World Fabi Books











Olá, readers!

Estamos com uma proposta nova, ou melhor, um integrante novo!

Recentemente, eu (Fabi) adotei um lindo filhotinho de Spitz Alemão Anão, para o qual presenteei com o nome Max.

Hoje, faz 3 semanas que este bebezinho de apenas 2 meses está morando comigo e minha família. E pretendo, a cada sete dias, postar um pouco das travessuras desse filhote malandro por aqui.

Como ele ainda não sabe falar e, acredito, se comunica apenas por telepatia comigo (ele me olha de um jeito que eu JURO que é possível ouvir a vozinha dele na minha cabeça!), vou assumir o teclado e lhes contar tudo o que vem acontecendo de novo na vidinha mágica dele.

No entanto, não é justo deixá-lo de fora do próprio diário. Por isso, em alguns momentos, permitirei transcrever, quase que literalmente, o meu baby me passa por telepatia.

Como primeiras folhas deste diário, hoje começarei fazendo um “resumão” de tudo o que aconteceu nestes 21 dias com Max.

Espero que gostem! 😉

Max1

Tudo aconteceu de forma um tanto… Inesperada para a minha família e para o Max, mas não para mim!

Há um ano, perdemos dois grandes amores… Nossas bebezinhas faleceram de velhice com uma diferença ínfima de 9 dias entre a partida de uma e da outra. Agora, sentimos um tremendo vazio que antes era preenchido com calor e carinho pela Xuxa e pela Sasha.

Max2Não pensávamos em adotar outro cãozinho, até que me deparei com um filhote de Spitz Alemão numa vitrine de shopping.

Me apaixonei instantaneamente!

>> E quem não se apaixonaria? Sou um filhote anão! Mais fofo do que eu, apenas o Gizmo!

Então, começaram as negociações: perguntei idade, saúde, preço (infelizmente…), etc… Até que no meio das minhas férias, eu o adotei!

Não havia falado nada para ninguém, com exceção do Guh Valente. Afinal, em casa, o pessoal é bem dramático, por isso, decidi fazer surpresa e pronto.

No dia em que o peguei no colo, foi lindo! Ele começou a me cheirar e instantaneamente a mordiscar meus dedos, cabelos e, inclusive, fez tentativas (frustradas por mim) de morder meus brincos e colares!

>> Em minha defesa, o brilho me levou á loucura. Sou curioso por natureza, ué!

Toda aquela interação foi uma gracinha e me senti ainda mais certa na decisão de levá-lo para casa.

Contudo, assim que peguei o cartão para me despedir do dinheiro e poder levá-lo, o moço com quem eu havia negociado tudo me avisou que o “verdeiro” filhote que eu havia comprado estava fraquinho demais e, por isso, não podia ser vendido.

Segundo ele, alguns filhotes da raça, de tão pequenininhos, acabam não “vingando”, mas que ele continuaria fazendo de tudo para salvá-lo e se eu não quisesse levar aquele filhote, ele entenderia muito bem e me reembolsaria da metade que eu já havia pago da quantia

Mais do que depressa, neguei e o agarrei. Ele já era MEU! Era o MEU FILHOTE! 

Disse que com certeza o levaria e, ainda por cima, enchi o moço de perguntas a respeito do irmãozinho fraquinho. 

Ele me garantiu que continuaria cuidando dele e se precisasse de ajuda, me informaria. Além do mais, me disse que, se eu quisesse, poderia doá-lo para mim. (e eu continuo mantendo contato com ele ainda, me atualizando a respeito da saúde do irmãozinho do Max, o qual eu carinhosamente apelidei de Bane)

Enfim…

Fiz oque precisava fazer, peguei algumas coisas que o meu bebê iria precisar e zarpei para casa. Mas antes, liguei para minha mãe e disse que estava levando uma surpresa.

Assim que cheguei, meu irmão já o agarrou e o pegou nos braços. Fomos até meu quarto, onde minha mãe já estava. 

– Ai, meu Deus! Não acredito você pegou mesmo um cachorro! – ralhou comigo.

– Mas, mãe… Só olha para a carinha dele! – peguei o Max do colo do meu irmão e o mostrei a ela.

>> Ela praticamente me esfregou na cara da minha vovó!

– Ai… Meu… Deus… – o seu tom de voz já mudou e praticamente a vi vomitar um arco-íris!

Nós começamos a brincar com ele e resolvemos colocá-lo sobre minha cama onde, para o meu azar, ele decidiu se aliviar e fazer uma interessante pocinha de xixi… 

>> Tinha que deixar minha marca, oras!

Imediatamente, decidi preparar o cantinho dele e começar a árdua tarefa de ensiná-lo a fazer as necessidades no tapetinho higiênico.

Quando meu pai chegou em casa, não ligou muito para o filhote. O olhou, disse que parecia um ratinho de tão pequeno e ficou por isso mesmo. 

Mentira!

Não ficou por isso mesmo! Eu levei bronca dele e da minha mãe, maaaaas tudo bem… hehehe…

Max3A noite chegou e eu fiquei com medo dele chorar muito, estranhando o lugar novo. Contudo, para a minha sorte, ele não o fez! Descobri que ele é um cãozinho dorminhoco.

Apenas chorou uma única vez ás 4h00 da madrugada, se sentindo sozinho. E eu, como boa mãe adotiva, acordei e mesmo morrendo de sono, brinquei com ele até que voltasse a dormir. Algo que ele ainda faz MUITO! 

>> Sou um bebê, preciso dormir! Mãe desnaturada…

Os dias foram se passando e, aos poucos, fui apresentando-o para os outros cômodos da casa, além do meu próprio banheiro, onde ele estava locado.

E nem tão aos poucos assim, fui descobrindo que o meu filhote até pode ser um adepto da boa soneca, porém, quando está acordado, é um verdadeiro demoninho!

>> Sou apenas hiperativo… 

Ele é um cão genioso, chorão, irritadinho… Uma verdadeira peste! 

Ele ama atacar pés e não tem piedade em fincar seus dentinhos já afiados na pele de quem quer que seja! Seu brinquedo predileto são mãos e de seu ponto de vista, não existem barreiras!

Quando em seu cantinho (que depois de tornou a lavanderia, onde a Xuxa e a Sasha costumavam dormir), o Max é um exemplo de bons modos aos banheiro, fazendo o xixi e o cocô no tapetinho.

Contudo, quando sai correndo pela casa, se torna um rebelde e faz suas necessidades onde não deve! Ele já elegeu seus pontos prediletos de cada cômodo e, assim que os alcança, deixa ali a sua marca, seja ela liquida ou sólida.

>> Ao menos eu tenho “pontos prediletos”! Imagina se eu fizesse em qualquer lugar mesmo! Vocês ficariam um tempão procurando a minha “marca” para limpá-la depois.

Max4Sem mencionar que na segunda semana ele aprendeu a subir e descer pequenos degraus, adora se enfiar em qualquer cantinho, se esconde debaixo de armários para atacar suas vítimas, a morder sacolas, a derrubar lixos, a destruir rolos de papel higiênico, a sair correndo quando ninguém está prestando atenção, a latir (acho que é um latido) e a rosnar quando não quer mais ficar no colo ou quando o prendemos em algum cantinho.

Ai ai… Logo percebi que esse garotinho vai me dar muito trabalho!

Aos poucos, fui pesquisando métodos de adestramento e os aplicando no Max. Está tudo sendo na base do erro e acerto. Algumas técnicas funcionam com ele, mas outras… Hahahaha! 

Uma coisa eu admito, além de genioso, esse cãozinho é MUITO esperto e inteligente! Mais do que o normal! (e isso, até a veterinária dele já confirmou!)

>> Sou um prodígio, mamãe!

A primeira vez que o levei na veterinária, foi porque ele aparentemente havia torcido a patinha. Gritou tanto que achei que havia quebrado.

Corri para uma clinica e lá, constatou-se que era mais manha do que outra coisa. No mesmo dia, aproveitaram para indicar um vermífugo para dar (algo muito importante) e decidiram passar um spray anti pulgas e carrapatos nele.

Haviamos descobertos alguns dessas criaturinhas asquerosas nele e, por precaução, a veterinária me receitou o Frontline spray para filhotes acima de 2 dias de vida, sendo que lá na clínica mesmo ela decidiu espalhar um pouco do produto no pelo dele para que, quando eu chegasse em casa, pudesse passar um pente fino depois e retirar os bichinhos mortos.

Assim que ela espirrou o spray, começando pelo bumbum dele, o Max começou a ganir como se estivesse sendo surrado! Ele gritava e fazia tanto estardalhaço que algumas pessoas foram até a sala em que estávamos para ver o que estava acontecendo!

Eu não sabia se ria ou se simplesmente escondia a cara em algum lugar.

>> Só posso dizer que não foi agradável. Descobri que odeio sprays!

De qualquer forma, a segunda visita foi bem mais tranquila. O levamos para tomar vacina e, adivinhem!

Ele somente reclamou, não fez alvoroço algum. Nem latir, ele latiu! 

Dá para entender?

>> Eu cresci bastante entre uma visita e outra. Virei um filhote durão!

Bom…Max8

Para a minha sorte, como eu havia dito, alguns métodos de adestramento funcionaram.

Agora, ele quaaaaseeee me obedece.

Quando me morde, o faz de levinho e sem machucar (agora, só preciso descobrir como ensiná-lo a fazer o mesmo com os outros, hehehe…). E quando dou bronca, ele entende, mesmo que isso não signifique ainda que vá parar o que está fazendo de errado.

Felizmente, ele se dá super bem com visitas/estranhos, virou o sucesso da clínica veterinária em que o levo e já demonstrou que realmente me ama!

>> Claro que amo! ❤ 

Ainda sou a pessoa, cujo colo ele mais aguenta ficar. Mas, ainda faz uma manha enorme para me convencer a colocá-lo no chão.

>> Sou hiperativo, lembra? Não gosto de ficar parado e colos me deixam preso e sem ter o que fazer!

Ainda é genioso e briga com minha mãe quando ela lhe dá uma bronca. Ou, se esconde debaixo do armário quando sou eu quem briga com ele.

>> Tenho que expor a injustiça! Sou um filhote, não deveria levar bronca!

Ainda é extremamente arteiro! Faz uma bagunça equivalente a de dez filhotes; arranha portas; fuça vasos; aspira o que estiver no chão; tenta arrancar enfeites do que quer que esteja ao alcance dele; e, inclusive, esta semana ele conseguiu baixar o trinco da porta e trancar a minha mãe do lado de fora!

>> Ela saiu e fechou a porta. Nem me perguntou se eu queria ir junto, então, decidi trancar, sem perguntar se ela queria entrar! 

Max5E quando vou ler, ele pegou uma mania fofa, porém bem destrutiva, de brincar com o meu marca páginas!

>> Quero atenção! Atenção! Atenção!

E apesar de tudo, eu sei que todos já o amam tanto quanto eu amo, ou seja, ALÉM DA CONTA!

Sempre damos um jeito de mimá-lo, brincando até que se canse e enchendo-o de carinho e beijos.

A minha mãe, mesmo o vendo enfrentá-la, paparica o Max o máximo possível e tenta me ajudar a adestrá-lo da melhor forma possível, assumindo uma postura de vó mesmo.

O meu irmão é o tio coruja. Está o tempo todo tirando fotos e dando um jeito de ficar com ele. E caso o Max comece a chorar, ele já aparece perguntando o que está acontecendo.

O meu pai, apesar de ter sido um pouco frio no primeiro dia, logo se rendeu sem resistência alguma ao charme de filhote e é o mais bobão quando se trata do Max, vira e mexe o pego rolando no chão junto com o meu baby!

O meu namorado, Guh Valente, já está se saindo um bom pai adotivo. Sempre me pergunta sobre o Max e quando o encontra, imediatamente se atira no chão para brincar e tentar carregá-lo.

Os meus cunhados e as minhas cunhadas, são os tios babões! Toda a vez que conseguem vê-lo, o mimam além da conta! 

BórisE os meus sogros, então… O acham a coisa mais deliciosa do mundo (além do Bóris, é claro! O Golden mais do que fabuloso, safado e meigo que está na família do meu namorado)! Não há uma oportunidade que eles percam para prendê-lo nos braços e se entregarem aos apelos de atenção dele.

>> Vocês também me levam á loucura e mesmo sendo uns ditadores comigo, ainda os amo muito, tá?

O Max se tornou o nosso anjinho endiabrado, que veio para trazer um pouco mais de luz e agitação para nossas vidas!

Ele JAMAIS veio como um substituto! Assim como a Xuxa e a Sasha NUNCA foram um substituto para o Michael e, do mesmo jeito, ele DE FORMA ALGUMA foi do Michael anterior!

Todos eles são nossos mais amados! Os membros insubstituíveis de nossa família! Os amores de nossa vida!

Nada e nem ninguém os tirara de nossos corações! Em nossas almas, há uma marquinha deles que ficará ali por toda a eternidade!

E o nosso Max, agora, é o mais novo membro da família Zambelli de Pontes! O nosso caçulinha! ❤

>> Olá!

Max7

Texto by Fabi e Max

Max6



{janeiro 7, 2015}   Feliz Dia do Leitor!!!

PARABÉÉÉÉNS, LEITORES!!

Hoje é o nosso diaaaa!! Yeeeaaaah!!

Afinal de contas, hoje, 07 de Janeiro, é o Dia do Leitor!

 

Feliz Dia do Leitor

Sempre que lemos, fazemos viagens incríveis, saímos de nossas cadeiras, de nossas cidades, de nossos estados, de nossos países, de nosso planeta, de nosso mundo e universo… E, então, viajar se torna uma necessidade!

Nossos cérebros parecem inchar com tanta informação, o apetite cresce e eles clamam por mais e mais. Sentem uma abstinência danada quando ficamos muito tempo sem alimentá-los com palavras.

Leitura é um vício!

Assim que pegamos o gosto por ela, fica impossível abandonar! Um único livro no mês, quase não nos basta mais. Ler se torna tão essencial quanto respirar. E se ficamos um dia sem ler alguma coisa, seja uma mensagem no whatsapp, parece que nosso dia ficou incompleto…

Lemos um livro atrás do outro, uma HQ em seguida da outra, um mangá devorado por instante, um gibi a cada momento, uma revista a cada parada na banca, um e-book a cada recarregada, um jornal físico por dia e dezenas online… Ler, ler, ler, ler, ler e nunca parar!

Sentimos que apenas deixaremos de amar a leitura (sim! leitura e não literatura!) depois que partirmos desta existência… E, mesmo assim, torcemos para que, se houver outra vida, possamos carregar conosco essa paixão desenfreada.

Sim!

Somos bibliófilos!

Somos bibliomaníacos!

Somos bibliômanos!

Podemos ser biblioclastas, bibliométricos, biblioteconomistas, bibliógrafos, bibliologistas, bibliocléptos, bibliocleptomaníacos, bibliocleptômanos, biblioterapeutas, bibliocêntricos, bibliofílicos, bibliotécnicos, bibliotecologistas, bibliólatras, bibliotecônomos, bibliólogos, bibliopolas, bibliófagos, bibliognostas, bibliogênicos, bibliognósticos e bibliomantes!

Sofremos, gravemente de bibliofilismo, bibliotecosofia, bibliofilaxia, bibiolatria, bibliomania, bibliofilia, bibliocleptia, bibliocleptomania, bibliodiscernimento, bibliofilismo, biblioclastia, de bibliogênese, bibliólatria, bibliognosia, bibliomancia, biblioparapsiquismo, de uma bibliopatologia, bibliopoder, bibliossanidade e bibliotismo!

 (Ufa! Quanto “biblio”!)

Ou seja, temos, notadamente, um incrível autodiscernimento quanto à leitura em geral.

Somos leitores, flertamos sem pudor com as palavras, bebemos da doce fonte da literatura e somos amantes inveterados da leitura.

 

Texto by Fabi

IMG_20150103_154729



{dezembro 29, 2014}   Os números de 2014

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

(E NÓS ADORAMOS ESSAS ESTATÍSTICAS DO WORDPRESS.COM 😉 )

Aqui está um resumo:

A sala de concertos em Sydney, Opera House tem lugar para 2.700 pessoas. Este blog foi visto por cerca de 52.000 vezes em Se fosse um show na Opera House, levaria cerca de 19 shows lotados para que muitas pessoas pudessem vê-lo.

Clique aqui para ver o relatório completo



{novembro 19, 2014}   Unhas para casamento – parte 2

Ótima dica da nossa parceira Beatriz Jorge e lindas unhas 😉

Imaginattio

unhas-casamento-laysa-blog

Bom, como é sempre bom poder fazer parte de um momento tão gostoso e único na vida de nossos amigos, eu fui celebrar o casamento de uma nova amiga (conheci este ano e adorei!!) em Presidente Prudente! Foi tudo lindo, maravilhoso e divertido. E, como não poderia faltar, fiz unhas para o casamento!

Usei um esmalte rosa bebê, bem lindo e delicado, e passei glitter somente próximo às cutículas. Finalizei com o extra-brilho e ficou com este visual super fofo, suave, feminino e pronto para a comemoração do grande dia. É simples de fazer e só requer um pouco de paciência se você for perfeccionista como eu e resolver colar os glitters maiores um a um… 🙂

Ver o post original



{janeiro 20, 2014}   Gêneros Literários: Erótico!

Olá, olá, olá pervertidos e pervertidas de plantão!

Estamos de volta com mais um post sobre Gêneros Literários! E o tema da vez é algo um tanto polêmico no mundo da literatura… Falaremos sobre o Gênero Erótico! (Clique AQUI para ser direcionado ao tema anterior, Sick-Lit!)

literatura-erotica

Bom… antes de mais nada, a Literatura Erótica se enquadra dentro do gênero “mãe” Narrativo e/ou Épico, bem coladinho com a subcategoria Romance!

Antes de mais nada, deixe-me explicar que nos Gêneros Narrativos encaixam-se todas os sub-gêneros nos quais o autor estrutura uma história (quase sempre em prosa), que pode se inspirar em eventos reais ou ser apenas de natureza fictícia. Nessa modalidade as cenas se desenrolam de forma consecutiva no espaço e no tempo. Basicamente, esta modalidade (Narrativo) se distingue, estruturalmente por apresentar uma trama com início, um clímax e uma conclusão. Algo que facilmente encontramos no Gênero Erótico (pois é… clímax é o que não falta por sinal!)!

Obviamente, a Literatura Erótica é o gênero literário que utiliza o erotismo em forma escrita, para despertar o leitor para o mundo das práticas sexuais… E que práticas! Em sua maior parte utiliza-se da “fama” do gênero literário romance, embora alguns dos grandes clássicos eróticos estejam em forma de conto ou poesia. Além disso, as obras enquadradas neste gênero, podem ser classificadas, também, como literatura pornográfica, caso as cenas sexuais sejam REALMENTE muito explícitas!

Bom… Pode-se dizer que pornografia é pura e simplesmente uma descrição dos prazeres carnais e o erotismo é a mesma descrição, porém “revalorizada”, com base em um ideal de amor ou da vida social. Contudo, é importante fazer a distinção entre o erótico e o obsceno, pois, esse tipo de literatura caminha dentre essa linha tênue, na qual os escritores precisam tomar cuidado para deixar o enredo “sexy, sem ser vulgar”! Afinal, o erotismo é algo que torna a carne desejável, a mostra em seu esplendor e florescimento, inspira uma sensação de saúde, beleza e prazer, enquanto que a obscenidade desvaloriza a carne, e a associa com algo sujo, imperfeito e, como disse, vulgar…

erotico

No Brasil e no mundo, o gênero ressurgiu com peso e força desde o lançamento da saga 50 Tons de Cinza (de E. L. James), a qual, segundo a Editora Intrínseca, em menos de quatro meses, os livros que compõem a trilogia adulta ocuparam as três primeiras posições em todas as listas de mais vendidos do mundo e somaram mais de 2.370.000 exemplares comercializados! Ou seja, a cada minuto 13 livros são vendidos no Brasil! E se tornou normal ver mulheres lendo os livros em qualquer ocasião e local, mesmo ela sendo considerada (e talvez ainda seja) por um bom tempo, como uma “pornografia” para saciar a mente fértil de mamães, titias e vovôs…

E a partir daí, o mercado literário voltado para esse tipo de obra deslanchou e muitos autores e livros vêm aparecendo de forma avassaladora nas livrarias! Inclusive, alguns títulos aparecem com recomendações claras de que devem ser expostos lacrados ou em lugares altos, para que crianças não tenham acesso ao seu conteúdo! Tenso, não?

O primeiro livro que se tem notícia é o Kama Sutra (bom.. não é realmente um livro de Literatura Erótica, já que nele o sexo é retratado e considerado algo muita além que somente prazer, mas…)! Esse é um tipo de literatura sempre existiu, desde a época do Império Romano, e sempre sofreu por preconceitos e tabus. Não digo que já não sofre mais, contudo, desde essa popularização em massa dos últimos anos, admito que se tornou comum ver qualquer pessoa (homens, mulheres e adolescentes) com um livro erótico em mãos!

kamasutra da leitura

Segundo publicação do jornal O Estado do RJ, a última vez que se viu o erótico ficar “na moda”, foi há um pouco mais de vinte anos (em 1992), com o lançamento do álbum com livro Erótica da Madonna. Outra, obra, beeeem menos recente, que também fez muitos sangues borbulharem foi o livro Drácula, de Bram Stoker, o qual, décadas depois, ganhou uma adaptação mais sensual para o cinema!

Ainda no enredo vampiros, há uns quatro ou cinco  anos, começou uma onda de  publicações vampíricas em todo o mundo, as quais possuíam tramas mais focadas na sensualidade das criaturas do que, de fato, no fator terror que as engloba. A maioria dos leitores, inclusive nós do World Fabi Books,  achou que tudo não passava de mais um modismo e que logo esse tipo de livro diminuiria de publicações e “variedades”, dando lugar à outras leituras…

No entanto, hoje, o tema diminuiu um pouco de força, mas continua sendo alvo de vendas! De lá para cá vimos a saga Crepúsculo de Stephenie Meyer (não é bem erotismo, mas foi aí que eu acredito que o lado romântico e menos sanguinário dos vampiros começou a fazer sucesso), Irmandade da Adaga Negra de  J. R. Ward, Midnight Breed de Lara Adrian, Os Cárpatos de Christine Fehhan, Diários de Vampiro de  L. J. Smith, True Blood de Charlaine Harris, Vampire Academy de Richelle Mead (e que esse ano tem filme inspirado), House of Night de P.C. Cast e Kristin Cast, etc…

Acredito que, esse tipo de literatura foi o que deu a temperatura certa para que algumas editoras começassem  a cogitar a hipótese de voltar a publicar livros mais eróticos, já que as histórias de vampiros estavam fazendo (e ainda fazem) um sucessinho na forma de romance erotizado.

E falando em romance erotizado, outros seres começaram a aparecer em tramas com esse perfil! Além dos vampiros, se tornou comum ver lobisomens, sereias, criaturas mitológicas e até anjos! São enredos que passam desde o Chick-Lit até (e principalmente) ao New Adult e Young Adult! Parece que atualmente o erotismo se transformou em “peça chave” para muitas histórias e até gêneros por aí! Por isso está cada vez mais comum ver as pessoas à vontade com obras totalmente englobadas no Gênero Erótico!

Além do mais, a internet se tornou uma grande aliada deste gênero (tanto na literatura, quanto em qualquer outro ramo cultural!), já que o anonimato facilita a vida daqueles que gostam e pretendem escrever e difundir seus textos para o mundo. Aliás, as novas tecnologias se tornaram fonte de inspiração para esse tipo de autores, expondo uma gama de “realidades” com potencial para tanto ou que possam simplesmente satisfazer a imaginação e criatividade do autor antes de se iniciar a escrita… 

literatura_erotica

Vejam alguns livros do gênero, além dos já mencionados (alguns realmente bons e outros “interessantes”):

  • A Vida Sexual de Catherine Miller, de Catherine Milleré o despudorado livro de memórias da crítica de arte francesa Catherine Millet, um fenômeno editorial que causou furor em seu lançamento e que já vendeu mais de 2 milhões de cópias no mundo. Bastante conhecida no meio da arte, diretora de redação da “Art Press” em Paris, Millet revela com detalhes como viveu o “sexo pelo sexo”, entregando seu corpo ao prazer nas situações mais diversas, com parceiros homens e mulheres, em orgias de mais de 100 pessoas, buscando o sexo em clubes privados, na beira de estradas e em espaços públicos. Cansada de defender teoricamente a liberdade sexual e a transgressão, a autora decidiu partir para a ação e relata aqui de forma crua as sensações essenciais de sua experiência, expondo-se com total despudor, narrando o amor físico em todas as suas possibilidades (coloquei aqui a sinopse na integra, pois, assim dá para entender a densidade da obra!);
  • Falsa Submissão, de Laura Reese: essa obra é um relançamento, uma vez que foi editado originalmente na década de 90 e é taxado como uma “leitura para poucos”, pois trata fortemente das relações de submissão e sadomasoquismo, da forma mais crua que existe;
  • Luxúria, de Eve Berlin: comecemos pelo fato de que a escritora é uma conhecida autora estadunidense de livros eróticos! Este livro faz parte também de uma trilogia The Edge, que são histórias independentes, nos quais, os personagens de todas as obras possuem relação um com outro a nível de amizade. O primeiro livro este citado, mostra a história de dois escritores: Dylan Ivory e Alec Walker, sendo que Dylan usa Alec como sua segura fonte de informações para o próximo romance erótico, e Alec aproveita e propõe á Dylan que ela seja sua submissa, para que ela possa realmente entender o que os personagens de seus livros sentem…;
  • Cem Escovadas Antes de Ir Para a Cama, de Melissa Panarello: o livro, no início, pode parecer estranho e sem nexo, onde a personagem principal, Melissa simplesmente quis virar uma garota de programa que não recebe e nem sente prazer em se prostituir. A impressão inicial é essa: ela parece realmente não ter motivos para agir daquela forma, mas age. Contudo, aos poucos o leitor percebe os sentimentos que a prendem a tal atitude e a obra se transforma em algo denso e fabuloso!;
  • Bem Profundode Portia da Costa: retrata a historia de uma bibliotecária que recebe na caixa de sugestões da biblioteca onde trabalha, cartas picantes de um admirador secreto. A partir daí, ela resolver pôr em prática as sugestões e correr atrás de um alvo, o professor Daneil;
  • Amêndoa, de Nedjma: dizem as má línguas, que esse livro é altamento erótico, mas de extrema delicadeza! Ele mostra um outro lado das mulheres muçulmanas de uma forma totalmente inesperada!; 
  • Um olhar de amorde Bella Andre: esse é o primeiro livro de uma série de oito obras sob o título de Os Sullivans! Neste volume, não vemos a parte  erótica propriamente dita, porém a história é sensual e um pouco picante de Chloe, uma mulher extremamente atrapalhada e azarada, com o sensual e perfeito Chase; 
  • Teresa Filósofa, de Marquês d’Argens: é um dos maiores best-sellers da Europa do séc. XVIII! Trata-se de um romance, onde encontramos uma jovem tão inocente, disposta a fazer render todas as lições de luxúria de seus preceptores. A autoria inicialmente “secreta” do livro, hoje é atribuída ao senhor Jean Baptiste de Boyer, o marquês d’Argens, nascido em 1704 e morto em 1771, um pouco antes da Revolução Francesa. Em Teresa filósofa é um livro de libertinagem divertidíssimo!
  • Algemas de Seda, de Frank Baldwin: primeiramente, hoje em dia se tornou raro ver um homem escrever livros eróticos, contudo, neste caso, Baldwin provou ser uma arte unissex, através do sucesso que fez entre os fãs! A obra é altamente erótica, mesmo que os protagonistas não se toquem de fato. Há muitas cenas sensualíssimas e quentes, com uma trama que, aos poucos, vai se transformando em um suspense;
  • Decameron, de Giovanni Boccaccio: com subtítulo de “Príncipe Galeotto”, o Decamerão marca com certa nitidez o período de transição vivido na Europa com o fim da Idade Média, após o advento da Peste Negra. Aliás, é neste período em que a narrativa se passa… Dez jovens fogem das cidades tomadas pela pandemia e se recolhem numa casa de campo. Aconselhados por Pampinéia, a mais velha entre as mulheres, estabaleceram que escolheriam um chefe para o grupo para cada dia. Sendo ela a primeira escolhida. O livro Decameron ou Decamerão rompeu com a mítica literatura medieval e é considerado a primeira obra realista da literatura! Além disso, Aas circunstâncias descritas na obra têm o senso medieval de numerologia e significados místicos, algo extremamente único para uma Literatura Erótica!;
  • Toda Suade Silvya Day:  este é o primeiro livro da trilogia Crossfire. A obra fez (e faz) sucesso entre os leitores do gênero. A autora já declarou na internet que se inspirou na trilogia 50 tons de Cinza, porém, muitos ousam dizer que a história, nesse caso, é melhor construída do que a inspiração. Não há uma narrativa de submissão e sim de controle, de tormentos e de puro erotismo, já que os protagonistas são pessoas que sofreram traumas na adolescência que refletem nas condutas “atuais”. Eva e Gideon, definitivamente não são Anastasia e Christian; 
  • Desejo, de Nicole Jordan: é o último livro da trilogia Notorious. Aqui, podemos acompanhar um romance de época, envolvendo pirataria, condes, duques, realeza, além de um marcante toque de maldições ciganas! O livro se divide bem entre o romance propriamente dito e os momentos de puro erotismo entre os personagens principais! Todas as obras da trilogia possuem histórias desvinculadas, com começo, meio e fim! No entanto, todos os personagens homens possuem algum tipo de relação, seja por parentesco ou amizade;
  • Os Desejos da Bela Adormecida, de Anne Rice: o livro é o primeiro volume da polêmica trilogia Erótica de Anne Rice, a qual ela publicou sob o pseudônimo de A. N. Roquelaure. A obra reconta, sob um “ponto de vista” erótico, a história de A Bela Adormecida. O enredo causou algum rebuliço dentre os leitores e gerou muitas controvérsias que evolvem este tipo de trama (releituras surreais e/ou eróticas de grandes clássicos). A trilogia é, seguramente, mais um trabalho literário que é para poucos;
  • Deusa do Mar, de P.C. Cast: é o primeiro livro da série Goddess, na qual a escritora mescla a vida dos deuses com a de meros mortais, sempre temperando bastante em cenas eróticas! Excêntricos, divertidos, pervertidos e irregulares são alguns adjetivos que os leitores utilizam para definir bem este e os outros livros da série. Todos as obras envolvem deuses das mais variadas mitologias e envolvem mulheres como protagonistas principais que, de uma forma ou de outra, se envolvem com o mundo dos deuses e são “transportadas” para realidades diferentes, onde podem viver um grande e surreal amor, além de poder experimentar o gostinho de abandonarem suas meras existências mortais e transformarem em deusas ou, no mínimo, em fabulosos seres mitológicos.

Bom…

Ao meu ver, o problema do Gênero Erótico, atualmente, é que a temática acaba sendo sempre igual, com personagens que não se diferem muito, geralmente traumatizados e de comportamentos abusivos e/ou fora do comum, todos com algum mistério cercando a vida… E os tais comportamentos são praticamente os mesmo e geralmente aparecem na vidados personagens fora do relacionamento e durante os atos sexuais,  agora, sempre circulando entre a submissão e o controle total da pessoa…

Ainda existem as obras de qualidade e que surpreendem! Mas, como o erotismo está na moda, é preciso fazer uma boa seleção para poder separar o trigo do joio e poder ler uma boa trama erótica! (mesmo que você ainda não consiga fugir de termos como, pulsante, latejante, desejo latente, carne quente e molhada, etc… Ainda dá para aproveitar alguns enredos!)
literaturaerotica


{outubro 31, 2013}   Happy Book Halloween

dia_das_bruxas



Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blog.

Aqui está um resumo:

4,329 films were submitted to the 2012 Cannes Film Festival. This blog had 50.000 views in 2012. If each view were a film, this blog would power 12 Film Festivals

Clique aqui para ver o relatório completo



{janeiro 8, 2012}   Os números de 2011

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2011 deste blog.

Aqui está um resumo:

The concert hall at the Sydney Opera House holds 2,700 people. This blog was viewed about 12.000 times in 2011. If it were a concert at Sydney Opera House, it would take about 4 sold-out performances for that many people to see it.

Clique aqui para ver o relatório completo



Novamente… Andando pela internet, me deparo com desenhos que representam fatos da vida, coisas que a maioria das pessoas (um dia) já pensou e acontecimentos cômicos pelos quais eu sei que alguém NO MUNDO já passou! Huahuahuahuahua…

Confiram alguns:

 

 

 

 

Huahuahauahaua…

Que dó do Papai Noel!!!



{março 17, 2011}   Contos: os signos

Donos de si…

Olhando pela janela do carro, eu os vi. Um tanto grandes e imponentes em seus portes.

Alguns deitados sob o sol quente de fim de tarde… Outros de pé observando a planície a sua frente como se lhe pertencesse… E poucos caminhavam com uma tranqüilidade contagiante…

Aproximei-me do vidro a fim de observar melhor aquelas criaturinhas tão calmas…

Calmas? Poderiam estar agora diante dos meus olhos, contudo, conhecia bem o mito de seus golpes… A história que circundavam àqueles que por infelicidade e criancice lhe arrancaram a característica pacifica e os levava a mais suprema irritação!

Passei o dedo sobre a imagem que analisava e contei o número em que estavam. Uma família um tanto grande eu diria!

O carro passou próximo de um deles e eu pude vê-lo de perto. Admirei a cor de tua pele… Como aquilo podia ser natural? Tão impressionante…

Também notei, naqueles olhos negros, um olhar calmo que aos poucos, com a aproximação do carro, se tornava arisco e dominador!

A única coisa que compartilhavam era o espaço. De resto, eram donos de si, sem se importarem muito com o fato de estarem em grupo! Não conversavam, não se olhavam… Simplesmente se acomodavam uns do lado dos outros…

Senti o banco do carro se mover com a mudança do peso. Eu não havia me mexido, mas ele sim!

Ele se aproximara de meu vidro, matando a curiosidade de saber o que eu tanto observava com interesse.

Seus olhos percorreram a planície, vendo aqueles singelos e imponentes animais. Riu das atitudes de alguns deles e os ignorou.

Aparentemente eles não eram tão atraentes assim para o meu irmão… Quando pequeno ele os adorava, porém agora… Dava-lhes pouca importância.

E eu ri daquela atitude de pouco caso dele.

Ele observara os touros e agira como sarrista para com eles… O meu irmão ignorara aqueles que lhe representavam perfeitamente no zodíaco. Um taurino ria da cara de touros!

(conto: Donos de si… / Signo: Touro / autoria: Fabiane Zambelli de Pontes)



et cetera
Devaneios da Lua

Sobre tudo e ao mesmo tempo nada

Crônicas da Gaveta

Relatos amadores por @Cardisplicente

Sara M. Adelino

Tradutora. Revisora. Redatora.

WILDsound Festival

Weekly Film Festival in Toronto & Los Angeles. Weekly screenplay & story readings performed by professional actors.

Destino Feliz

Seu Blog de Viagens, Roteiros e Experiências

dmaimalopes

A great WordPress.com site

delenaalways

A fine WordPress.com site

evilking.wordpress.com/

Comic Book and related work by Danilo Beyruth

ibooksney

EM ANDAMENTO

My Broken Throat

Até que o medo se desfaça... Um engano do destino

nicoleravinos

"Um dia sem sorrir é um dia desperdiçado"

Action Nerds

Bonecos, tirinhas e nerdices. Aqui você encontra tudo isso!

Baú de Histórias

Em construção!

%d blogueiros gostam disto: