World Fabi Books











{fevereiro 13, 2015}   A Mais Pura Verdade

Olá, leitores queridos e leitoras amadas!

Por acaso vocês já estão sabendo sobre o pré-lançamento do livro A Mais Pura Verdade, do autor Dan Gemeinhart, que será lançado pela Editora Novo Conceito?

a-mais-pura-verdade-frente

Pois é…

A obra já foi lançada nos E.U.A. no mês de janeiro deste ano e a previsão para chegar nas livrarias na versão brasileira é para este semestre.

A obra é, na minha opinião, um lançamento muito especial, pois, através deste livro o autor está debutando no mercado editorial, ou seja, esta é a primeira obra publicada de Dan Gemeinhart! Além do mais, o enredo possui uma trama comovente, enternecedora e bem interessante.

O livro se classifica como Middle Grade Novel, que significa obras voltadas para o publico mais jovem, se traduzirmos ao pé da letra, Middle Grade Novel significa romances de médio grau, neste caso, para alunos do ensino fundamental à médio.

Portanto, o enredo de A Mais Pura Verdade foi carinhosamente redigido para estudantes do Ensino Médio e Fundamenta. E conta a estória de Mark, um garoto aparentemente normal, que tem um cachorrinho chamado Beau (leiam Boo) e uma grande amiga, a Jessie. Contudo, as coisas não são tão simples assim… Mark está doente e a doença não é brincadeira não! Infelizmente, ela pode minar o sonho do garoto que é, um dia, poder escalar uma montanha.

Então, Mark foge do hospital rumo ao Monte Rainier, levando consigo apenas a sua adorada câmera, o seu amado cachorro e um caderno. E toda a trajetória deste personagem especial vai nos ensinando questões importantes da vida e deixando o livro ainda mais marcante. (talvez pela doença ser um elemento tão significativo na trama, provavelmente, a obra seja, também, classificada como Sick Lit.)

Como ninguém ainda conhece o autor, vamos falar um pouquinho dele para vocês!

dan-gemeinhart.png.

Dan Gemeinhart é um professor-bibliotecário da escola Mission View Elementary em Wenatchee, uma cidade localizada no estado norte-americano de Washington, no Condado de Chelan.

Ele é um orgulhoso membro da Sociedade de Escritores de Livros Infantis & Ilustradores, conhecida como SCBWI (Society of Children’s Book Writers & Illustrators). Suas paixões, além de ler e escrever, são a música e passar o máximo de tempo possível ao ar livre.

O escritor já admitiu que um de seus maiores medos é ter os pés subitamente agarrados por alguma coisa dentro da água escura, enquanto nada. No entanto, de acordo com o autor, ele “não teme o medo” e sempre tenta superá-lo, também não se assusta com coisas que geralmente as pessoas temem como lobos e relâmpagos, por exemplo.

Dan vive com sua mulher e três filhas na cidade Cashmere, também no Condado de Chelan. E muitos de seus textos e trabalhos podem ser encontrados em seu website www.dangemeinhart.com.

O livro aqui no Brasil terá 224 páginas e custará em torno de R$29,90. E se estiverem interessados, podem ler a sinopse oficial da obra, logo abaixo!

a-mais-pura-verdade-frente

Sinopse:

“NUNCA É TARDE DEMAIS PARA VIVER A MAIOR AVENTURA DA NOSSA VIDA.

Em todos os sentidos que interessam, Mark é uma criança normal. Ele tem um cachorro chamado Beau e uma grande amiga, Jessie. Ele gosta de fotografar e de escrever haicais em seu caderno. Seu sonho é um dia escalar uma montanha.

Mas, em certo sentido, um sentido muito importante, Mark não tem nada a ver com as outras crianças.

Mark está doente. O tipo de doença que tem a ver com hospital. Tratamento. O tipo de doença da qual algumas pessoas nunca melhoram.

Então, Mark foge. Ele sai de casa com sua máquina fotográfica, seu caderno, seu cachorro e um plano. Um plano para alcançar o topo do Monte Rainier.Nem que seja a última coisa que ele faça.

A Mais Pura Verdade é uma história preciosa e surpreendente sobre grandes questões, pequenos momentos e uma jornada inacreditável.”

Texto by Fabi

IMG_20141122_185503



{novembro 20, 2013}   Gêneros Literários: Sick-lit!

Olá, queridos e queridas!

Desculpe o sumiço! É que eu, Fabi, estive comemorando a chegada dos meus 25 aninhos! Pois é… Agora, a pessoa que vos fala é um quarto centenária! Lindo, não?

E para voltar com estilo e de forma bem educativa, resolvi criar um novo “gênero de posts“, os quais falaram sobre Gêneros Literários (desde os mais tradicionais, até os mais atuais)!!

Mas…

O que são Gêneros Literários? (claro que a maioria não fará essa pergunta, porém, não custa nada esclarecer!)

Bom…

Os Gêneros Literários são agrupamentos que reúnem, nas mesmas categorias, obras com atributos semelhantes. Ou seja, os gêneros, nada mais são, do que uma forma de classificar textos e organizá-los em conjuntos conforme as suas propriedades formais de escrita.

Contudo, só porque um livro foi classificado como sick-lit ou chick-lit, por exemplo, não quer dizer que ele não possa transitar entre as duas modalidades ou ser classificando dentro de ambas. Esta categorização é elástica, portanto um determinado conteúdo pode transitar entre uma e outra modalidade.

Aliás… Essa classificação literária é uma atividade bem antiga, por sinal! As primeiras divisões surgiram na Era Antiga com os filósofos gregos Platão e Aristóteles. E desde a antiguidade, todos os gêneros partem de uma classificação padrão: narrativo (ou épico)lírico e dramático. E é a partir deste ponto que começam as ramificações menores, ou seja, os subgêneros.

E hoje, vamos falar do Gênero Literário Sick-lit, o qual é um subgênero do Narrativo/Épico!

Então, o que seria um Sick-lit?

Sick-Lit

Como muitos sabem, o mercado literário vive de temas que, por algum tempo, conseguem mobilizar a atenção do leitor. E de um tempo para cá o nicho das histórias infanto-juvenis foi praticamente dominado por vampiros, hobbits, doces princesas, investigadores sedutores ou belas fadas. Mas, no início de 2013 narrativas tristes, melancólicas e algumas até bem depressivas se tornaram comuns dentro do mercado editorial, além de muito procuradas pelos leitores.

Um exemplo do sucesso deste gênero (fora o crescente número de títulos dessa seleção à venda nas livrarias), é o  fato de os primeiros lugares dos mais vendidos do “The New York Times”, por exemplo, foram cedidos para livros como A culpa é das Estrelas do escritor John Green, e As vantagens de ser Invisível de autoria de Stephen Chbosky!

Para quem ainda não leu ou nunca ouviu falar (o que eu acho um tanto difícil, visto o sucesso que fazem!), digo e resumo que o primeiro tem como protagonista uma garota portadora de câncer em estado terminal e acaba encontrando o amor de sua vida dentro do hospital (logo, logo sai filme baseado na obra!). Já o segundo tem como foco um jovem garoto depressivo, o qual pensa seriamente em se matar, exatamente como um amigo seu, e ele fica entre o suicídio e a vida, graças aos acontecimentos e pessoas ao seu redor (este livro já foi adaptado para o cinema e mesmo nessa versão ele também conquistou um público fiel).

Por essas e outras que dizem por aí que Sick-lit é um livro mais voltado para o público adolescentes, no qual o protagonista está doente, seja física ou psicologicamente. Sendo que quem colocou essa etiqueta de Sick-lit (que traduzindo pode significar ‘literatura enferma’ ou ‘doentia’) em obras como essas mencionadas, foram críticos e classificadores que viram que REALMENTE, neste segmento, os enredos são protagonizados apenas por jovens mergulhados em enfermidades sérias, depressivos, anoréxicos, que já cederam à tentação do suicídio, ou por qualquer outro distúrbio…

Aparentemente, essas obras Sick-lit têm a ideia de trazer adolescentes em uma situação difícil para uma verdadeira reflexão sobre a vida e sobre o papel a ser desempenhado dentro do círculo social. Uma finalidade um tanto nobre, se levarmos em conta que na adolescência, hoje em dia, garotos e garotas passam por sofrimentos muitas vezes difíceis de suportar. E com histórias como estas, eles podem ter uma ideia de como outros jovens agem quando atravessam contextos semelhantes ou até mesmo testemunhar dores mais atrozes que as suas. Seria como um psicologo silenciosos e pessoal, que aparece em forma de escrituras, quando mais se precisa!

Claro que tudo depende de como a trama foi elaborada! Se a narrativa é de boa qualidade, como, por exemplo, a de John Green, eu acredito que jovens consigo se encontrar e meditar sobre si mesmo através da leitura, pois são obras que revelam não somente o lado triste de uma história juvenil, mas, também, como os personagens transcendem seus desafios.

Sick-Lit2

E nesse rol de obras Sick-lit de qualidade, cabem livros como:

  • Antes de morrer (de Jenny Downham): essa obra foi igualmente traduzida para as telonas dos cinemas e traz como personagem principal uma garota enferma louca para viver intensamente os últimos momentos de sua existência, incluindo deixar de ser virgem;
  • Red Tears (de Joanna Kenrick): esse livro focaliza em uma menina que pratica a automutilação e que possui sérios problemas psicológicos, como a depressão;
  • Cidades de Papel (de John Green): um garoto apaixonado entra numa aventura e descobre que a mulher de sua vida não é exatamente tudo aquilo que ele imaginava ser;
  • Extraordinário (de R. J. Palacio): aqui o protagonista é um garoto que desde o nascimento apresenta a face disforme e precisa aprender a conviver socialmente e superar preconceitos para continuar vivendo;
  • Querido John (de Nicholas Sparks): “Querido John”, dizia a carta que partiu um coração e transformou duas vidas para sempre… Os protagonistas são separados por uma vida de deveres militares, pela solidão e pelos atentados do 11 de setembro, contudo, quando tudo parece que vai dar certo, um deles descobre como o amor pode nos transformar de uma forma que jamais poderíamos imaginar;
  • Como dizer adeus em robô (de Natalie Standiford): fala sobre a morte de um jovem e como as pessoas ao seu redor lidaram com isso, além de mostrar como ele próprio chegou a esse fim;
  • A Garota que Semeava (de Lou Aronica): essa obra fala do relacionamento entre pai e filha, no qual precisam enfrentar obstáculos, sendo um deles a tênue linha entre realidade e fantasia;
  • Perdão, Leonard Peacock (de Mathew Quick): essa obra é sobre um garoto que está pensando em cometer suicídio, logo após matar o responsável pela maioria de seus problemas, mas, antes disso, ele tem que entregar alguns presentes;
  • Um Porto Seguro (de Nicholas Sparks): a protagonista parece evitar laços pessoais formais até uma série de eventos levá-la a duas amizades relutantes: uma com um viúvo com dois filhos pequenos, e outra com sua vizinha… E quando ela começa a se apaixonar, se depara com o segredo obscuro que ainda a assombra e a amedronta: o passado que a deixou apavorada e a fez cruzar o país para chegar no paraíso;
  • A Garota das Nove Perucas (de Sophie van der Stap): é uma história baseada em fatos reais sobre uma garota jovem, cheia de vida e baladeira que descobre que está com câncer e para fugir da realidade cria identidades novas e vive a vida dessas personagens;
  • O Teorema Katherine (de John Green): após levar um doloroso pé na bunda, o protagonista decide viajar pelo país a fim de descobrir,através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam;
  • Um Amor para Recordar (de Nicholas Sparks): o protagonista, um garoto “bad boy”, se apaixonada perdidamente pela garota quietinha e boazinha, filha de um pastor, mas, não é somente um problema de características pessoais que os separam, ele descobre que ela tem leucemia;
  • O Lado Bom da Vida (de Mathew Quick): aqui, o personagem principal acaba de sair de uma instituição psiquiátrica, convencido de que passou apenas alguns meses naquele ‘lugar ruim’ e sem conseguir se lembra do que o fez ir para lá, enquanto monta o quebra-cabeças em sua memória, ele tenta reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida;
  • A Espuma dos Dias (de Boris Vian): essa fantástica obra prima conta a história de cinco colegas que vão “amadurecendo” juntos, sendo que, além do casamento e das aventuras românticas, eles passam por doenças (psicológicas e físicas) e o que de início era belo, claro e iluminado vai se tornado sombrio, triste e fúnebre;
  • Garotas de Vidro – A Verdade nem Sempre é o que Enxergamos (de Laurie Halse Anderson): fala de duas amigas que estão congeladas em seus corpos, porém,em uma manhã, uma delas acorda com a notícia de que a outra está morta, sendo que as circunstâncias da morte são um mistério… E como se isso não bastasse, antes de morrer, a garota tentara falar com a amiga para pedir ajuda;
  • Diário de uma Paixão (de Nicholas Sparks): os protagonistas não possuem vidas incríveis, são pessoas comuns, mas que juntos vivem uma emocionante e linda história de amor, contudo, fica a dúvida se eles sobreviverão a 14 anos separados…

Esses e outros títulos são ótimas pedidas para quem está passando por uma fase ruim e precisa de “conselhos”!

Contudo, esse gênero literário não possui a unanimidade dos leitores, há quem não concorde que esse tipo de leitura faça bem para quem a procura. Acredita-se, também, que o Sick-lit é uma literatura impressionável demais para leitores vulneráveis, mal-saídos da infância, sendo que textos como estes mergulham fundo em emoções depressivas e em pensamentos suicidas, além de estes livros não oferecerem respostas viáveis ao jovens e nem os induzem a buscar ajuda especializada de fato. Muitos consideram os Sick-lit perigosos demais para esta faixa etária.

Sick-Lit1

Mas, não precisam pensar apenas no lado “negativo” da análise desse gênero. Ainda há quem não concorda com este ponto de vista de que as obras do Sick-lit são perigosas e acha, inclusive, que esse rótulo impresso ao novo gênero desrespeita os autores deste tipo de obra (e são muitos os que pensam assim, por sinal). Para essas pessoas, as histórias enfocam adolescentes lutando contra os mais diversos desafios e se revelando aptos a vencer este combate. Mesmo assim, também concordo que ainda existem jovens leitores que não têm condições de se distanciar da história e de não se deixar influenciar pela trama (por isso, se a coisa piorar, é melhor procurar uma ajuda profissional, crianças!).

Realmente… Nada pode fazer 100% bem para 100% das pessoas e o Sick-lit não está fora dessa máxima!

Contudo, fazendo bem para uns ou mal para outros, é inegável o fato de que esse Gênero Literário está chegando com tudo nos tempos modernos e que, felizmente, existem muitos escritores de qualidade que sabem o que fazem! (para a nossa sorte e preservação da saúde mental!)

Sick-Lit



et cetera
Devaneios da Lua

Sobre tudo e ao mesmo tempo nada

Crônicas da Gaveta

Relatos amadores por @Cardisplicente

Sara M. Adelino

Tradutora. Revisora. Redatora.

WILDsound Festival

Weekly Film Festival in Toronto & Los Angeles. Weekly screenplay & story readings performed by professional actors.

Destino Feliz

Seu Blog de Viagens, Roteiros e Experiências

dmaimalopes

A great WordPress.com site

delenaalways

A fine WordPress.com site

evilking.wordpress.com/

Comic Book and related work by Danilo Beyruth

ibooksney

EM ANDAMENTO

My Broken Throat

Até que o medo se desfaça... Um engano do destino

nicoleravinos

"Um dia sem sorrir é um dia desperdiçado"

Action Nerds

Bonecos, tirinhas e nerdices. Aqui você encontra tudo isso!

Baú de Histórias

Em construção!

%d blogueiros gostam disto: