Quando li o primeiro volume, não imaginei que o final seria tão incrivelmente fantástico e surpreendente assim!!

Basicamente, Suze termina a trama anterior ao lado de Jesse, contudo, com um apêndice: Paulo! Afinal, parece que agora a presença do garoto dos infernos é constante na vida da mediadora. Tudo o que ela faz, ele decide estar lá, como um abutre, colocando o dedo e dando palpite… Como ele virou uma espécie de guru mediador para Suze e ainda ameça matar Jesse, toda quarta-feira ela se vê induzida/obrigada a se encontrar com ele.

E assim o drama vai se desenrolando, até que Paul descobre uma maneira de voltar no tempo e impedir que Jesse morra. Assim, ele nunca se transformaria em fantasma e Suze nunca o conheceria, podendo, dessa forma, ficar com ela todinha para si.

Não vou me aventurar a falar muito mais sobre o enredo deste livro, pois não quero arriscar dar spoilers! A plot é tão precioso que vale a pensa deixá-los ainda mais curiosos edescobrirem por conta própria o que vai acontecer! No entanto, já adianto que nesta obra, o leitor poderá encontrar muitooooos mistérios, muitaaaas surpresas e MUITO, mas MUITO, romance!

Além disso, em CrepúsculoMeg Cabot conseguiu dar um final perfeito para cada um dos personagens, amarrando todas as pontas soltar e não deixando ninguém de fora! Portanto, a leitura se torna redondinha e ainda mais prazerosa, já que conseguimos aplacar toda a curiosidade e encerrar sem muitos questionamentos, a não ser um: bem que poderia ter mais um… Quando sai o sétimo livro, ein?

Sinopse oficial da obra:

“Desta vez é vida ou morte. A série A mediadora, de Meg Cabot, chega ao fim. Suzannah já se acostumou com os fantasmas em sua vida: eles a acordam no meio da noite, reviram seu armário e aprontam coisas ainda mais assustadoras. Como mediadora, pode não somente ver fantasmas como também interagir com eles. E foi assim que se apaixonou por Jesse, um gato do século XIX. Mas, suas questões vão muito além de assuntos do coração: sua função é entender as mágoas dos mortos e ajudá-los a resolver os problemas com os vivos.

É muito aterrorizante ter o destino dos fantasmas em mãos, podendo alterar o curso da história. E tudo ficou mais assustador depois que ela descobriu que Paul também sabe como fazer isso. E ele adoraria evitar o assassinato de Jesse, impedindo-o de virar fantasma e lhe garantindo uma vida tranqüila, finalmente… Isso significaria que Jesse e Suzannah jamais se conheceriam. A mediadora está diante da decisão mais importante da sua vida: deixar o único cara que já amou voltar para seu próprio tempo, impedindo assim sua morte… ou ser egoísta e mantê-lo a seu lado como um fantasma. O que Jesse escolheria: viver sem Suzannah ou morrer para amá-la?

No melhor estilo das populares séries de TV Ghost Whisperer, Supernatural e Medium, A mediadora traz histórias repletas de mistério, aventura e romance, confirmando o nome de Meg Cabot (da série O diário da princesa) como uma das maiores escritoras teen da atualidade.”

série a mediadora 2

Na série A Mediadora, a escritora Meg Cabot deixa bem claro que cada uma das obras tem o seu próprio plot. Mas, que, apesar de cada volume ter uma trama única, todas elas, de alguma forma, irão se interligar aos poucos e se unirem na resolução da saga.

Portanto, mesmo que cada livro tenha um enredo diferente do outro, ainda assim, é importante lê-los na ordem, pois, mesmo que todos tenham começo, meio e fim, com estórias bem amarradinhas, ainda fazem parte de um enredo maior, que só fará sentido e se resolverá de forma completa, se o leitor passar por cada um dos títulos e absorver as informações presentes em cada uma das aventuras!

Cada uma das tramas me deixou encantada! Pude perceber as nuances entre o humor, o amor, a ironia, o dever, o altruísmo, a dúvida, o suspense, o sobrenatural… Enfim, o leitor sente toda a descontração maravilhosa do enredo que a autora conseguiu colocar em um livro de mistério!

Aliás… A teimosia de Suze foi algo que me agradou bastante! Achei que este tipo de personalidade coube perfeitamente em um personagem que precisa convencer, a todos o custo, os fantasmas a irem para onde precisam ir, onde quer que isso seja! Sendo que a característica combinou muito bem com a maneira um tanto excêntrica que ela tem de agir, já que, na obra, se “eles não obedecem, porrada neles”! (agressivo, não? hehehehe…)

Também é impossível se esquecer do quanto a autora nos faz envolver com os personagens! Sentimos raiva, empolgação, ternura, ansiedade, orgulho, damos risada, suspiramos, nos apaixonamos… Uma coisa é fato… Eu JAMAIS me esquecerei do que significa “Mi Hermosa“!

E para quem sofreu com a despedida, assim como eu, em 21 de janeiro de 2013, a autora anunciou no twitter uma novidade ótima!

Série a mediadora - twitter

Tradução livre: “Para todos os fãs da série A Mediadora que perguntaram, sim, é verdade que haverá o 7º livro. Eu fiz uma pesquisa secreta em Carmel no ano passado. Entretanto… será um livro ENORME, então vai demorar um tempo para escrever. Obrigada a todos pelo apoio, amor e paciência! Beijos e Abraços Suze e Jesse”

No dia 14 de fevereiro de 2016, será lançado nos E.U.A. e no Canadá o sétimo livro da série, cujo nome em inglês é Remembrance (tradução livre: Recordação)! E a editora já está correndo atrás de acertar a publicação para o Brasil logo em seguida (talvez precisaremos esperar por mais alguns meses após o lançamento).

Inclusive, a página oficial da escritora fez algumas brincadeiras e uma delas resultou num… CONVITE DE CASAMENTO DA SUZE E DO JESSE!!!!! (algo que considerei um tremendo spoiler, mas nada que venha a estragar, pelo contrário! Apenas me deixou ainda mais ansiosa para ler, pois, qual fã da série nunca desejou/previu que isso acontecesse????)

Série a mediadora - invintation

Tradução livre: Guardem o dia Você está convidado para o casamento de Srt.ª Susannah Simon e Dr.º Hector “Jesse” de Silva 14 de Fevereiro de 2016

Agora, só nos resta aguardar e, por enquanto, imaginar!

Texto by Fabi

IMG_20141104_220006

 



Olá, olá, leitores queridos do nosso coração!

Estamos de volta com uma dica ÓTIMA de leitura para vocês: Os mil outonos de Jacob de Zoet!! (o título original é The Thousand Autumns of Jacob de Zoet, e a tradução foi bem literal)

Os mil outonos de Jacob de Zoet

O livro, com 568 páginas, foi publicado no mês passado (no dia 19 de fevereiro) aqui no Brasil, pela editora Companhia das Letras. Ele pertence ao escritor inglês David Mitchell, sendo que, com total segurança, lhes afirmo que a obra apenas confirma que o autor é um dos mais fascinantes e destemidos escritores vivos atualmente! E a minha opinião é reafirmada pelo crítico da The New York TimesDave Eggers! (ele concorda com este ponto de vista sobre Mitchell! hehehe…)

Para quem ainda não conhece o escritor, saibam que David Mitchell nasceu em 1969, em Worcestershire, na Inglaterra. Ele viveu durante anos no Japão e atualmente mora na Irlanda com a esposa e dois filhos. Além de Os mil outonos de Jacob de Zoet, também é autor de outros quatro romances: Ghostwritten, Number9dream, Cloud Atlas e Menino de lugar nenhum.

Segundo o Scotsman, nesta obra, Mitchell “combina aventura, amor, mito, melodrama e ficção histórica com tanta habilidade que, ao terminar o livro, você provavelmente vai querer checar o que é verdade e o que é ficção. Em seguida, você vai perceber que nada disso importa, porque obras-primas têm regras próprias, e este livro é definitivamente uma obra-prima.”.

David Mitchell

Bem…

Para sanar a curiosidade sobre o enredo de Os mil outonos de Jacob de Zoet,  digo que o cenário é bem exótico e, pessoalmente, me agradou muito, pois sou fã da cultura oriental, principalmente no que se refere à história e política daquele hemisfério do mundo!

Ou seja, a trama é ambientada no Japão, mais precisamente o da virada do século XIX. (Sou uma cria de Rurouni Kenshin/Samurai X, por isso, não tem como não se prender a dramas históricos e políticos de qualquer época! hehehehe…)

A estória se passa em cima de um império japonês que, no ano de 1799, está totalmente fechado aos estrangeiros, com uma única exceção: a ilha artificial de Dejima, na costa de Nagasaki! Lá, os holandeses – que são os últimos parceiros comerciais europeus – mantêm uma feitoria.

E é no meio de toda essa trama política-comercial, que nos deparamos com o jovem escriturário Jacob de Zoet, o qual parte de navio para o Oriente, em busca da fortuna que lhe permitirá casar-se com sua amada Anna. No entanto, o trabalho ganha um “upgrade” inconveniente e ele acaba sendo incumbido por seu tutor da missão de investigar os registros de Dejima em busca de evidências de corrupção.

Digam-me! Esta é ou não é uma narrativa que poderá prender o leitor por suas intrigas, que lhes garanto, são muito bem elaboradas e descritas!? É como o The Times disse… “Seria difícil imaginar um livro mais aguardado do que Os mil outonos de Jacob de Zoet. Pouca coisa publicada hoje se compara a ele: vertiginosamente ambicioso e brilhante, executado com precisão e técnica assombrosas.”.

Os mil outonos de Jacob de Zoet

Para quem ficou curioso, eis a sinopse oficial do livro, fornecida pela editora, bem como um arquivo em pdf com um trechinho da obra para ler:

“O pano de fundo exótico para esta trama é o Japão da virada do século XIX. No ano de 1799, o império japonês está totalmente fechado aos estrangeiros, com uma única exceção: na ilha artificial de Dejima, na costa de Nagasaki, seus últimos parceiros comerciais europeus, os holandeses, mantêm uma feitoria. Em busca da fortuna que lhe permitirá casar-se com sua amada Anna, o jovem escriturário Jacob de Zoet parte de navio para o Oriente e acaba sendo incumbido por seu tutor da missão de investigar os registros de Dejima em busca de evidências de corrupção.

Impedido de praticar a fé cristã, ridicularizado pelos japoneses e hostilizado pelos colegas europeus que tem o dever de investigar, Jacob se sente mais isolado que nunca. Ao mesmo tempo, conhece aos poucos uma galeria de personagens marcantes que inclui o trambiqueiro Arie Grote, o samurai e intérprete Ogawa Uzaemon e o erudito botanista dr. Marinus. Sua situação se complica definitivamente quando ele se apaixona por uma jovem parteira e estudante de medicina, Aibagawa Orito, uma moça intrigante que tem o rosto parcialmente queimado. Quando Orito é raptada pelo sinistro abade Enomoto e Jacob se descobre vítima de sua própria ingenuidade e retidão moral, desvela-se uma trama repleta de paixões proibidas, traições, culpa, assassinatos, intrigas políticas e segredos de uma ordem espiritual que pratica horrores indizíveis.

Escrito com grande atenção aos detalhes, numa prosa repleta de episódios cômicos e reflexões filosóficas e históricas, Os mil outonos de Jacob de Zoet mostra por que David Mitchell é considerado um dos grandes autores contemporâneos de língua inglesa. Eleito um dos melhores jovens escritores britânicos pela revista Granta em 2003 e indicado a diversos prêmios importantes (foi duas vezes finalista do Man Booker Prize, com o cultuado Cloud Atlas e depois com Os mil outonos de Jacob de Zoet), Mitchell é dono de uma imaginação quase ilimitada e de um estilo cristalino e vívido, com o qual transita fluidamente entre gêneros como o romance histórico, a ficção científica e o romance de formação.”  Degustação do livro: Os mil outonos de Jacob de Zoet (degustação)

Texto by Fabi

IMG_20150212_130603

(na foto, participação especial da minha japa do coração, Liane Yumiko Azuma)



et cetera
Amor literário

Resenhas de Livros

Devaneios da Lua

Sobre tudo e ao mesmo tempo nada

Crônicas da Gaveta

Relatos amadores por @Cardisplicente

Sara M. Adelino

Tradutora. Revisora. Redatora.

WILDsound Festival

Weekly Film Festival in Toronto & Los Angeles. Weekly screenplay & story readings performed by professional actors.

Destino Feliz

Seu Blog de Viagens, Roteiros e Experiências

dmaimalopes

A great WordPress.com site

delenaalways

A fine WordPress.com site

evilking.wordpress.com/

Comic Book and related work by Danilo Beyruth

ibooksney

EM ANDAMENTO

My Broken Throat

Até que o medo se desfaça... Um engano do destino

nicoleravinos

"Um dia sem sorrir é um dia desperdiçado"

Action Nerds

Bonecos, tirinhas e nerdices. Aqui você encontra tudo isso!

%d blogueiros gostam disto: