World Fabi Books











Olá, olá, leitores queridos do nosso coração!

Estamos de volta com uma dica ÓTIMA de leitura para vocês: Os mil outonos de Jacob de Zoet!! (o título original é The Thousand Autumns of Jacob de Zoet, e a tradução foi bem literal)

Os mil outonos de Jacob de Zoet

O livro, com 568 páginas, foi publicado no mês passado (no dia 19 de fevereiro) aqui no Brasil, pela editora Companhia das Letras. Ele pertence ao escritor inglês David Mitchell, sendo que, com total segurança, lhes afirmo que a obra apenas confirma que o autor é um dos mais fascinantes e destemidos escritores vivos atualmente! E a minha opinião é reafirmada pelo crítico da The New York TimesDave Eggers! (ele concorda com este ponto de vista sobre Mitchell! hehehe…)

Para quem ainda não conhece o escritor, saibam que David Mitchell nasceu em 1969, em Worcestershire, na Inglaterra. Ele viveu durante anos no Japão e atualmente mora na Irlanda com a esposa e dois filhos. Além de Os mil outonos de Jacob de Zoet, também é autor de outros quatro romances: Ghostwritten, Number9dream, Cloud Atlas e Menino de lugar nenhum.

Segundo o Scotsman, nesta obra, Mitchell “combina aventura, amor, mito, melodrama e ficção histórica com tanta habilidade que, ao terminar o livro, você provavelmente vai querer checar o que é verdade e o que é ficção. Em seguida, você vai perceber que nada disso importa, porque obras-primas têm regras próprias, e este livro é definitivamente uma obra-prima.”.

David Mitchell

Bem…

Para sanar a curiosidade sobre o enredo de Os mil outonos de Jacob de Zoet,  digo que o cenário é bem exótico e, pessoalmente, me agradou muito, pois sou fã da cultura oriental, principalmente no que se refere à história e política daquele hemisfério do mundo!

Ou seja, a trama é ambientada no Japão, mais precisamente o da virada do século XIX. (Sou uma cria de Rurouni Kenshin/Samurai X, por isso, não tem como não se prender a dramas históricos e políticos de qualquer época! hehehehe…)

A estória se passa em cima de um império japonês que, no ano de 1799, está totalmente fechado aos estrangeiros, com uma única exceção: a ilha artificial de Dejima, na costa de Nagasaki! Lá, os holandeses – que são os últimos parceiros comerciais europeus – mantêm uma feitoria.

E é no meio de toda essa trama política-comercial, que nos deparamos com o jovem escriturário Jacob de Zoet, o qual parte de navio para o Oriente, em busca da fortuna que lhe permitirá casar-se com sua amada Anna. No entanto, o trabalho ganha um “upgrade” inconveniente e ele acaba sendo incumbido por seu tutor da missão de investigar os registros de Dejima em busca de evidências de corrupção.

Digam-me! Esta é ou não é uma narrativa que poderá prender o leitor por suas intrigas, que lhes garanto, são muito bem elaboradas e descritas!? É como o The Times disse… “Seria difícil imaginar um livro mais aguardado do que Os mil outonos de Jacob de Zoet. Pouca coisa publicada hoje se compara a ele: vertiginosamente ambicioso e brilhante, executado com precisão e técnica assombrosas.”.

Os mil outonos de Jacob de Zoet

Para quem ficou curioso, eis a sinopse oficial do livro, fornecida pela editora, bem como um arquivo em pdf com um trechinho da obra para ler:

“O pano de fundo exótico para esta trama é o Japão da virada do século XIX. No ano de 1799, o império japonês está totalmente fechado aos estrangeiros, com uma única exceção: na ilha artificial de Dejima, na costa de Nagasaki, seus últimos parceiros comerciais europeus, os holandeses, mantêm uma feitoria. Em busca da fortuna que lhe permitirá casar-se com sua amada Anna, o jovem escriturário Jacob de Zoet parte de navio para o Oriente e acaba sendo incumbido por seu tutor da missão de investigar os registros de Dejima em busca de evidências de corrupção.

Impedido de praticar a fé cristã, ridicularizado pelos japoneses e hostilizado pelos colegas europeus que tem o dever de investigar, Jacob se sente mais isolado que nunca. Ao mesmo tempo, conhece aos poucos uma galeria de personagens marcantes que inclui o trambiqueiro Arie Grote, o samurai e intérprete Ogawa Uzaemon e o erudito botanista dr. Marinus. Sua situação se complica definitivamente quando ele se apaixona por uma jovem parteira e estudante de medicina, Aibagawa Orito, uma moça intrigante que tem o rosto parcialmente queimado. Quando Orito é raptada pelo sinistro abade Enomoto e Jacob se descobre vítima de sua própria ingenuidade e retidão moral, desvela-se uma trama repleta de paixões proibidas, traições, culpa, assassinatos, intrigas políticas e segredos de uma ordem espiritual que pratica horrores indizíveis.

Escrito com grande atenção aos detalhes, numa prosa repleta de episódios cômicos e reflexões filosóficas e históricas, Os mil outonos de Jacob de Zoet mostra por que David Mitchell é considerado um dos grandes autores contemporâneos de língua inglesa. Eleito um dos melhores jovens escritores britânicos pela revista Granta em 2003 e indicado a diversos prêmios importantes (foi duas vezes finalista do Man Booker Prize, com o cultuado Cloud Atlas e depois com Os mil outonos de Jacob de Zoet), Mitchell é dono de uma imaginação quase ilimitada e de um estilo cristalino e vívido, com o qual transita fluidamente entre gêneros como o romance histórico, a ficção científica e o romance de formação.”  Degustação do livro: Os mil outonos de Jacob de Zoet (degustação)

Texto by Fabi

IMG_20150212_130603

(na foto, participação especial da minha japa do coração, Liane Yumiko Azuma)



Olááááá, fãs da Ghibli!!!!

Ou seria Ghiblimaníacos (as)?

Acho que estão ansiosos por este post, não?

Desde Ponyo, não víamos mais nenhuma mega produção de Hayao Miyazaki, contudo, 5 anos depois, ele está de volta à direção! Miyazaki está no comando da animação Kaze Tachinu, ou melhor dizendo...O Vento está Soprando!

kaze tachinu (3)

Infelizmente, o filme é o último da carreira do mestre da animação japonesa, que anunciou sua aposentadoria em setembro de 2013…

Aos 72 anos, Miyazaki, que se descreve como um workaholic, se aposentará e deixará uma carreira fabulosa, na qual é o autor de onze longas-metragens aclamadas pela crítica e detentor de prêmios como: o Oscar de Melhor Filme de Animação com A Viagem de Chihiroo Urso de Ouro em Berlim (também com A Viagem de Chihiro) e o Leão de Ouro em Veneza pela sua carreira, a qual  é atravessada por histórias infantis que conversam com os adultos, por seres humanos e a sua relação com a natureza, por aventuras e aspirações, por desenhos feitos a lápis e com muito pouco computador nos seus filmes.

Hhayao-Miyazaki (1)

De qualquer forma, mesmo sendo a “saideira” de Miyazaki dos Studio Ghibli e do mundo do cinema, o gênio da animação sairá colecionando mais uma indicação, já que, O Vento está Soprando é um dos dezenove filmes pré-selecionados na corrida ao Oscar de Melhor Filme de Animação de 2014!

Além disso, apesar de representar “o fim”, os fãs de Miyazaki e da própria Ghibli ainda continuam ansiosos para assistir à obra, torcendo para que ela seja lançada o mais breve possível e sem imprevistos!

Hhayao-Miyazaki (4)

Kaze Tachinu, ou The Wind Rises, conta a história de Jirô Horikoshi, que vive em uma cidade do interior japonês e é o criador do caça usado pelo Japão na Segunda Guerra Mundial. A trama começa quando, num dia qualquer, Horikoshi sonha estar voando em um avião com formato de pássaro.

A partir daí, ele decide que construir um avião e colocá-lo no ar é a meta da sua vida! Durante a busca pelo seu sonho ele conhece Naoko, uma jovem encantadora por quem se apaixona.

kaze tachinu (1)

Dessa vez, para produzir o Kaze Tachinu, o incrível Hayao Miyazaki se inspirou no mundo real ao contar a história de Jirô,pois o personagem realmente existiu e, como já foi mencionado, era um engenheiro aeronáutico conhecido por ser o criador do famoso avião de combate da 2ª Guerra Mundial, o Mitsubishi A6M Zero! Miyazaki também se inspirou no livro de Tatsuo Hori, autor da obra de mesmo título da animação, Kaze Tachinu.

Kaze Tachinu ou The Wind Rises ou O Vento está Soprando estreia dia 21 de fevereiro nos E.U.A. e no Japão, sendo que, provavelmente, no mesmo dia estreie aqui no Brasil!

kaze tachinu (2)

Fiquem agora com alguns teasers e trailers da animação:

The Wind Rises – Official Trailer

Studio Ghibli THE WIND RISES (Kaze Tachinu) – Teaser Trailer (Japanese, 2013)

The Wind Rises (2013) – AKA Kaze Tachinu – Official Trailer HD

THE WIND RISES (Kaze tachinu) | Teaser Trailer 2013 HD

Kaze Tachinu (The Wind Rises / 風立ちぬ) – Official Japanese Trailer (Hayao Miyazaki – Studio Ghibli)

Deu ainda mais vontade de assistir, não deu?

Pelo visto, o titio Miyakazi criou mais uma obra prima da animação japonesa, ao lado do Studio Ghibli!

Surtem conosco!!

Hhayao-Miyazaki (2)

Confiram também, a filmografia de Hayao Miyazaki :

  • 1979: Rupan sansei: Kariosutoro no shiro  (em português: O Castelo de Cagliostro) – Pré Studio Ghibli;
  • 1978: Mirai Shōnen Konan (em português: Conan – O Rapaz do Futuro) – Para a  Televisão, sem o Studio Ghibli;
  • 1980: Rupan Sansei (em português: Lupin III) – Para a  Televisão, sem o Studio Ghibli;
  • 1984: Meitantei Hōmuzu (em português: Sherlock Hound) – Para a  Televisão, sem o Studio Ghibli;
  • 1984: Kaze no tani no Naushika (em português: Nausicaä do Vale do Vento) – Pré Studio Ghibli;
  • 1986: Tenkû no shiro Rapyuta (em português: O Castelo no Céu ) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 1988: Tonari no Totoro (em português: Meu Vizinho Totoro ou Meu amigo Totoro) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 1989: Majo no takkyûbin (em português: Serviço de entregas da Kiki) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 1992: Kurenai no buta (em português: Porco Rosso) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 1995: On your mark (vídeo-clipe de Chage & Aska) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 1997: Mononoke-hime (em português: Princesa Mononoke) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 2001: Sen to Chihiro no kamikakushi (em português: A Viagem de Chihiro) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 2003: Mei to Konekobasu (em inglês: Mei and the Kittenbus) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 2006: Hoshi wo Katta Hi (em inglês: The Day I Harvested a Planet) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 2006: Mizugumo Monmon (em inglês: Water Spider Monmon) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 2004: Hauru no ugoku shiro (em português: O Castelo Animado) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 2008: Gake no ue no Ponyo (em português: Ponyo, uma Amizade que do Fundo do Mar) – Dentro do Studio Ghibli;
  • 2014: Kaze Tachinu (em português: O Vento está Soprando/ em inglês: The Wind Rises)  – Dentro do Studio Ghibli;

Hhayao-Miyazaki (3)

Fonte da filmografia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hayao_Miyazaki#Filmografia



Kon-nichiwa minna-san!! (oi, pessoal!!)

Comecei o post em japonês, apenas para poder introduzir o tema entrando no clima oriental da notícia!

Segundo a Editora JBC, os fãs de Nakano Hitori terão motivos de sobra para comemorar, pois, FINALMENTE, estão trazendo para o Brasil uma das maiores histórias de amor do século XXI: o Densha Otoko – O Homem do Trem!!

train-man_densha-otoko_bookPara quem ainda não conhece, o Densha Otoko traz as aventuras de um nerd que se vê dentro de um romance aparentemente bastante improvável. Sendo que o aspecto mais divertido e lindo do livro é o fato de ter sido baseado em acontecimentos reais! Aliás, apenas para aumentar o apetite de vocês, informo que a obra é elaborada de forma única: uma reprodução dos textos publicados pelo protagonista no 2channel, um fórum de discussão muito famoso e usado no Japão.

Também lhes digo que o livro foi sucesso absoluto de vendas nas terrinhas japonesas, o que rendeu, por sua vez, adaptações em mangá, em seriado de TV e até num filme!!

Acredito que a obra conquiste os leitores (e, consequentemente, agora os telespectadores também) por trazer todos os elementos do nosso cotidiano e mostrar como o acaso pode acarretar em acontecimentos surpreendentes e maravilhosos! (apesar de se tratar de uma história de amor, ela não é nem um pouco “água com açúcar” e por isso eu recomendo a obra tanto para as leitoras quanto para os leitores, ambos vão, com certeza, poder apreciar o livro!)

E para alimentar a lombriga daqueles que ficaram com desejo de devorar essa obra vinda da terra de Godzilla, aqui vai um resuminho do livro, oferecido ela JBC:

“Ao voltar pra casa de trem, um jovem percebe que um bêbado incomodava um grupo de senhoras. Tentando interferir na situação, os dois acabam no chão e a confusão geral leva todos à delegacia. Esclarecido o problema, todos vão para casa e algumas das mulheres decidem anotar o endereço do rapaz para presenteá-lo em agradecimento pelo seu esforço.

Ao chegar em casa, o jovem descreve todo o ocorrido em uma das seções do 2channel, e expressa sua vontade (e completa impossibilidade) de continuar em contato com uma das mulheres, uma bela moça que sentava ao seu lado no trem. Após receber pelo correio um presente da moça, o rapaz busca a ajuda dos usuários do fórum sobre como prosseguir com o “relacionamento”.

Sob a alcunha de “Homem do Trem”, o protagonista contará com os conselhos de milhares de internautas para alcançar o sonho de todo nerd: superar seu medo e insegurança, e conquistar o amor da mulher de seus sonhos!”

trainman_densha-otoko

 



Campos de tulipas (Holanda)

O bolbo dessa flor já vagueou na Pérsia, na China e na Turquia, até que um cientista holandês o levou para o pequeno país europeu, onde a tulipa logo apreciou o clima e o solo, e se tornou um símbolo nacional.

Encontrada por toda a Holanda, sete milhões de tulipas florescem anualmente no Parque Keukenhof, o maior parque floral do mundo! Ele está  localizado no sul do país e é um excelente local para ver as cores das tulipas e de outras espécies de flores. Além de Keukenhof há os campos de tulipas de Bollenstreek, que atraem centenas de milhares de amantes da flor.

25 lugares tão incríveis que é difícil acreditar que realmente existem

Como podem ver, a Holanda é famosa por seus campos de cultivo de tulipas que florescem todos os anos na primavera e produzem um espetáculo de cores. A melhor época para apreciar a beleza dessas flores é entre março e maio, quando o Parque Keukenhof abre.

.

.

.

Túnel do Amor (Ucrânia)

Túnel do Amor fica em Kevlan, a 350 quilômetros de Kiev, capital da Ucrânia, mais precisamente num trecho desativado de uma linha de trem, que se transformou em um túnel cercado pela vegetação e cheio de clima poético.

O lugar é considerado muito romântico por casais que o descrevem como um cenário típico de conto de fadas. Ironicamente, o trecho foi o local de um violento ataque de tropas alemãs contra um trem russo durante a Segunda Guerra Mundial.

O túnel pertence a uma comunidade onde vivem oito mil pessoas. Ele é considerado um dos mais românticos do mundo, com apenas 3 quilômetros de extensão.

.

.

.

Salar de Uyuni (Bolívia)

Salar de Uyuni é a maior planície salgada do mundo, localizada no sudoeste da Bolívia, no altiplano andino, a 3.650 metros de altitude.

Estima-se que contenha 10 bilhões de toneladas de sal, das quais menos de 25.000 são extraídas anualmente. Além da extração de sal, o Salar também é um importante destino turístico.

25 lugares tão incríveis que é difícil acreditar que realmente existem

Este grande deserto de sal tem uma superfície de 12.000 km² e  anualmente, cerca de 60 mil turistas visitam o deserto e a ilha do Pescado, um monte elevado de terra cercado pela superfície de sal do Salar de Uyuni.

3

.

.

.

Hitachi Seaside Park (Japão)

Não tem como não se encantar com a beleza do Hitachi Seaside Park, um parque de flores localizado na cidade de Hitachinaka, na costa leste do Japão. Ele é muito procurado pelos turistas durante o ano todo, pois a cada estação seu cenário se modifica completamente, trazendo a beleza das suas flores sazonais.

O parque de flores abriga várias espécies que produzem paisagens diferentes a cada estação do ano. As nemophilas azuis florescem na primavera e produzem belos tapetes de cor azulada em uma grande extensão do parque.

25 lugares tão incríveis que é difícil acreditar que realmente existem

Ainda mais deslumbrante é a kochia, uma espécie de arbusto que muda de cor ao longo do ano e fica com um incrível tom de vermelho durante o outono.

.

.

.

Caverna de gelo em Mendenhall (Alasca – EUA)

O glaciar Mendenhall tem cerca de 19 km de comprimento e está localizado no Vale de Mendenhall, a cerca de 19 km do centro de Juneau, na região sudeste do Alasca, nos Estados Unidos.

A geleira  abriga uma enorme caverna de gelo que recebe milhares de visitantes anualmente. E uma das atrações mais impressionantes do glaciar é sua caverna de gelo extremamente azul – a combinação das fantásticas paredes de gelo com a luz solar proporciona a visão incrível.

25 lugares tão incríveis que é difícil acreditar que realmente existem

As paredes feitas de gelo da caverna, ao receber a luz solar do exterior, produzem uma incrível e reluzente cor azul no seu interior. O local é bastante frequentando por turistas de embarcações e cruzeiros. Cerca de 500 mil turistas passam pela geleira de Mendenhall a cada ano.



Memórias de uma Gueixa


Autor: Arthur Golden

Memórias de uma gueixa é uma criação quase autobiográfica de uma das gueixas mais famosas do Japão. Arthur Golden, escritor do livro, exerceu um belíssmo trabalho, descrevendo minuciosamente a vida de Nitta Sayuri (no livro seu nome fictício), abordando as tradições de um povo não liberal e seus costumes da época, pré e pós 2ª guerra mundial.

É um romance fascinante!

Você pode dar um mergulho na tradicional cultura japonesa, pode desfrutar de um romance sobre a sexualidade, e ainda, ter em mãos uma descrição minuciosa da alma de uma mulher já apresentada por um homem.

Seu relato tem início numa vila pobre de pescadores, em 1929, onde a menina de nove anos é tirada de casa e vendida como escrava. Pouco a pouco, vamos acompanhar sua transformação pelas artes da dança e da música, do vestuário e da maquilagem; e a educação para detalhes como a maneira de servir saquê revelando apenas um ponto do lado interno do pulso – armas e mais armas para as batalhas pela atenção dos homens. Mas, a Segunda Guerra Mundial força o fechamento das casas de gueixas e Sayuri vê-se forçada a se reinventar em outros termos, em outras paisagens.

 

 



{novembro 20, 2011}   Uma casa e um minúsculo terreno

Arquiteto japonês cria casa em minúsculo pedaço de terreno!!

 

Você já deve ter escutado que espaço no Japão é um item absolutamente raro. Qualquer pedaço de chão precisa ser muito bem utilizado, o que faz com que surjam obras capazes de nos deixar surpresos.

Um bom exemplo disso é a criação do arquiteto Kota Mizuishi. Em um minúsculo pedaço de terreno, ele ergueu uma casa completa, com direito a cozinha, banheiro, quartos e sala de jogos. Tudo isso avaliado em US$ 200 mil.

 



{outubro 18, 2011}   Um museu abandonado!

O que você acha que faria uma pessoa abandonar carros antigos e valiosos (para quem curte e/ou gostaria de vendê-los) em uma oficina?

Não sei se existe realmente uma resposta a ser dada…

E olha que já vi muita matéria mostrando verdadeiros museus abandonados.

Portanto… Acho que de vez em quando, ainda de forma um tanto inexplicável, surgem algumas coisas do gênero.

O mais recente “museu abandonado” foi descoberto no Japão.

Trata-se de um galpão com alguns veículos bem antigos – todos em estado de ruína, mas que valeriam uma boa quantia caso fossem vendidos.

Confira as fotos.

 

 

 

 

 

 

Via Livejournal



{julho 27, 2011}   Andando pela Internet

Hoje à tarde recebi um e-mail da minha mamy (grande leitora do blog), sugerindo um post!

E como sou uma boa filha, eis aqui a sugestão dela.

Vagando pela internet, ela se deparou com algo, no mínimo, curioso!

Ela sabe que eu curto cultura oriental, o que inclui o meu gosto refinado por mangás e animes, e quando viu essas informações que vou passar, correu me mandar um e-mail pedindo para que as colocasse no blog, pois até mesmo ela (ainda um tanto leiga nesse mundo fantástico de animes e mangás) gostou do que leu e achou interessante.

No Japão o tipo de sangue é tão importante que chega a faz parte do campo obrigatório de certos currículos e, em alguns casos, até pré-requisito em um começo de namoro!

Sim, eu sei! Parece loucura! Mas, é sério. Podem perguntar para a minha amiga Karen que mora em Hokkaido no Japão.

Existe até uma crença generalizada de que um determinado tipo de sangue influencia a personalidade e tem implicações na vida, no trabalho e no amor.

E, como já é de praxe, a indústria aproveitou essa onda sanguínea para lançar produtos temáticos e lucrar em cima disso.

Como já mencionado acima, namorar por causa do sangue é comum por lá. Portanto, obviamente, os japoneses descobriram uma nova forma de encontrar o parceiro: através do tipo sanguíneo (tanto em sites de relacionamento quanto no “tête-à-tête”). Essa novidade nos relacionamentos recebeu o nome de “speeds dating”.

Os speeds dating estão sendo utilizados, em maioria, por as mulheres que desejam imensamente encontrar homens com sangue do grupo A ou AB.

“Eu realmente gostaria de alguém com sangue do tipo A”, afirmou uma japonesa à BBC, acrescentando que vê um homem com esse tipo de sangue, como alguém “terra a terra”. (louco, não?)

O tipo sanguíneo é tão importante no Japão que, como mencionei, faz parte do campo obrigatório de certos currículos, sendo um dos critérios para as suas empresas escolherem os seus novos funcionários.

E um dado engraçado é que uma pessoa com sangue tipo B tem uma desvantagem na disputa por um lugar de chefia, pois, segundo os manuais, faltam ao tipo B diplomacia e habilidade para liderar. (quem é B aqui, se ferrooooooooouuuu!!!)

Por outro lado, os “B’s” têm criatividade e jeito para as artes. A indústria do país também aproveitou esta onda para lançar produtos temáticos, em Agosto do ano passado. Uma coleção de livros e preservativos são alguns exemplos desta coleção que, nos primeiros dois meses, vendeu 5 mil exemplares. (quem é artista aqui e do tipo B, corre pro Japão agora! Aproveita que a onda nuclear deu uma amenizada! Hehe…).

Os homens com este tipo de sangue demonstram o que sentem, são sensíveis, mas detestam romantismos exagerados. São pouco convencionais, muito criativos, honestos e perseverantes. Têm pouca diplomacia e habilidade para delegar.

Tipo B é o caos. Egoísta por natureza, mesmo que sem maldade ou intenção. Gosta muito de si mesmo e de seu próprio ideal.

Não se importa em viver em um ambiente desorganizado, principalmente porque acredita que essa é a sua forma de Ordem. Mas em toda essa desordem e caos está um líder sem igual.

Decidido, não muda de Opinião e se esforça ao máximo, de todas as formas, para conquistar seu ideal e se acreditar que é algo certo, Apesar disso, é considerado um tipo difícil, por sua personalidade forte e inadaptável.

Seu jeito direto e decidido pode ser um charme, mas, em geral, o tipo B não costuma se interessar em sentimentos e se enjoa rápido. Apaixona-se num dia e no outro já mudou de opinião. Segue seu ritmo. Não liga para regras.

Acredita-se que ao ter um pensamento próprio, usa uma parte do cérebro que libera adrenalina, ou seja, acaba se embriagando de si mesmo. O tipo B mostra-se bem sincero, respondendo rápido e claramente ás perguntas, sem nem pensar o motivo ou o que pensam sobre ele.

Já o tipo A são considerados reservados, discretos, cautelosos e indecisos. No trabalho são metódicos e persistentes. Gostam de ordem e são perfeccionistas. (hum… Acho que quem tem sangue tipo A deve colecionar uns “tocs” por aí.)

É o tipo racional. Organizado. Gosta de ter seu espaço e não gosta de ver esse espaço invadido. Não acredita que as outras pessoas não se importem com a desordem, por exemplo, de uma mesa durante o jantar. É o tipo que lava os pratos e guarda tudo, não porque tem que fazer isso, mas porque se não fizer fica com aquela sensação desagradável.

Quando conversa com alguém, sempre tenta passar uma boa impressão e fica pensando no que os outros vão pensar dele. Gosta de agradar e é um bom anfitrião. Respeita todas as regras, mesmo sem saber o motivo. Não costuma passar seus sentimentos de forma direta.

Ao ser questionado, usa uma parte do cérebro que corresponde à formação de frases. Ou seja, está criando mais perguntas antes de responder à primeira. Por exemplo, um entrevistado, ao começar as perguntas básicas, como nome e idade, já começou a usar sua parte especifica do cérebro. Ao fim da entrevista, perguntado sobre o que pensou no inicio, respondeu que ficou pensando se as respostas influenciariam no resultado, se o tom de voz implicaria em algo, etc.

Mais de 40% do povo japonês e do tipo A, o que explicaria até certas características da cultura japonesa.

Os do tipo AB mistura as características dos tipos A e B. Por vezes, parecem ter dupla personalidade, já que mudam de opinião de uma hora para a outra. São racionais, críticos e percebem o caráter das pessoas. São ótimos estrategistas. (acho que essas características se enquadram no signo de Gêmeos, ein!).

Assim, o AB é o indefinível!

Como já dito, ele mistura características dos tipos A e B, pois usa tanto a parte do cérebro destinada ao tipo A, quanto do tipo B, mas nunca simultaneamente e nem com controle disso. Por isso, pode fazer coisas que, para os outros, pode parecer sem sentido, simplesmente porque mudou a área que usa do cérebro.

Mas, pelo contrario, pode ser muito adaptável, porque seu cérebro esta 100% ativo e insaciável. Costuma ter ideias e fazer coisas que as outras pessoas nem imaginam. É a personalidade mais completa, mas, ao mesmo tempo, mais confusa. Normalmente é sempre sorridente. São sensíveis e carinhosos, porem, muitas vezes, isso é só imagem.

Distancia-se de provas de força. O tipo AB mostra-se disperso. Uma pergunta podia culminar numa longa resposta, muito provavelmente saindo do assunto. Também mostrou que não costuma dar respostas obvias, muitas vezes saindo com ideias criativas.

E os do tipo O são calmos e pacientes, sabem como controlar as emoções. São determinados e autoconfiantes. O poder os atraí e não se inibem de lutar por ele. Competitivos, sabem liderar e ficam à vontade no papel de chefe. (MUAHAHAHA! Por isso eu nasci com esse tipo sanguíneo! Posso dizer que ser ambiciosa está, literalmente, no meu sangue!).

Tipo O É definitivamente o mais indefinido e tempestivo.

Tem dificuldades em escolher qualquer coisa e é dependente por natureza. É o tipo que mais da certo com o tipo B, porque precisa de alguém que o puxe pelo braço e tome decisões rápidas. Mas, pelo contrario, não é um fraco!

Costuma ter uma vitalidade invejável. E após definir um objetivo, não retrai. Mostra seus sentimentos de forma direta. Sabe se aproveitar do que tem e fica bem na sombra dos outros.

É bem volúvel e pode se deixar levar fácil, mas, se for convencido é o tipo mais fiel. Pode não gostar de aparecer muito, mas para apoiar os outros, é o tipo mais certo.

Também é muito realista, apesar de também ser romântico. Sua personalidade não é muito visível á primeira vista, porque, em geral, costuma se adaptar as pessoas próximas.

Tem aversão por testes de inteligência, não por ser burro e sim por não gostar de ser testado. Faz amizades com facilidade e tenta manter todos por perto. E é muito objetivo.

Resumindo, conforme definido em alguns livros, as pessoas do tipo A são sensíveis e perfeccionistas, mas extremamente ansiosas. O tipo B tem pessoas alegres, mas excêntricas e egoístas. Os do tipo O são curiosos, generosos e teimosos. Já os AB são artísticos, misteriosos e imprevisíveis.

Mas, apesar de não tem fundamento científico, muitos japoneses acreditam que o tipo sanguíneo determina a personalidade das pessoas e, com isso, define o futuro profissional e amoroso também. A crença está altamente disseminada na população e começa a criar verdadeiras castas baseadas no sangue.

Autoridades do país oriental temem que essa fixação em tipo sanguíneo possa interferir em entrevistas de emprego e até mesmo na autoestima dos cidadãos, podendo aumentar os motivos de bullying, depressão e prejudicar (um pouquinho) o mercado de trabalho, já que, aparentemente, no Japão, o seu tipo sanguíneo pode ser determinante na hora de ganhar uma vaga de emprego.

Para dar uma dimensão de quão arraigada é essa crença, basta dar uma olhadinha nos livros mais lidos por lá. Da lista dos 10 “best-sellers” no Japão, 04 são sobre como o tipo sanguíneo influencia na personalidade!

Segundo o jornal The Washington Post, uma série de livros sobre todos os tipos existentes – A, B, O e AB – vendeu cinco milhões de cópias. (loucura! Loucura!)

Segundo os editores dos livros, eles fazem sucesso porque confirmam a autoimagem que as pessoas fazem de si, ou então dão uma interpretação atraente aos comportamentos de cada um. Digamos que lá, o tipo sanguíneo é como o horóscopo para os brasileiros!

Até o primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, considera os tipos sanguíneos importantes e revela o seu em um perfil na internet!  (heheheheh) Sendo que o seu principal adversário, o líder da oposição, Ichiro Ozawa, é do tipo B e a “batalha de sangues” tem grande influência na decisão do eleitorado. Realmente… O caso não poderia ser mais bizarro!

Também há jogos de videogame em que o tipo sanguíneo é uma importante característica dos personagens.

E uma rede de TV está prestes a transmitir uma série sobre uma mulher que procura um marido com base no seu tipo de sangue.

(Dois claros exemplos de que a ficção reflete a realidade.).

E vejam que HI-LÁ-RIO: há até uma palavra para “assédio por tipo sanguíneo”! O termo seria “bura-hara”! A expressão é usada para acusar empresas que usam o critério para a seleção dos funcionários.

“Apesar das intimações, existem muitas empresas que perguntam o tipo sanguíneo nas entrevistas”, afirma Junichi Wadayama, um oficial do Ministério da Saúde, Bem-estar e Trabalho. “A prática está tão disseminada que a maior parte das pessoas, até executivos de grandes companhias, não está consciente que perguntar pelo tipo sanguíneo pode gerar discriminação”, completa.

O professor de psicologia Satoru Kikuchi, da Universidade de Shinshu, assegura que o tipo sanguíneo não tem nenhuma relação com a personalidade. “É uma ideia que encoraja as pessoas a julgarem uns aos outros sem se conhecerem, é como o racismo”.

Segundo pesquisadores, essa mentalidade pode ter origem nas ideologias nazistas. Durante a Segunda Guerra, os japoneses foram importantes aliados dos alemães e podem ter importado alguns conceitos, que seriam usados para “criar” soldados mais eficientes.

Na verdade, isso tem base em teorias criadas já em 1916, por Takeji Furukawa, da universidade feminina Ocha no Mizu, do Japão, pesquisador da psicologia humana e traços de personalidade, que ligava o tipo de sangue á forma que o cérebro funciona.

Basicamente, dizia que os diferentes tipos sanguíneos reagiam de formas diferentes a mesma pergunta, cada um ativando uma parte especifica do cérebro, criando assim, reações especificas de cada grupo sanguíneo.

Mais tarde, Furukawa viria a aprofundar suas teorias com base cientificas na universidade de Tokyo, saindo da Psicologia teórica e buscando respostas em testes de sangue,
eletrocardiogramas, etc.

O governo japonês chegou a estudar o uso da pesquisa para dividir grupos e tarefas de soldados durante a Segunda Guerra Mundial, mas desistiu pelos custos e tempo que levaria para catalogar todos seus homens. Ainda, na terra onde o sol nasce, empresas empregam a pesquisa no setor de Recursos Humanos, para selecionar pessoal.

No entanto, poucos países levaram a serio essa pesquisa. Em Taiwan e na Coréia do Sul, eles tem a mesma ideia dos japoneses, e na França já houve algo do tipo, além de pesquisas próprias, que acabou não interessando ao povo francês. Mas, todo o resto do mundo sequer tem interesse nessas teorias. As pesquisas, estritamente cientificas, logo caíram no gosto popular.

Agora, vamos falar da influência que o tipo sanguíneo muito os mangás e animes, o que pode tornar a leitura deles um pouco mais interessante!

Muitos ocidentais acham estranhas as fichas de personagens de desenhos japoneses, que muitas vezes incluem o tipo sanguíneo. Porém, como já dito aqui, saber o tipo sanguíneo lá é tão importante quanto saber QUEM é a pessoa.

O “horóscopo sanguíneo” se difundiu no Japão, onde ele se popularizou ao ponto de bater de frente com a astrologia. Esse tipo de “Bidus” sanguíneos acabou saindo da definição de personalidade e indo pro mesmo terreno da astrologia de jornal: seu sangue decide como vai ser seu dia, que cor vai te dar sorte, o que você deve comer…

E, é claro que, se você encontra gente que acredita nisso assistindo TV, vai ter também em algum lugar mais próximo do que você imagina.

Pois saiba que muitos mangákas (desenhistas de mangás) acreditam nisso. E não são poucos, são muitos mesmo! De todos os gêneros.

Muitas vazes, a elaboração dos personagens e seu relacionamento são definidos tendo como base as pesquisas de Furukawa, fazendo os personagens agirem de acordo com os estereótipos sanguíneos.

Isso acaba sendo tão aprofundado ás vezes que ajuda a dar certa naturalidade e coerência nas reações dos personagens.

Aliás, esse é um dos pontos que a maioria dos amantes dos quadrinhos japoneses destaca como de fundamental importância na diferenciação com os quadrinhos de outras partes do mundo.

O mangaká do tipo A costuma trabalhar bem a “Fanservice”, como nas cenas de transformação da Sailor Moon. Também costuma fazer muitos personagens do tipo A, seu próprio universo.

Praticamente todo o elenco de Evangelion é do tipo A, de Shinji a Gendoh. Mas tem dificuldades em lidar com sentimentos, muitas vezes, fazendo confusão com seus personagens.

Mangakás famosos:

  • Naoko Takeuchi (anime e mangá mais conhecido: Sailor Moon)
  • Rumiko Takahashi (animes e mangás mais conhecidos: Ramna ½, Inu-Yasha)
  • Takao Saito (anime e mangá mais conhecido: Golgo 13)
  • Tatsuya Egawa (anime e mangá mais conhecido: Golden Boy)
  • Masami Kurumada (anime e mangá mais conhecido: Cavaleiros do Zodíaco)
  • Hideaki Anno e Yoshiyuki Sadamoto (anime e mangá mais conhecido: Evangelion)

O ritmo romântico e descolado é muito próprio das historias nos mangás do tipo B. O sentimento não é exatamente o ponto focal das tramas e, em geral, nunca há um mal absoluto ou grande rival.

Podemos ver isso em no anime/mangá Detective Conan, onde o personagem principal (um detetive) sempre está protegendo sua namorada, mas, visivelmente mais interessado em resolver os casos.

Leiji Matsumoto, um óbvio Otaku de Máquinas (louco por máquinas), desenha historias que costumam fugir da trama pra fazer o que ele quer: desenhar máquinas.

O anime/mangá Love Hina também se dispersa bastante e, apesar de seu foco de “mangá de relacionamentos”, uma análise mais fria mostra que Ken Akamatsu (desenhista da série Love Hina) se concentra mais em situações do que nos sentimentos dos personagens.

Mangakás famosos:

  • Gosho Aoyama (anime e mangá mais conhecido: Detective Conan)
  • Masami Yuki (anime e mangá mais conhecido: Patlabor)
  • Yoshito Usui (anime e mangá mais conhecido: Crayon Shinchan)
  • Leiji Matsumoto (animes e mangás mais conhecidos: Yamato e Patrulha estrelar)
  • Ken Akamatsu (anime e mangá mais conhecido: Love Hina)

Os mangás do tipo AB costumam dar espaço para os mais variados tipos de personagens, sem ofuscar nenhum. Também dão muito valor aos povos diversos, como a equipe internacional da série Cyborg 009, liderada por um japonês, mas sem tirar a importância de personagens russos, franceses, africanos,…

Tem uma definição ambígua do mal. Enquanto o A costuma fazer os malvados como tipos sujos, que fazem tudo de forma destrutiva; e o B faz malvados que não escolhem meios para chegar ao seu objetivo, o AB é o que faz o inimigo frio e calculista, às vezes, vilões com carisma, como o personagem Char do anime/mangá Gundam.

Death Note (um anime/mangá famosíssimo que eu adoroooooo) se encaixa perfeitamente nessa classe, os que já leram ou assistiram com certeza vão encontrar todos os pontos característicos!

Takeshi Obata (autor de Death Note) sendo AB colocou muito do seu tipo sanguíneo em sua historia. Mesmo Light (personagem principal) sendo do tipo A, tem persistência e o egoísmo do B.

Também não podemos esquecer que o AB tem idéias que os outros não costumam ter, sejam elas geniais ou simplesmente estranhas. São poucos os mangákas do tipo AB, mas a maioria deles costuma se destacar.

Mangakás famosos:

  • Takeshi Obata (anime e mangá mais conhecido: Death Note)
  • Shotaro Ishinomori (anime e mangá mais conhecido: Cyborg 009)
  • Mitsuru Adachi (animes e mangás mais conhecidos: Touch e H2)
  • Riyoko Ikeda (anime e mangá mais conhecido: Rosa de Versalhes)
  • Yoshiyuki Tomino (anime e mangá mais conhecido: Gundam)
  • Monkey Punch (anime e mangá mais conhecido: Lupin 3rd)

Os enredos dos mangás do tipo O é o que mais se adapta ao lema da Shonen Jump: esforço, amizade e vitória!

São criações onde a energia transborda em todas as páginas. Os personagens são definidos e tem sentimentos claros. A história segue linear e definida, claramente há um objetivo. E esse objetivo é sempre alcançado no fim.

Tsukasa Hojo é talvez o maior exemplo, com historias bem definidas, personagens certos de seus objetivos e vitalidade sempre na dose máxima.

Os vilões do tipo O não escolhem os meios para alcançar seus objetivos. Como podemos obviamente ver nos filmes de Miyazaki, como Laputa e Mononoke Hime.

Mangakás famosos:

  • Suzue Miuchi (anime e mangá mais conhecido: Garasu no Kamen)
  • Tsukasa Hojo (anime e mangá mais conhecido: City Hunter)
  • Tetsuya Chiba (anime e mangá mais conhecido: Ashita no Joe)
  • Hayao Miyazaki (anime e mangá mais conhecido: A viagem de Chihiro)
  • Go Nagai (animes e mangás mais conhecidos: Mazinger Z e Devilman)

Então… Analisando essa teoria toda e a usando para compor uma historia básica, teríamos:

O velho pai A, que é calmo e tenta sempre colocar juízo na cabeça do jovem herói B.

O jovem herói B tem um motivo para salvar o mundo: a menininha O que foi raptada pelo capanga AB do grande Líder do Mal B.

Só que a menininha O acaba ficando indecisa entre seu amor pelo herói B e o charme do Vilão AB, que, mesmo sendo mal, sempre trata ela bem.

Daí, quando o capanga AB é derrotado pelo herói B, ele acaba sendo convencido duramente de que esta fazendo a coisa errada e… MUDA DE LADO!!!

E acaba sendo a chave definitiva para derrotar o grande chefe B, já que o herói B não conseguiu pensar em outra forma de derrotar o vilão que não fosse a própria, e acabou fracassando.

O mundo está salvo, mas é ai que o capanga AB… Funda a própria organização!

Para aprofundar, existe uma Tabela de relações entre os tipos sanguíneos, a qual ajuda a resolver relações entre os personagens, não somente amorosas, mas de amizade ou de trabalho.

Existem pesquisas que comprovam que a relação correta dos tipos sanguíneos em ambiente de trabalho ou escolar aumentam a produtividade e a relação entre os membros.

Existem mangákas que admitem acreditar e usar essas tabelas. Hideaki Anno usou as tabelas em Evangelion, brincando com a ideia de um ambiente cheio de tipos A. Takao Saito também é um adepto.

Porém, tipos sanguíneos, mesmo com ou sem fundamentos científicos, são visivelmente longe dos “100%” de clareza, assim, nem tanto assertivos. (por mais que eu tenha gostado da definição da personalidade do meu tipo de sangue: O).

Já foi provado que a convivência muda, e muito, a personalidade dos indivíduos. Fatos marcantes de sua vida também podem apagar traços e criar novos. Afinal, para toda regra existem exceções.

Também existem estudos mais aprofundados, fazendo relações e tipo sanguíneos oriundos de pais com tipos de sangue diferentes.

Fontes:



et cetera
Devaneios da Lua

Sobre tudo e ao mesmo tempo nada

Crônicas da Gaveta

Relatos amadores por @Cardisplicente

Sara M. Adelino

Tradutora. Revisora. Redatora.

WILDsound Festival

Weekly Film Festival in Toronto & Los Angeles. Weekly screenplay & story readings performed by professional actors.

Destino Feliz

Seu Blog de Viagens, Roteiros e Experiências

dmaimalopes

A great WordPress.com site

delenaalways

A fine WordPress.com site

evilking.wordpress.com/

Comic Book and related work by Danilo Beyruth

ibooksney

EM ANDAMENTO

My Broken Throat

Até que o medo se desfaça... Um engano do destino

nicoleravinos

"Um dia sem sorrir é um dia desperdiçado"

Action Nerds

Bonecos, tirinhas e nerdices. Aqui você encontra tudo isso!

Baú de Histórias

Em construção!

%d blogueiros gostam disto: